Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

God of War: Ragnarök na PS5 é como um port PC no máximo e performance perfeita, diz Digital Foundry

4K dinâmica a 60fps é o modo recomendado.

God of War: Ragnarök será lançado para a PlayStation 5 e a PS4 para ficar ao alcance de todos os fãs da série e especialmente do jogo de 2018, mas o Digital Foundry descreveu diversos benefícios para quem o vai jogar na mais recente consola da Sony.

O tema sobre o impacto do estatuto cross-gen na qualidade de um videojogo há muito que é debatido e de acordo com o Digital Foundry, God of War: Ragnarök é um jogo com uma apresentação incrivelmente polida e cujas animações das personagens vão surpreender os jogadores.

Com um design e estrutura similares ao que tens no jogo de 2018, a sequela recebeu grandes melhorias na iluminação, um dos elementos que mais impacto tem para melhorar a qualidade visual, a oclusão direcional screen-space também foi introduzida para melhorar os cenários e misturar os personagens com o que os rodeia.

God of War: Ragnarök revela várias melhorias visuais sobre o anterior, mas é descrito como uma evolução natural. Os cenários comuns aos dois jogos mostram melhorias evidentes graças à iluminação e sombras, mas também relembram o quão bom já é o anterior. A diferença visual entre a PS5 e a PS4 não é tão profunda quanto em Horizon Forbidden West, mas vais reparar facilmente em melhorias visuais que tornam os cenários ainda mais marcantes.

No entanto, a PS5 apresenta vários modos de jogo e seja num ecrã a 60Hz ou 120Hz, terás a possibilidade de melhorar a performance de God of War: Ragnarök.

O Modo Performance corre a 4K dinânica (varia entre 1440p e 2160p, mas passa a maioria do tempo a 1872p) e 60fps com uma excelente qualidade de imagem, enquanto o modo Qualidade corre a 4K nativa e 30fps com melhorias visuais. O uso de Temporal Anti-Aliasing com upsampling ajuda a disfarçar e mesmo as resoluções mais baixas parecem correr a 4K e tens uma qualidade de imagem muito superior à do anterior.

Apesar dos dois modos estarem muito idênticos, existem diferentes no tratamento dos níveis de detalhe, o modo qualidade exibe mais detalhe à distância, mas tendo em conta a forma e mestria como isto foi feito, não se trata de cortar mais objetivos, mas sim de cenas ajustadas especificamente para os dois modos, jogar a 60fps praticamente fixos é a recomendação do Digital Foundry. Tens uma performance muito firme e os compromissos gráficos são mínimos.

Num ecrã a 120Hz, podes jogar God of War: Ragnarök a 40fps com uma 4K dinâmica que pode descer até 1800p, no modo Qualidade, enquanto o modo Performance corre a 1440p. O Modo Qualidade a 30fps e 40fps partilham a mesma qualidade gráfica, tal como os modos a 60fps e HFR partilham a mesma qualidade visual, sendo recomendado optar pelos modos 120Hz num ecrã compatível.

O modo Qualidade num ecrã 120Hz remove o bloqueio a 60fps e permite ir além disso, passando a maioria do tempo entre 80fps e 90fps. O Digital Foundry recomenda jogar o modo Performance a 120Hz com VRR ativada, nos ecrãs compatíveis. No entanto, é reforçado que deves ter VRR ativa, caso contrário mais vale jogar a 60fps.

Sobre diferenças entre a PS5 e a PS4, foi revelado apesar do jogo não apresentar ecrãs de loading quando jogado de forma contínua, ao efetuar o loading de um save na PS5 demora 10 segundos, comparado com os 30 segundos na PS4 Pro.

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários