Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Mario Strikers: Battle League Football - Batalha campal

Esta bola queima!
Eurogamer.pt - Recomendado crachá
Um futebol directo, caótico e sobretudo divertido. Sem momentos mortos ou aborrecidos, torna-se viciante pela escaldante competição e incerteza no resultado.

É interessante a representação do futebol na perspectiva da Next Level Games e Nintendo. Como uma verdadeira batalha campal, na qual os jogadores entram em campo sem que haja um árbitro a acompanhar as jogadas e a marcar faltas quando necessário. Os jogadores sobem ao relvado como autênticos gladiadores, estrelas do Mushroom Kingdom com queda para a bola, dribles e fintas, cheios de acessórios que lhes injectam poderes e habilidades especiais, ao mesmo tempo que se servem de “power ups” e estados de capacidade extra para desferir autênticos remates indefensáveis até pelo mais obstinado dos guarda-redes. Há uma componente diabólica que perpassa este futebol de pendor arcade mas ilustrado ao melhor estilo cel shade.

Por momentos revivi aquela publicidade da Nike, de meados dos noventa, quando jogadores reais defrontavam seres demoníacos que pareciam oriundos de uma outra dimensão, para um embate num coliseu às escuras e de linhas demarcadas a fogo. Mas, ao contrário desses demónios, as personagens de Mario Strikers não querem acabar com o futebol como o conhecemos, mas dar continuidade a um tipo de desafio caótico e polvilhado de itens, inaugurado com Super Mario Strikers, para a Game Cube, em 2005. Dois anos depois a Nintendo editou a sequela, levando Mario Strikers Charged à Wii. E foram precisos quase 15 anos por um novo jogo, na forma de Battle League Football. Em síntese, estas estrelas do Mushroom Kingdom querem preservar a sua liga de futebol, que é também uma batalha, uma luta pela vitória, pela personalização dos membros da equipa e pelo domínio das técnicas e das muitas habilidades à disposição.

Em Battle League Football a Next Level Games não operou mudanças profundas ao nível do conceito, embora as alterações nesta edição tenham maior reflexo ao nível da personalização dos nossos jogadores, os chamados Strikers, com uma data de novos acessórios, ao mesmo tempo que há um alinhamento da experiência sobretudo para o quadro do multiplayer, tanto em partidas rápidas, ao permitir que até 8 jogadores possam competir num mesmo desafio, como em torneios multi online, numa liga em permanente actualização. Depois, há todo um conjunto de melhoramentos a nível visual e sonoro, aprimorando o bom trabalho conseguido nos jogos anteriores, o que resulta num reforço da estética e da imagem e carga desse futebol fantástico, eleito como imagem marca de Mario Strikers.

Partidas de futebol arcade e caóticas

Como referi atrás, a experiência de Mario Strikers assenta numa partida de futebol de cinco contra cinco, em que um ou mais jogadores controlam oito jogadores (os guarda-redes são comandados pelo computador). O objectivo passa por introduzir o esférico na baliza do adversário o maior número de vezes possível, e num campo circundado por arame electrificado. Não existem mais regras, nem árbitros, nem são marcadas faltas. É tolerado e até incentivado o comportamento agressivo sobre os rivais, em cargas úteis visando a retirada da bola. Não há foras de jogo e podem ser aproveitados itens de transformação e hiper-remates para conseguir o tão almejado golo.

Alcançada uma orb a equipa tem 20 segundos para desferir um remate que pode valer dois golos.

O campo é apertado, o que torna os confrontos altamente dramáticos e o pouco espaço para troca de bola deixa-a sempre perto da baliza. Claro que o jogador pode ensaiar todo um conjunto de passes, de primeira para uma troca rápida de bola, ou através de cruzamentos e desmarcações para isolar um companheiro, usando os passes manuais. O ritmo das partidas torna-se avassalador, com muitas entradas, cargas e disputas. Por vezes, uma partida de quatro minutos é disputada com tanta intensidade que parece ter a duração do dobro do tempo. Isto para referir que joga-se futebol em Mario Strikers mas é um futebol bastante distinto, arcade e belicista, por distinção dos simuladores de futebol, que procuram recrear as partidas de futebol de forma realista. Aqui o grau de realismo também é grande, mas com muita pancada à mistura e habilidades que se cruzam com super poderes.

De um modo geral, embora existam vários movimentos a executar, na sua dimensão são de simples execução, o que significa que ao fim de pouco tempo e depois de um longo tutorial que vos mostra, na prática e com muitos exercícios, os movimentos, os remates e todo o tipo de técnicas a executar, estão preparados para desafiar o computador e os outros jogadores alinhados na rede. É um futebol arcade e mais simples, no qual convergem dados estatísticos e a forma como gerem diferentes categorias de personagem. Das mais fortes e menos rápidas, às velozes mas menos capazes de potentes remates, e tal como em Mario Kart, aqui o objectivo passa por conseguir uma equipa equilibrada. Mas há um factor que pode inverter esta acomodação, a partir do momento que usam as moedas para adquirir um conjunto de acessórios destinados a várias partes do corpo de um atleta. A utilização destes acessórios melhora alguns atributos, como força ou técnica, mas pode tornar a personagem menos veloz ou limitar-lhe a habilidade. Isso significa que uma vantagem perante um certo oponente pode tornar-se numa desvantagem perante um rival capaz de a anular. Não obstante, o domínio das técnicas prevalece, se forem habilidosos. É mais de meio caminho andado para deixar um rival aturdido.

Tentos de hiper e belo efeito com animações

Se a jogabilidade mais tradicional, através de passes e remates normais permite um aquecimento, as coisas aquecem e passam a queimar - literalmente - a partir do momento que aplicam os hiper-remates. Estes tiros à baliza funcionam como disparos de grande intensidade, autênticos mísseis em direcção às redes guarnecidas por um Boom Boom protegido por um capacete de futebol americano. A execução destes remates de um conjunto de activações. Tal como as caixas de itens são atiradas aleatoriamente para o relvado, em certos momentos da partida umas orbs flutuam pelo relvado. Se forem lestos e ao encontro delas, a equipa é como que activada, com uma cor forte a iluminar os contornos. A partir desse momento dispõem de 20 segundos para efectuar o remate, tentando colocar o jogador mais forte em boa posição de remate. Ao premirem o botão durante algum tempo activam uma barra e nesse instante terão que voltar a pressionar um indicador em movimento quando chega a dois espaços assinalados a azul. Se efectuarem tudo bem, a vossa personagem efectua uma animação que precede o remate. É um curto momento cinematográfico que acresce ao tempo de jogo e que não pode ser desligado. O remate sai a queimar e o guarda-redes ainda tenta uma defesa, num momento em que o adversário pode premir alguns botões, mas eventualmente a bola queimará as luvas, abrirá um sulco no relvado e entrará na baliza como um rastilho em fogo, qualificando a equipa marcadora com mais dois golos.

O olhar fulminante de um hiper-remate.

São normalmente golos garantidos quando os remates são bem executados, ainda que a janela de execução seja bastante apertada. Tendo as partidas uma duração normal de 4 minutos (não há mudança de campo), é abundante a aparição destas orbs. E isso tanto pode ajudar uma equipa como tornar o desfecho das partidas mais inesperado e uma incerteza até ao último segundo. Por vezes a intensidade é tão grande que no espaço de meio minuto podem acontecer dois ou três golos e uma remontada. Já os itens são obtidos ao encontro das caixas de interrogação, jogando igualmente muita incerteza sobre o resultado, com as carapaças, as cascas de banana e as estrelas a produzirem efeitos de invencibilidade e velocidade ou de bloqueio ou ataque aos rivais, como acontece com as bob-omb, que abrem crateras no campo e rebentam com tudo nas proximidades.

Muitas destas acções, ao nível dos remates, entradas, passes e fintas, podem ser executadas em “timmings” específicos, o que resulta num aproveitamento superior das técnicas e habilidades. Os passes de demarcação conferem bastante autonomia e os cancelamentos de um remate carregado são úteis para evitar uma entrada de um rival particularmente forte. Como referi atrás, não é um jogo exigente em combinações, mas há muitas opções para aprender e que quando bem dominadas podem fazer a diferença, até mesmo em golos simples mas alcançados com algumas matreirices. Uma técnica fulcral é a entrada sobre um colega de equipa, que o projecta na direcção de um rival. Esta dupla entrada, ou entrada em cadeia pode anular uma jogada rival ou tirar a bola num momento oportuno.

O elevado grau de personalização dos Strikers e as competições

Disponíveis para entrar em campo estão 10 personagens, na qualidade de Strikers, o que significa que o desempenho de cada jogador é similar, ao nível de importância máxima e fora da dimensão secundária. Os guarda-redes é que não sofrem alteração. Estas 10 personagens, entre as quais se encontram, por exemplo, Mario, Luigi, Yoshi ou Donkey Kong, possuem diferentes hiper-remates (Donkey Kong remata com as mãos) e características. Estes 10 Strikers são elegíveis para os chamados acessórios. Trata-se de upgrades que operam em quatro áreas: cabeça, tronco, pernas e braços. Há um custo monetário cada vez que é adquirido um acessório. Uma vez activado, haverá um parâmetro que será reforçado, embora noutra área o jogador fique desguarnecido. Contudo, garante-se desta forma um elevado grau de precisão e um nível quase infindável de estratégias a seguir. Por cada partida ganha há um valor em moedas a receber. A acumulação desse pecúlio permite depois gerir da melhor forma a aquisição dos acessórios. Com tantas possibilidades a melhor estratégia passa por ir experimentando essas soluções.

Os itens são úteis para lançar o caos e travar o adversário.

Se as partidas rápidas são uma forma de adaptação e aquisição de experiência, as taças são competições a ter em conta, que não só permitem a disputa pelos troféus como ainda concedem valiosos prémios. As taças podem ser disputadas com mais do que um jogador e projectam adversários que se destacam por algumas características, nomeadamente força, velocidade e habilidade. Há uma grelha específica até à grande final, composta por uma ramificação dos vencedores vencedores e vencidos, o que significa que só serão eliminados se perderem dois jogos. À medida que vencem uma taça, desbloqueiam a seguinte, de dificuldade superior, até ao desafio supremo. Existem em suficiente número, mas contávamos ter mais troféus para disputar.

A opção em termos de profundidade e campanha é talvez uma decisão dos produtores e da Nintendo em favorecer o Clube Strikers, um modo multi online, que junta até um máximo de 20 membros por cada clube. O Clube Strikers funciona como uma espécie de liga online que permite aos clubes participar em pré-temporadas e jogos a valer. Normalmente a competição a contar para pontos tem a duração de uma semana. Os clubes competem numa divisão, na qual a vitória vale seis pontos, o empate dois e a derrota um ponto. Existem regras para cada temporada e subidas e descidas. À medida que sobem vão encontrar adversários de maior ranking e necessariamente jogos mais difíceis.

O clube é criado do zero, por um membro fundador. A participação nos clubes é facultativa, assim como a participação nos jogos também o é. Se jogarem com os amigos na mesma equipa, por via online, é maior a chance de ganharem jogos e pontos. Para tal deverão levar o vosso striker, o atleta equipado com os acessórios, dentro da configuração favorita, embora possam trocar por outro, adiante. A participação em jogos colectivos ou meramente individuais confere prémios através de fichas, utilizadas pelo director do clube para desenvolver as bancadas, as balizas, as redes eléctricas e até o tipo de relva e desenhos assinalados no relvado. Além disso, cabe ao director do clube escolher as cores, o símbolo e o desenho das camisolas . Claro que tudo isto tem um custo, bastante elevado, ainda que não seja impossível de conseguir num tempo razoável se os 20 membros do clube se mostrarem activos e participarem em jogos.

Com competições regulares, tanto amigáveis como competitivas no espaço de um par de semanas, abre-se espaço para a rotação, premiando os jogadores mais persistentes e habilidosos, ao permitir que estes acedam depressa a opções e personalizáveis que depressa tornam aquele clube especial. É uma engenhosa forma de garantir longevidade, ao conjugar uma das novidades neste jogo, precisamente a partir dos acessórios das personagens, com a permanente competição nas ligas, distribuindo maiores prémios pelos vencedores. No conjunto, é um Mario Strikers mais apontado ao multi-jogador online ou ligado a nível local. Podem jogar até 8 jogadores só com uma consola, numa competição a nível local. Como muitos de vós terão verificado na versão first kick, que permitiu os primeiros confrontos online, Mario Strikers está localizado para o nosso português, o que é uma mais valia para o público infanto-juvenil, que com interesse no futebol, tão mediático no nosso país, se deixará interessar por estas batalhas caóticas, desafiantes e divertidas, de Mario e companhia.

Prós: Contras:
  • Hiper-remates
  • Personalização com acessórios
  • Clubes e liga Strikers
  • Integração dos itens
  • Localização para português
  • Podia ter mais Strikers
  • Faltam mais estádios

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Marcado com

Sobre o Autor

Vítor Alexandre avatar

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Comentários