Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Fã cria site de Fallout 1st para gozar com a Bethesda

Serviço pago não funciona como deveria.

Fallout 76 está a celebrar o seu primeiro ano de vida e a Bethesda decidiu assinalar a data com a chegada de um novo serviço por subscrição, chamado Fallout 1st.

Este serviço, já disponível, custa 14.99€ mensais e dá-te acesso a regalias como servidores privados para partilhar com amigos, uma scrapbox exclusiva e itens especiais.

No entanto, a Bethesda parece não conseguir escapar a controvérsias e Fallout 1st chegou com diversos erros. Os jogadores descobriram que os servidores não são privados (foram invadidos por outros jogadores), surgiram NPCs mortos e a scrapbox eliminou os itens que foram lá guardados pelos jogadores que pagaram por um serviço que não cumpre o seu propósito.

O anúncio do serviço não caiu bem entre a comunidade e a ineficácia do serviço apenas piorou a situação, o que motivou um jogador irritado a registar o site FalloutFirst.com antes da Bethesda sequer pensar em fazê-lo.

O que fizeram foi uma autêntica sátira ao serviço da companhia e apesar de já ter sido removido, foram capturadas imagens para a posterioridade, para que jamais seja esquecido o que foi feito.

O site estava repleto de ofensas à Bethesda e ao tratamento que está a ser dado aos jogadores de Fallout 76, o que torna compreensível a acção célere da companhia, mas é mais uma prova do que os fãs estão dispostos a fazer para mostrar o seu desagrado.

Este é o mais recente desastre para o departamento de relações públicas da Bethesda e Fallout 76 está mais uma vez envolto em problemas, quando deveria estar a celebrar o seu primeiro aniversário.

Marcado com
Sobre o Autor
Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários