Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Final Fantasy XV - Demos vs. Jogo Final numa comparação gráfica

O Digital Foundry compara as diferentes versões ao longo de 10 anos.

Apesar de chegar às lojas na forma de Final Fantasy, este ambicioso projecto da Square Enix foi na verdade anunciado como Final Fantasy Versus XIII, na longínqua E3 2006. Debaixo da tutela de Tetsuya Nomura, uma equipa na companhia Japonesa tentava criar um RPG mais orientado para a acção, ao estilo de Kingdom Hearts, capaz de oferecer uma experiência diferente daquela que é esperada da série Final Fantasy. Para descobrir mais sobre as mudanças que foram aplicadas ao longo dos anos, e uma comparação entre as demos e o jogo final, o Digital Foundry decidiu percorrer a história do desenvolvimento de Final Fantasy XV.

Ao olhar para o trailer CGI de apresentação, é possível ver que algumas das ideias estão presentes no jogo final, como a capacidade de Noctis em tele-transportar-se com a ajuda das suas armas. Alguns anos depois recebemos um novo trailer CGI, mas sem grandes novidades de relevo. Isto devido ao foco maior em Final Fantasy XIII e à pequena equipa que trabalhava em Versus XIII nesse momento. Em 2008, a Square Enix apresentou as suas Crystal Tools, onde se encontrava um motor de jogo interno que iria estar na base dos seus futuros jogos. Somente em 2010 tivemos o primeiro trailer que dava uma pequena ideia de como o jogo poderia ser, onde existem elementos que permaneceram até ao jogo final.

No entanto, foi nessa altura que fomos introduzidos ao Luminous Studio, o motor e ferramentas que deram vida ao jogo final. A mistura de tecnologias tornava confusa a situação para os fãs e para a equipa de desenvolvimento. Em 2012, para complicar as coisas, consoante a equipa de desenvolvimento se aproximava da visão pretendida, as fabricantes de consolas preparavam-se para introduzir novas consolas, e a Square Enix decidiu então mudar o nome do jogo, anunciando Final Fantasy XV em 2013. Por esta altura, foi anunciado que Hajime Tabata tomaria conta do desenvolvimento, ocupando o lugar de Tetsuya Nomura, e começamos a ver então uma cadência melhor de informações e vídeos. Ainda assim, mesmo após ser revelado como Final Fantasy XV, as alterações aplicadas até ao jogo final ainda são consideráveis.

Foi somente no início de 2015, com a demo Episode: DUSCAE, que tivemos a primeira oportunidade de experimentar o jogo. Enquanto a Square Enix ouvia as opiniões dos fãs, aplicando melhorias e correcções que tornavam a experiência melhor. Agora que temos o jogo final nas lojas, o Digital Foundry decidiu voltar às demos e comparar com o jogo final.

Para começar, o sistema de iluminação foi alterado, e produz agora resultados mais realistas. Foi uma decisão artística, que confere ao jogo final um tom mais real, e mais nítido. Isto acaba por afectar os materiais, naturais e não só, que ganham um tom mais real. Outra alteração está no sistema de LODs, e no jogo final vemos menos detalhes a surgirem do nada, apesar da forma como as sombras surgem continuarem similares. Algumas alterações no cenário, como o posicionamento da flora e fauna, criam bastantes diferenças, juntamente com a ajuda da iluminação alterada.

Ao comparar o rancho dos Chocobos, podemos constatar um melhor filtro nas texturas na demo, em algumas partes do cenário, e até a água revela alterações, que podem agradar a uns e não a outros. Mas a grande melhoria está na performance. Aqui foi comparada a demo Duscae na PS4, que sofre com problemas no ritmo de fotogramas e soluços. Corria a 900p e com um anti-aliasing fraco. Usámos a PS4 Pro no modo Lite, com um rácio de fotogramas estável e um ritmo de fotogramas consistente (algo que não acontece na PS4 normal e na PS4 Pro em modo High). Apesar do problema no ritmo de fotogramas permanecer, a performance é muito mais suave e consistente, uma melhoria que certamente vão ter todo o gosto em descobrir.

Marcado com

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários

More Artigos

Artigos mais recentes