Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Gears of War 4 mantém-se fiel à série

Vimos o jogo a correr a 4K no PC e uma secção de gameplay inédita.

Apesar de estar a ser desenvolvido por um novo estúdio, Gears of War 4 mantém-se fiel à série e promete contentar todos os fãs que estavam desejosos para ver a série no hardware da nova geração. Aliás, este novo jogo não servirá apenas para atrair os antigos fãs da Xbox 360. Devido à existência da versão para Windows 10, para alguns este será o ponto de entrada para a série. Embora o primeiro Gears of War tenha sido lançado para PC, os lançamentos posteriores foram exclusivos da Xbox 360, portanto, quem não comprou a consola ficou impossibilitado de acompanhar a série, todavia, a filosofia da Microsoft mudou e agora está decidida a unificar as suas plataformas.

Já tínhamos visto indícios da unificação da Xbox One ao Windows 10, mas para aqueles que ainda tinham dúvidas, os anúncios da Microsoft na sua conferência E3 2016 solidificaram esta nova filosofia. Todos os jogos anunciados terão versões para o Windows 10, além da versão para a Xbox One. No caso de Gears of War 4, haverá inclusive cross-play entre as duas versões, ou seja, quem tiver a versão Xbox One poderá jogar com alguém a jogar no Windows 10 e vice-versa. Alguns podem argumentar que com as versões do Windows 10 a Microsoft está a desvalorizar a Xbox One, mas na realidade apenas está a enriquecer o seu ecossistema e a tirar partido do seu OS, o Windows, que continua a ser o mais usado.

O estúdio que está a produzir Gears of War 4 é o The Coalition (antes conhecido como Black Tusk). Apesar do sangue novo envolvido na série, o líder do estúdio Rod Fergusson é um veterano da Epic Games e que esteve envolvido em Gears of War desde o primeiro jogo. Não admira, portanto, que este novo jogo mantenha o ADN que tornou a série famosa: homens musculados e armados até aos dentes, muita carnificina e a típica jogabilidade de avançar de cobertura em cobertura. Quem jogou os anteriores rapidamente se sentirá em casa, e quem não jogou, ficará a perceber de onde vem a fama de Gears of War.

Na E3 2016 tive a oportunidade de ver uma secção de jogabilidade inédita, que não foi mostrada na conferência da Microsoft, e que durou cerca de 30 minutos. Não tive a oportunidade de jogar, mas o que vi deu para obter uma impressão razoável do que esperar. Antes de mais, a Microsoft usou esta apresentação para deixar bem patente que vai apoiar os jogos no Windows 10 a toda a força. A apresentação foi feita em dois ecrãs, um grande e outro mais pequeno, mas ambos com resolução 4K. No ecrã grande estava a correr a versão Windows 10, enquanto o pequeno mostrava Gears of War 4 a correr na Xbox One S (que faz upscale para 4K, mas não corre os jogos nativamente nessa resolução). Ambas as versões estavam a jogar em modo cooperativo uma com a outra, mostrando o cross-play em acção.

Não é de estranhar que a Microsoft queira mostrar a versão Windows 10 de Gears of War 4. Esta é sem dúvida a versão com melhor aspecto, correndo nativamente a 4K e apresentando cores mais naturais e vivas. A versão da Xbox One está bem conseguida, mas devido ao poderoso hardware dos PCs, é apenas natural que a versão para o Windows 10 esteja visualmente mais rica. Ainda assim, independentemente das versões, Gears of War 4 será um dos jogos mais impressionantes visualmente no catálogo da Microsoft. O novo jogo mantém a atmosfera negra e mundo destruído, pelo que não é um jogo extremamente colorido, mas tem personagens altamente detalhadas e efeitos climatéricos (como a tempestade vista na demonstração da E3 2016) bem recriados. Claro que também adorámos a forma como os monstros se desfazem numa papa de carne.

"Não é de estranhar que a Microsoft queira mostrar a versão Windows 10 de Gears of War 4"

Por outro lado, é evidente que o The Coaltion está a jogar pelo seguro com este novo jogo e não quer arriscar demasiado para não correr o risco de desagradar os fãs. Há novidades como novas armas, como um lançador de discos serrilhados, e novos inimigos, que emergem de incubadoras espalhadas pelos níveis, mas a fórmula mantém-se. Gears of War é conhecido pela sua jogabilidade de cobertura, poderosas armas, e serras eléctricas que executam os adversários de forma grotesca. Nada disto muda no novo capítulo, mas não estamos descontentes, pelo contrário. Já tínhamos saudades de Gears of War e este novo jogo parece trazer para a geração atual todos os ingredientes que constituem a fórmula de sucesso da série.

Um grande esforço está a ser colocado na campanha e isso nota-se. Embora sem dúvida alguma que o multijogador será o responsável por prolongar a longevidade depois de chegarem ao final da história, o The Coaltion está a construir a melhor campanha de sempre de um Gears of War. Depois daquele teaser de Marcus Fenix na E3 e desta nova secção de jogabilidade, ficamos ougados para deitar as mãos à versão final. Felizmente, o lançamento não está longe e poderemos começar a jogar a 11 de Outubro de 2016. Se ainda não ficou claro, gostámos do que vimos de Gears of War 4 e o The Coalition tem perfeita noção daquilo que os fãs estão à procura. Seja no PC ou na Xbox One, este é um dos pesos pesados da Microsoft para 2016.

Sobre o Autor

Jorge Loureiro avatar

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Comentários