Skip to main content

Governador dos EUA culpa os videojogos pelo ataque na Flórida

"Lixo, como a pornografia".

O mais recente acto de violência nos Estados Unidos da América já foi relacionado com os videojogos, considerados "lixo" por um governador que pede acções eficazes e rápidas.

Este massacre cometido por Nikolas Cruz, ex-aluno da própria escola secundária na Florida que atacou, provocou a morte a 17 pessoas. Matt Bevin, governador no estado do Kentucky, não tem qualquer dúvida, segundo diz, os videojogos podem ser culpabilizados pelo acontecimento.

"Estes são videojogos que sim, estão listados para audiências adultas, mas as crianças jogam-nos e todos sabem disso e nada impede as crianças de os jogadores. Eles celebram o massacre de pessoas. Estes são jogos que literalmente replicam e dão às pessoas a capacidade de pontuar por fazer a mesma coisa que estes estudantes fazem dentro das escolas, onde recebes pontos por eliminar alguém que está a implorar pela sua vida."

"São 'videojogos' e são-nos enfiados goela abaixo disfarçados de discurso protegido. É lixo, o mesmo que a pornografia. Eles dessensibilizaram as pessoas quanto ao valor da vida humana, da dignidade das mulheres, da dignidade da decência humana. Estamos a colher o que semeamos," disse Bevin.

Este governador dos Estados Unidos da América diz ainda que é preciso começar a questionar se precisamos sequer de videojogos que encorajam matar pessoas, mas diz que existem outros meios que contribuem para isto.

"Seja nas músicas, nas séries televisivas, nos filmes, peço aos produtores destes produtos, estes videojogos e estes filmes, que se questionem sobre o valor que recebem, além do choque, a não ser ganhar uns trocos com isto. A que preço? A que preço?"

Esta não é a primeira vez que os videojogos são culpabilizados após um tiroteio nos Estados Unidos da América e Bevin tece duras críticas sobre o que considera ser um dos grandes responsáveis por estes acontecimentos.

Concordas?

Lê também