Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Neo Geo X - Análise

O Digital Foundry sobre se este sistema arcada de bolso está à altura da lenda.

Lançada na altura em que os jogos eram dominados por consolas como a NES de 8-bits ou a Mega Drive de 16-bits, o sistema Neo Geo da SNK era poderoso e caro. Lançado em duas versões - MVS para arcade, AES para casa - o sistema oferecia visuais das máquinas dos salões de jogos numa altura em que os jogadores domésticos ficavam com versões inferiores dos jogos arcade. O problema estava no preço - a consola era um investimento significativo, enquanto os jogos eram vendidos entre os 170 a 230 euros cada.

Previsivelmente, isto relegou a máquina para pouco mais do que uma pequena parte das épicas guerras de consolas do início dos anos 90, ainda assim a mística ficou, devido muito à cobertura extensiva das revistas da altura. Títulos como Fatal Fury 2 e Metal Slug era falados em tons reverentes nos recreios de escola de todo o mundo; este era um sistema que todos desejavam, ainda assim para a maioria dos jogadores era inalcançável. O estatuto de culto da Neo Geo ficou constante, apesar da passagem do tempo e das vendas relativamente baixas e o formato continua a desfrutar de limitado suporte de programadores até hoje - algo que foi possível com uma incrível e apaixonada comunidade.

Não fosse o estatuto único da Neo Geo no mundo dos jogos, um produto como a Neo Geo X simplesmente não existiria. Este é um aparelho que foi produzido para satisfazer um curiosidade que os jogadores tinham desde 1990 - o desejo de ter a que já foi referida como “o Rolls Royce das consolas de jogos”. O facto da maioria dos smartphones serem mais poderosos - e provavelmente perfeitamente capazes de emular a consola com pouco esforço - é irrelevante; como nenhuma outra marca no ramo do entretenimento, a Neo Geo é abençoada com um apelo que jogadores dedicados parecem achar irresistível.

Claro, a SNK não é a mesma companhia que era quando lançou a consola no mercado há vinte anos atrás. Foi à falência em 2001, o nome SNK foi ressuscitado como SNK Playmore e está agora focada na produção de jogos. Como resultado, a NGX é um aparelho criado debaixo de licença da SNK Playmore por uma editora Americana, a Tommo, e distribuída no Reino Unido pela Blaze. Apesar da sua natureza licenciada, o aparelho parece espantosamente autêntico. A equipa por detrás do empacotamento da NGX sabe claramente o que faz; o design da caixa é uma réplica quase autêntica da embalagem NG AES original; até às caixas individuais internas com os seus conteúdos marcados claramente à frente. Até reproduziram os icónicos autocolantes Neo Geo para fechar cada caixa.

Quanto ao aparelho em si, as impressões iniciais são positivas. A consola NGX é bem feita de agradável de segurar; tem perto do mesmo tamanho que uma Vita e tem uma traseira de borracha para melhorar a ergonomia durante os jogos. O joytick micro-ativado relembra o exemplo visto no comando Neo Geo CD e a variante mais pequena no Neo Geo Pocket - a tentativa mal sucedida da SNK combater o dominante Game Boy da Nintendo de 1998. Também emite um som incrivelmente alto durante o uso, portanto esperem ser olhados de lado se querem jogar em transportes públicos. Ainda assim, é muito provável que estejam demasiado entretidos para notar - o grau de controlo e precisão oferecidos pelo stick é sublime, tornando fácil demais de sacar de especiais em The King of Fighters '95, ou evitar as atenções de um jogador rival em Super Sidekicks.

Os quatro botões frontais respondem e não são muito esponjosos, mas os quatro botões laterais são menos impressionantes - colocados de forma incomodam na carnagem e duros de pressionar. Felizmente, todos os jogos Neo Geo recaem num esquema de quatro botões, portanto raramente pressionas os botões laterais. São usados para controlos periféricos, tais como pausar o jogo ou ajustar o rácio de aspeto do ecrã - o segundo algo que vais querer fazer de imediato, pois a definição padrão estica a imagem 4:3 para se ajustar ao ecrã 16:9, resultando numa imagem feia e esticada. Quanto sabemos todos os títulos Neo Geo operam a 4:3, logo o termos um ecrã LCD panorâmico é estranho - completamente em contrário aos requisitos dos jogos. Apenas podemos presumir que os ecrãs panorâmicos são mais baratos de fornecer atualmente e isso é pena - o ecrã é o calcanhar de Aquiles do aparelho.

"Controlos sublimes, a Neo Geo X é uma adorável peça mas é mesmo pena que o ecrã desaponte com pobre qualidade de imagem. O uso de um ecrã 16:9 para um sistema criado em redor de jogos 4:3 também é bizarro."

Assim que olhas para o ecrã da NGX pela primeira vez sentes a indesejadas sensação de incerteza sobre a nova consola. O ecrã de 480x272 é terrível comparado com os ecrãs vistos até nos smartphones mais baratos; deslavado, ângulos de visão terríveis e pobre escalonamento que faz todos os jogos incluídos no sistema parecerem estranhos e mal definidos. Isto deve-se largamente porque a resolução padrão da Neo Geo de 320x224 ser expandida para preencher o ecrã - teria mais sentido escolher um ecrã que igualasse exatamente a resolução, apesar de podermos apreciar isso quando escolher partes fora da prateleira não é uma opção. O processo do esticanço resulta numa em mais do que uma imagem empapada - quando há muito movimento no ecrã, o detalhe de fundo tem tendência a quebrar estranhamente. Isto é imensamente aparente quando jogas o primeiro nível de Magician Lord, por exemplo.

A NGX tem 20 jogos Neo Geo, uma seleção dos habituais shooters arcade, jogos de desporto e combate um contra um - o último é indiscutivelmente o género de escolha da Neo Geo. Existem clássicos sólidos incluindo Metal Slug, Real Bout Fatal Fury e Samurai Shodown II mas são acompanhados de jogos menos essenciais. Cyber-Lip, clone de Contra, podia ser impressionante em 1990, mas não envelheceu bem. O mesmo se pode dizer de King of Monsters, e do nada brilhante Mutation Nation. Não eram considerados clássicos no início dos anos 90, e hoje sentem-se positivamente arcaicos. É claro que a oferta inicial de jogos foi escolhida para te aguçar o apetite por futuros lançamentos em cartão SD - a Tommo confirmou recentemente que a Neo Geo X Classics: Volume 1 vai chegar à América do Norte em Abril e vai providenciar mais 15 jogos, entre os quais Blazing Star, The Last Blade 2 e Samurai Shodown 3. Incluído no pacote Ouro está uma cópia de Ninja Master's (erro gramático e tudo) que vem repleto sem instruções.

Dado que a maioria dos aparelhos móveis estão ligados à net de alguma forma atualmente, a noção de oferecer futuros jogos por cartão SD - até mesmo pacotes de 15 num só - parece depressivamente ultrapassada. Certamente faria mais sentido ligar a NGX a uma loja online via WiFi, ou até pelo PC via USB? A conveniência de ter 20 jogos pré-instalados é mitigada pelo facto de futuros jogos precisarem ser transportados contigo a todo o tempo. Apesar de ser possível a Tommo e a SNK Playmore terem escolhido distribuir fisicamente os jogos ao invés de optar pela via online para manter as coisas “autênticas”, uma razão mais óbvia é o desejo de cortar nos custos de produção da consola ao não ter ligação sem fios na NGX.

"O serviço para fãs no design da consola é intocável: o stick arcade sente-se bom e a estação de alocamento - na forma de uma consola AES - parece adorável."

Apesar da licença oficial, não existe equipamento Neo Geo dentro da portátil. Ao invés disso, tens versões emuladas dos clássicos da SNK - e isso previsivelmente leva a algumas inconsistências. Screen-tearing é o maior problema; está presente em alguns jogos, e especialmente prevalecente no shooter horizontal Last Resort. A recriação de audio também falha ocasionalmente e fãs veteranos da consola vão perceber de imediato que certos efeitos sonoros estão errados, e músicas memoráveis não soam como antes. O uso de emulação foi confirmado num recente desmontar do sistema, que também revela que os dados estão dentro de um cartão MicroSD sem proteção de cópia. Previsivelmente, a Neo Geo X já foi alvo de hack para correr outros jogos.

A vida da bateria é depressivamente pobre quando consideras que a Neo Geo X está simplesmente a emular uma consola com vinte anos. Vais ter entre 3 a 4 horas de jogo, que limita fortemente a viabilidade da consola como um produto que queres levar para fora da casa. Existe também o problema da bateria não poder ser removida, portanto não podes levar uma segunda - e mais, assim que a bateria chega ao fim ficas efetivamente com um pedaço de plástico moderadamente atrativo. Apesar disto ser prática comum com os smartpgones e até portáteis como a Vita, sente-se um erro horrendo num produto que foi presumivelmente criado para coleccionar jogos a longo prazo.

Neste limitado pacote Ouro, não só tens uma portátil Neo Geo X, mas também uma estação de alocamento que imita o aspeto da consola AES original. Esta tem uma tampa de abrir que revela ligações para a própria Neo Geo X. Quando inserida e ligada às principais, este arranjo permite que uses o sistema como uma tradicional consola caseira - até existe uma réplica do imponente arcade stick Neo Geo AES, que, segundo a Tommo, foi produzido segundo as exatas especificações do original. É uma aclamação arrojada que quase parece verdadeira; o stick certamente é tão robusto e com tão boa resposta quanto o seu antecessor direto, mas sente-se ligeiramente mais leve. Liga-se à estação via USB, o que significa que também o podes usar no PC, PlayStation 3 ou aparelho Android.

"O problema com a estação de alocamento diz mais uma vez respeito à qualidade de imagem - tanto HDMI como AV composto produzem resultados desapontantes que não tiram o melhor da sublime arte 2D que muitos jogos Neo Geo tem."

Na caixa temos um cabo HDMI e AV composto. Curiosamente, no manual de instruções a Tommo recomenda sinal AV, mas na verdade nenhuma oferece um grande grau de satisfação. Por HDMI, a imagem possuiu uma qualidade de imagem depressivamente lamacenta. AV Composto é ainda pior, com sangramento de cor e um horrível efeito fantasma em certos jogos. Se já tiveste um sistema AES e desfrutaste dos benefícios de sinal RGB SCART, vais ficar desapontado com a Neo Geo X - mas os novatos podem ser mais piedosos.

Neo Geo X: o veredicto Digital Foundry

É fantástico que o nome Neo Geo ainda tenha poder suficiente para assegurar que um produto como a Neo Geo X chega ao mercado. Apenas os mais acérrimos fãs diriam que a consola SNK era algo mais do que uma oferta de nichos no seu dia, mas foi tratada com tanto respeito pelos jogadores que a sua influência e fama foi além das suas vendas limitadas. A Tommo respeita a marca até certo grau, dando passos para assegurar que o pacote e aspeto geral parece tão aproximado quanto possível da coisa real e oferece controlos excelentes.

Infelizmente, apesar do alto preço de 220 euros, a Neo Geo X é um conjunto de compromissos. O maior deles é o ecrã deslavado, sem luminosidade e claridade, roubando aos luxuosos visuais 2D desenhados à mão o seu brilhantismo original. A emulação está efetivamente presente, mas problemas relacionados com screen-tearing e audio incerto afetam a experiência. Muitos dos jogos instalados no aparelho pouco provavelmente te vão divertir mais do que alguns minutos.

Se queres mesmo conhecer esta plataforma e tens 250 euros para estoirar, provavelmente ficas melhor com uma consola AES em segunda mão. Os sistemas Neo Geo são feitos para durar, e apesar dos jogos AES por vezes terem preços parvos (a edição AES de Metal Slug vale perto de 1700 euros) é possível apanhar muitos títulos comuns a menos de 60 euros.

"Por muito que quissessemos que a Neo Geo X fosse um sucesso, infelizmente falha em muitas áreas chave para ser compra recomendada: a emulação não é boa o suficiente e a qualidade de imagem desaponta."

Este método não só assegura a experiência mais autêntica, mas também providencia a melhor qualidade de imagem - e não tens que suportar emulação. Naturalmente perdes o elemento de portabilidade, mas com tão pobre duração de bateria, a Neo Geo X dificilmente pode ser vista como uma verdadeiramente viável plataforma móvel de jogos de qualquer das formas. Uma cópia em segunda mão se SNK Arcade Classics para a PSP (ou com jogos Neo Geo transferidos da PSN ) é uma melhor alternativa se realmente queres conhecer as melhores pérolas arcade da SNK numa plataforma móvel.

Por muito que quisesse-mos que a Neo Geo X fosse um sucesso, infelizmente falha em muitas áreas chave para ser compra recomendada. Os fãs dedicados vão criticar o pobre ecrã e qualidade de imagem que não impressiona quando ligada a uma televisão, enquanto outros com apenas um pequeno interesse na ilustre história da SNK vão sem dúvida ser afastados pelo imensamente optimista preço de venda

Se a Tommo conseguir assegurar suporte continuado para o aparelho em termos de novos jogos a preços razoáveis, a Neo Geo X pode ter futuro, mas é impossível ignorar as falhas do sistema. Esta é uma consola que foi criada com as intenções certas mas a execução infelizmente tem falhas.

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Marcado com

Sobre o Autor

Damien McFerran avatar

Damien McFerran

Colaborador

Retro fanatic and tech bore Damien has been writing words for professional publication since 2006, but has yet to fulfill his lifelong ambition of being commissioned by Your Kitten Magazine.

Comentários

More Análises

Artigos mais recentes