Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Philips 32M1N5800A review

Dá vida aos teus jogos.

Quando estamos a jogar em videojogos, o grau de imersão é um fator de extrema importância; quanto maior ele for, melhor sinal é, e as empresas de tecnologia trabalham afincadamente para que os seus produtos tornem a experiência gaming cada vez mais imersiva.

E, claro está, um monitor especialmente desenhado para jogar jogos torna-se praticamente obrigatório para todos aqueles que querem sentir a ação diante de si - e, nesta breve análise, vou debruçar-me sobre os prós e contras do Gaming Monitor 4K UHD da Philips. Vale a pena enfatizar que este artigo não tem como objetivo ser demasiadamente técnico, mas sim uma compilação das minhas impressões face ao tempo passado com o dispositivo.

E por falar em dispositivo, este é um monitor para jogos da Philips com um ecrã IPS 4K e DisplayHDR 400. Conta ainda com uma taxa de atualização de 144 Hz, tempo de resposta de 1 ms e tecnologia Sync; podes ver mais especificações já a seguir:

  • Tipo de painel LCD - Tecnologia IPS
  • Tipo de retroiluminação - Sistema W-LED
  • Tamanho do painel - 31,5 pol./80 cm
  • Revestimento do ecrã - Antirreflexo, 3H, opacidade: 25%
  • Área de visualização efetiva - 697,344 (H) x 392,2344 (V)
  • Rácio de visualização - 16:9
  • Resolução máxima - 3840 x 2160 a 144 Hz
  • Densidade de píxeis - 139,87 ppi
  • Tempo de resposta (típico) - 1 ms (cinzento a cinzento)
  • MPRT - 1 ms
  • Atraso de entrada baixo - Sim
  • Brilho - 500 cd/m²
  • SmartContrast - Relação de contraste dinâmico superior
  • Rácio de contraste (típico) - 1000:1
  • Densidades de píxeis - 0,181 x 0,181 mm
  • Ângulo de visualização - 178° (H) / 178° (V) a C/R > 10
  • Sem cintilação - Sim
  • HDR - Com certificação DisplayHDR 400

Design, tamanho e ergonomia

Primeiras impressões ao retirar o monitor da caixa: o Gaming Monitor 4K UHD da Philips é um dispositivo gigante e robusto, quase intimidante; com 715 x 420 x 60mm, acho que é seguro dizer que ocupará uma grande percentagem da tua secretária, num tamanho que fará as delícias dos gamers mais exigentes; o seu peso é igualmente elevado, tendo sido necessário cuidado acrescido para o colocar no suporte.

Para além disso, o monitor possui uma série de ajustes ergonómicos úteis e fáceis de usar (incluindo ajustes de altura, rotativos e de inclinação) para garantir maior conforto e aliviar as tensões físicas de longas sessões de jogo. Tendo em conta que, já incluindo o suporte, a altura do monitor ainda é considerável, o mais certo é fazeres um bom uso destas funcionalidades.

Como é a qualidade da imagem?

Ao escolheres um monitor, tens sempre de ter em atenção aquilo a que o aparelho se destina - gaming, trabalho, uso geral - e, por esta altura, já deve ter dado para perceber que o Philips foi especialmente desenhado para gaming.

Experimentei alguns jogos para efeitos de análise e em todos eles nada negativo tenho a apontar: a imagem é nítida, brilhante, fluida e detalhada, com cores vívidas e intensas, e os jogos ficam absolutamente deslumbrante no ecrã de 3840 x 2160. Os valores de contraste estão no ponto, assim como a profundidade da cor e o nível de luminosidade, e é importante não esquecer que este modelo também está certificado com o DisplayHDR 400 e uma taxa de atualização de 144 Hz que ajudam ainda mais na apresentação.

No entanto, o caso muda um pouco de figura quando parei de jogar no monitor e passei a usá-lo para trabalho; não sei se será da minha própria visão ou se não calibrei devidamente alguma definição, mas não pude deixar de notar cores mais insípidas e desbotadas, algo em que reparei com particular ênfase na edição de imagens no Photoshop.

O próprio ecrã parecia ligeiramente desfocado em determinados momentos mas, tal como escrevi no parágrafo anterior, não consigo atribuir uma razão concreta para tal; indo do meu singelo Asus portátil para um monitor gigante como o da Philips, não posso negar que foi também uma alteração bastante abrupta.

Qualidade do som e considerações finais

Assim sendo, o ponto fraco do Philips não está na qualidade da sua imagem, mas sim no som, e foi um ponto que me surpreendeu bastante - pela negativa. O som proveniente das colunas embutidas no monitor parecia quase abafado, pouco vivo e sem definição, ficando muito aquém do nível da qualidade a que a Philips nos tem habituado.

Mas este é apenas o único grande defeito que lhe consigo apontar já que, analisando tudo o resto, trata-se de um monitor perfeitamente exemplar; com um preço a rondar os 1000 euros, seria de esperar uma qualidade sonora ligeiramente melhor mas, para efeitos de gaming, será certamente uma boa escolha para aqueles que querem investir num bom aparelho e que se preocupam com os visuais acima de tudo.

Para especificações mais concretas deste monitor, não te esqueças de visitar o site oficial da Philips.

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Sobre o Autor

Jorge Salgado avatar

Jorge Salgado

Redactor

Fã de cultura pop, séries jogos animes. É o nosso noobie.

Comentários

More Análises

Artigos mais recentes