Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

"Jogos violentos estão ao mesmo nível da pornografia infantil e drogas ilegais"

Ministro alemão continua a dizer barbaridades.

Joachim Herrmann, Ministro do Interior do governo Alemão, comparou os jogos violentos a pornografia infantil e às drogas ilegais.

Depois do mais do que conhecido massacre do último mês numa escola alemã, Herrmann foi bastante crítico apontando a culpa pelo sucedido aos videojogos violentos.

Agora em recentes declarações e de acordo com o site Gamepolitics, Herrmann fez mais uma vez uma série de acusações dizendo que, "Esse tipo de jogos são uma das causa para a violência nos jovens e também para os tiroteios nas escolas onde as imagens de jogos assassinos se tornam realidade," acrescentando que,"São cada vez mais as crianças que entram neste mundo virtual de violência, por isso elas não têm tempo para a escola ou para escolas de formação, e ficam perdidas na nossa sociedade."

No entanto o ministro desta vez foi mais longe. Nas suas últimas palavras ele diz que, "No que diz respeito aos seus efeitos nocivos, os jogos violentos estão ao mesmo nível da pornografia infantil e das drogas ilegais, a sua proibição é inquestionável."

Estas declarações foram ainda mais cáusticas porque ocorreram no mesmo dia que a primeira cerimónia alemã que premiava os videojogos. Todas as associações e organismos de jogos alemães já exigiram um pedido de desculpas.

Thomas Jarzombek, comissário da New Media, já criticou tais afirmações dizendo que, "Essa comparações é completamente inapropriada. E quem faz tais declarações não tem qualquer qualificação para participar em qualquer debate aprofundado sobre a protecção de produtos media prejudiciais para os menores."

Sobre o Autor

Luís Alves avatar

Luís Alves

Contributor

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Comentários