Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Game Pass chegará aos 100 milhões de subscritores com a Activision, diz Pachter

Nada vai parar o serviço da Microsoft.

Quando o negócio entre a Microsoft e a Activision Blizzard King ficar finalmente finalizado, a Microsoft Gaming começará a incluir jogos destas três companhias no seu serviço Game Pass e com estreias de algumas das mais populares propriedades da indústria no serviço, o número de subscritores vai explodir.

A estratégia da Microsoft, descrita por Satya Nadella como um esforço para se tornarem na Netflix dos videojogos, reforça o Game Pass a cada nova aquisição e quando pensas na estreia direta de jogos em séries como Call of Duty, Diablo, Cash Bandicoot e outros, o potencial para o crescimento é gigantesco.

O já famoso analista Michael Pachter falou com o Yahoo Finance Live e comentou que este negócio será uma impressionante catapulta para o Game Pass alcançar muitos mais subscritores, especialmente agora que está disponível num número crescente de dispositivos.

"Há alguns anos atrás, a Microsoft tinha uma visão que pensei ser estúpida, iam apresentar um serviço por subscrição e todos iam pagar-lhes pelo direito a jogar jogos. Eles simplesmente não tinham muitos jogos."

"Depois começaram a série de compras e compraram seis estúdios independentes, o maior deles a Obsidian. São muito, muito bons. Depois compraram a Bethesda, que é um estúdio gigante e agora vão comprar a Activision. Quando terminarem, serão a quarta maior editora de videojogos nos Estados Unidos. Serão gigantes e depois estarão numa posição para apoiar a sério a subscrição Game Pass."

"A sua visão para o futuro é, vamos eliminar a consola. Vamos usar a nuvem e vamos entregar jogos em qualquer ecrã que tu tens. Esse potencial mercado é três mil milhões e meio de pessoas. Não acredito que consigam assim tantos subscritores Game Pass, mas vão de 25 milhões para 100 milhões? Sim."

Pachter diz ainda que o negócio está mais do que garantido, o governo dos Estados Unidos não tem qualquer base legal para o contrariar, especialmente porque a Microsoft não vai tirar séries existentes à PlayStation, Nintendo, Google, Amazon ou Apple, aparentemente um dos pontos principais para o negócio seguir em frente.

Segundo diz, em janeiro de 2023 o negócio estará mais do que terminado e o Game Pass pronto para receber os jogos da Activision Blizzard King.

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários