Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Kid Icarus: Uprising

O renascer de um clássico e em 3D.

Foi sem dúvida um dos grande anúncios da passada E3. Um novo jogo Kid Icarus, com o subtítulo de Uprising estará finalmente entre nós e logo para a nova Nintendo 3DS. Entusiasmados? Sim também nós, principalmente por revisitarmos um clássico Nintendo, que é bem mais que uma nova roupa. A espera foi imensa, mas pelo que já vimos, valerá certamente a pena.

Foi com agradável surpresa que a Nintendo anunciou Kid Icarus: Uprising para a Nintendo 3DS, ainda por cima já com um trailer do jogo. Como diz Pit no início do trailer, "Desculpem por fazer-vos esperar". Mas mais que tudo isso, a tecnologia que potencializa a Nintendo 3DS poderá tornar o jogo num clássico imediato, pois é um dos jogos que está em produção desde o seu início em paralelo com a criação da nova portátil da Nintendo.

Para além do anúncio tive o privilégio de entrevistar, em exclusivo para Portugal, o produtor de Kid Icarus: Uprising, Masahiro Sakurai, que esteve ligado à criação da série Kirby, bem como de Super Smash Bros nos anos 80. Bem ao estilo japonês, Sakurai não se alongou muito sobre o que poderemos esperar do novo jogo, remetendo quase sempre para o trailer apresentado, mas sem desistir ainda consegui retirar algumas informações interessantes. Pelo meio ainda ficámos a saber o que Sakurai acha da nova Nintendo 3DS.

Pit um anjo amigo e sorridente.

Kid Icarus: Uprising não pretende ser um remake do clássico dos anos 80, mas sim uma história completamente nova. Iremos controlar novamente Pit, um jovem anjo que não consegue voar mais que cinco minutos, e que no primeiro jogo ajudou Palutena, a Goddess of Light, a livrar-se de Medusa, a Goddess of Darkness e todo o seu exército. Medusa transforma os humanos em pedra, enquanto que Palutena é uma protectora dos humanos. Como seria de esperar Pit consegue vencer a Medusa e restabelecer a paz no reino de Angel Land, bem como libertar Palutena da prisão, então imposta pela Medusa.

Neste novo jogo muita coisa mudou entretanto. Pit continua a ser um anjo no submundo e a ameaça de Medusa volta a ser uma realidade. Palutena tem uma relação especial com Pit pois comunicam-se por telepatia e é por intermédio de Palutena que Pit obtém os seus poderes, nomeadamente a capacidade de voar. Pit é um jovem Icarus, pois o poder de voar apenas permite que voe por cinco minutos, sendo que se quiser manter-se no ar, irá perder as asas e cair. Por isso esperem combates frenéticos que envolvem deslocações aéreas e incursões pela terra. A Medusa volta a atacar o reino dos humanos, e novamente Pit é chamado para livrar a ameaça. Aliás, Pit virá renovado em termos de poderes. Já não tem o arco e flecha como no primeiro jogo, e os seus poderes serão maiores e mais diversificados que o original.

Masahiro Sakurai.

Existe obviamente um salto enorme em termos gráficos e tecnologia entre o original e Kid Icarus: Uprising. O jogo está em produção desde há três anos, e como referi em conjunto com a Nintendo 3DS. Aliás, Sakurai confidencia que quando começou a produzir Kid Icarus: Uprising não sabia como seria a consola. Não sabia quando iria sair. Apenas sabia que iria ter o seu jogo numa nova consola Nintendo portátil. Sakurai fala sobre este assunto de uma forma bastante alegre, sendo que realça o secretismo de todo o processo de produção e desenvolvimento envolvido. Será talvez o efeito de poder finalmente falar sobre o que tem estado a trabalhar.

Sign in and unlock a world of features

Get access to commenting, newsletters, and more!

In this article

Kid Icarus: Uprising

Nintendo 3DS

Related topics
Sobre o Autor
Jorge Soares avatar

Jorge Soares

EG.pt Master of Puppets

Sempre ocupado e cheio de trabalho, é ele quem comanda e gere a Eurogamer Portugal. Queixa-se que raramente arranja tempo para jogar, mas quando está mesmo interessado num jogo, lá consegue arranjar uns minutos. Tem mau perder e arranja sempre alguma desculpa para a sua derrota, mas no fundo, é o que todos fazemos.

Comentários