Skip to main content

Hifi Rush review - Entra no ritmo

O novo jogo da Tango oferece música e diversão.

Image credit: Xbox
Eurogamer.pt - Recomendado crachá
Um hack and slash musical e extravagante. Apesar de um ritmo inconsistente, HiFi Rush acaba numa nota alta. Divertido, desafiante, e contagiante.

Podemos catalogar Hifi Rush como a primeira grande surpresa de 2023. Foi revelado no evento de Janeiro da Xbox e Bethesda e ficou disponível no próprio dia. O energético trailer, a banda sonora, a jogabilidade rítmica, e o aspeto visual fizeram furor e acho que não houve ninguém que não ficasse com vontade imediata de experimentar este jogo surpresa.

Hifi Rush emana diversão. Basta olhar para os seus traços de desenho animado e cores vibrantes para saber isso. O conceito de jogabilidade rítmica, em que tens de atacar ao som da banda sonora, fortalece esse sentimento. Tudo à nossa volta vibra ao som da música, desde os elementos que embelezam o cenário à própria animação do protagonista, que até parado está sempre a dar com o pé e a estalar os dedos.

A energia é tanta que até apetece levantar do sofá e começar a dar uns toques de dança. É contagiante. É inacreditável que este título venha da Tango Gameworks, um estúdio cujos jogos até agora pendiam para o lado sombrio e do terror. Mas é um bom momento para recordar que Shinji Mikami, o produtor executivo de Hifi Rush, já tinha revelado uma paixoneta pelos jogos menos sérios com Shadows of the Damned.

O que é Hi-Fi Rush?

Há múltiplas influências notáveis. É como se Sunset Overdrive, Devil May Cry, e Metal Hellsinger tivessem feito uma menáge e dali surgiu Hi-Fi Rush (se isto fosses possível). A personagem principal, Chai, sofre uma operação acidental numa fábrica da Vandelay Industries que lhe coloca não só um braço mecânico, como um reprodutor de música no lugar do seu coração.

Ver no Youtube

Denominado de "defeito" depois desta operação, Chai tenta escapar à eliminação por parte da Vandelay . Em pouco tempo, dá por si envolvido numa disputa entre a empresa e Peppermint, uma das companheiras nesta aventura e que nos empresta a sua adorável gata robótica, a 808. A narrativa é tonta e não se leva demasiado a sério, o que é perfeito para este estilo de jogo.

Desmantela a Vandelay

O primeiro nível é um tutorial glorificado. Depois, HiFi Rush transforma-se num "Kill Bill" em que tens de ir derrotando os dirigentes da Vandelay (cada um mais louco do que o outro). Os níveis são uma mistura de secções de combate, plataformas, e QTEs. Embora as primeiras horas sejam divertidas, os níveis que compõe o recheio (o que está no meio) chegam a ser cansativos e monótonos.

O problema de alguns níveis é que são excessivamente prolongados e repetitivos. O jogo repete o mesmo design, torna-se previsível, e tem alguns pontos de frustração. Cheguei a perder completamente a vontade de jogar passado uma hora. Na parte final, isto é, nos últimos três níveis, Hifi Rush redime-se e entrega uma experiência a bom ritmo, sem momentos chatos, e a transbordar de excentricidade. A jogabilidade demora a atingir o pico.

Peppermint é a tua primeira companheira na aventura e tens a habilidade de a invocar em combate, momentaneamente (há um curto período de cooldown). Mais à frente, há outras personagens que se vão juntar a ti e que também te podem ajudar em combate. Com as peças de engrenagem que vais acumulado, podes comprar novos combos, ataques, e chips que te beneficiam de várias formas, como por exemplo, recuperar mais saúde com itens, reduzir o cooldown dos companheiros, etc.

Só a mais de metade do jogo é que o combate atinge a sua forma plena. Pode ser caótico demais, pela quantidade de inimigos à tua volta. Normalmente não o seria, mas a identidade rítmica de Hi-Fi Rush torna os combates extra desafiantes. E o que piora a situação são os inimigos com escudos, que requerem que invoques os teus companheiros mais do que uma vez antes que possas causar dano. Para um jogo de ritmo, a verdade é que Hi-Fi Rush tem um ritmo irregular.

Acaba em nota alta

Demorei cerca de 10 horas para terminar Hi-Fi Rush. Explorei os níveis com a maior atenção, sempre à procura dos itens que aumentam a quantidade de saúde de Chai e a barra de eletricidade, essencial para ativar o super-ataque. Depois do final, desbloqueias uma dificuldade ainda mais elevada, chamada Mestre do Ritmo, em que é Game Over imediato se o teu ritmo descer abaixo da classificação D. As classificações no final dos combates, e no final de cada nível, são claramente uma herança de Devil May Cry. Há também uma torre de desafios em que vais enfrentando vagas com inimigos cada vez mais difíceis.

Visualmente, é fabuloso. A palete de cores vibrantes fazem com que não passe despercebido, mas a qualidade da arte também merece menção. | Image credit: Bethesda

HiFi Rush é uma ideia bem executada e refrescante. Misturando elementos de outros jogos, toca um riff contagiante. Tentar manteres-te no ritmo enquanto combates contra hordas de robôs é um novo tipo desafio até para os fãs de hack and slash que já estão habituados a estas andanças. Pelo meio, há pequenas frustrações. Alguns níveis são um pouco longos para a variedade de gameplay e acabam por cair na repetição. Depois, a parte em que tens de desviar-te ou bloquear os ataques dos bosses ao ritmo de uma batida prévia, pode ser frustrante.

Mas compensa noutras coisas. As personagens são carismáticas e humoradas. A banda sonora, com músicas oficiais de Nine Inch Nails, The Black Keys, e The Prodigy, é sensacional. No final, sobra vontade para repetir os níveis, explorar o que ficou para trás (há umas portas que só podes abrir depois do final do jogo), e afinar o ritmo dos nossos combos. Hifi Rush é diversão garantida.

Prós: Contras:
  • Mistura de hack and slash com ritmo é uma fórmula vencedora
  • A jogabilidade tem profundidade e variedade
  • Chai, os seus amigos, e os chefões da Vandelay são carismáticos
  • A banda sonora deixa-te a vibrar
  • O aspeto de desenho animado e cores vibrantes combinam com a personalidade do jogo
  • Há mais conteúdo depois de terminares pela primeira vez
  • Alguns níveis são demasiado longos e tornam-se repetitivos
  • Há QTEs frustrantes nos bosses e certos inimigos
  • Em certos combates, sentes que é impossível manteres-te no ritmo devido à quantidade de inimigos

Lê também