Skip to main content
Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Guerrilla comenta o bombardeamento de críticas negativas a Horizon Forbidden West

É fácil ignorar as críticas desnecessariamente negativas.

Horizon Forbidden West: Burning Shores deu imenso que falar, especialmente pelo seu final, que despoletou um bombardeamento de críticas negativas nos agregadores de notas de utilizadores, algo do qual a Guerrilla Games finalmente falou.

Na expansão Burning Shores, Aloy conhece Seyka, uma guerreira que a ajuda ao longo da nova aventura e descrita pela Guerrilla Games como alguém cujas habilidades e proezas estão à altura de Aloy. O final da expansão, mais especificamente o beijo opcional entre as duas, gerou imensa polémica entre alguns jogadores.

Ben McCaw, diretor da narrativa, e Annie Kitain, principal escritora, falaram com o VGC sobre a chuva de críticas, e dizem que gostam de receber críticas construtivas, mas ignoram facilmente os comentários desnecessariamente negativos.

"Adoramos quando têm feedback construtivo sobre isto ou aquilo. E estamos totalmente felizes quando dizem que não gostam disto ou daquilo, a respeito de praticamente tudo no jogo sobre o qual pensaram a sério," diz McCaw.

"Mas quando existem esta espécie de descarada negatividade, pessoalmente sinto que é fácil compartimentalizar e perceber que esta é uma mentalidade com a qual jamais me vou relacionar e esse tipo de coisas."

Kitain comentou ainda os jogadores escolhem se Aloy beija Seyka, mas mesmo que não a beije, os sentimentos da protagonista pela guerreira que conhece em Burning Shores continuam a existir.

Lê também