Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

It Takes Two na Switch é um encanto de jogo

Transcende com a proposta inerente da consola.

Em março de 2021, a Hazelight Studios contou com o apoio da Electronic Arts para lançar o jogo It Takes Two e de imediato foi elogiado como um forte candidato a Jogo do Ano. Meses mais tarde, o jogo conquistou esse prémio em eventos como os The Game Awards e D.I.C.E. Awards, algo tão saboroso para os criadores quanto as mais de 7 milhões de unidades vendidas em pouco mais de um ano.

Agora, em novembro de 2022, os jogadores da Nintendo Switch podem finalmente abraçar este It Takes Two. O título imaginado por Josef Fares como uma "comédia romântica na forma de um jogo de ação e aventura", desenhado especificamente para ser jogado exclusivamente por duas pessoas em simultâneo, é um hino à alegria e uma experiência que merece todo o carinho por parte da nova audiência. Especialmente porque enaltece todas as filosofias basilares na génese da Nintendo Switch.

Uma vez que o jogo exige duas pessoas, faço aqui um pequeno reparo. Para jogar localmente precisas de dois conjuntos de Joy-Cons, mas também podes jogar através da internet, o que exige uma subscrição Nintendo Switch Online. Com o Passe de Amigo, o segundo jogador nem precisa comprar o jogo, apenas efetuar o download dessa versão na Nintendo Switch eShop.

No entanto, diria que esta experiência cooperativa merece ser jogada por duas pessoas que estão lado a lado, especialmente na Switch onde a conversa online exige um dispositivo extra e poderá criar algum atrito na preparação da sessão de jogo para os menos habituados aos videojogos. Diria que isto contraria um pouco a filosofia de It Takes Two, pensado como uma experiência para todo o tipo de jogadores e até para quem nem sequer joga. É um daqueles títulos que podes jogar com amigos e familiares que nem sequer jogam, mas que facilmente pegam no Joy-Con e recebem sorrisos em troca do esforço. Também vão participar em momentos para recordar.

Isto porque It Takes Two é um jogo estupendamente engenhoso, uma fantástica obra de gerar sorrisos e até gargalhadas, com muito espaço para lições sobre relações humanas e momentos pensativos sobre a interação humana. É uma temática cada vez mais pertinente. O progresso é feito de forma cooperativa e até podes chegar mais rápido aos objetivos, mas se o outro jogador não conseguir, terás de esperar ou ajudar através da conversa com dicas. É esta dinâmica de entre-ajuda no jogo que despoleta entre-ajuda na vida real e se torna numa experiência sem igual.

O casal Cody e May terá de navegar por espaços conhecidos, mas uma vez que foram encolhidos, a perspetiva é totalmente diferente e os obstáculos inesperados. Saltitar pelos cenários, resolver puzzles e derrotar alguns inimigos é algo que é sempre feito em cooperação. Onde a Hazelight mostra ter aprendido com A Way Out é quando evidencia mecânicas e design que expandem com mais solidez os conceitos e introduz frequentemente novidades no gameplay. É uma experiência cooperativa que te apresenta mecânicas novas de forma frequente e cujos segmentos gameplay são variados.

Seja com poderes ou habilidades especiais, com perseguições ou momentos de ação mais rápida, It Takes Two exige coordenação e entre-ajuda, resultando numa experiência sem igual na Nintendo Switch, tal como nas plataformas nas quais foi originalmente lançado. É um jogo perfeito para a Nintendo Switch e com a exceção das esperadas concessões gráficas, o seu estilo visual, gameplay e narrativa são totalmente indicadas para sessões com a família.

Não esperava dizer isto, mas It Takes Two na Nintendo Switch tornou-se numa das minhas experiências favoritas de 2022 pela forma como causou tantos sorrisos e alegria em sessões com pessoas que nem sequer jogam videojogos. Se quiseres saber mais sobre este fenomenal jogo em todas as plataformas, passa pela nossa análise que ainda hoje continua válida para todas as versões.

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários