Skip to main content

Digital Foundry vs. Vita Remote Play

Pode a ligação à PS4 melhorar as perspectivas da portátil?

A ligação Remote Play da PlayStation 4 com a PlayStation Vita é entusiasmante - valor extra com o potencial para revitalizar as perspectivas da portátil da Sony que tem uma performance que deixa a desejar. O GamePad da Nintendo Wii U estabeleceu a noção de te separares da tua HDTV e jogares remotamente com uma qualidade de imagem excelente e sem latência perceptível. Desde então, a Shield da Nvidia surgiu - não é tão impressionante agora, mas na mesma algo espantoso, e uma nova atualização promete melhorias significativas. Podem dizer que estamos a sonhar, mas não evitamos desejar resultados similarmente impressionantes para a PS4.

Todos estes esquemas de streaming de gameplay são baseado em princípios muito similares: o fotograma atual é agarrado da memória pelo codificador do equipamento, comprimido em vídeo h.264, enviado via WiFi para a portátil, descodificado e apresentado no ecrã enquanto os toques nos botões são transmitidos de volta para o servidor. De todas a Wii U consegui isto extremamente rápido - corremos o GamePad ao lado de um ecrã PlayStation 3D com uma latência de 33ms, e via fotografia de alta velocidade notamos absoluta paridade no refrescamento. O sistema Shield da Nvidia não ofereceu qualquer ligação direta entre portátil e PC, mas mesmo via router notamos uma espantosa latência de 50ms - apesar do inferiorizado refrescamento a 30Hz. A Nintendo também recebeu as honras na qualidade de imagem, artefactos de bloqueio macro são muito mais perceptíveis na Shield, mitigados apenas pelo ecrã pequeno.

A fasquia está alta para a Sony. Existe um nível de expectativa realmente alto com o Remote Play porque a tecnologia principal provou que funciona não num, mas em dois sistemas diferentes. A sério, a Nvidia consegue oferecer uma experiência altamente jogável apesar da falta de ligação direta com o PC na Shield - o tráfego precisa viajar por um router, apresentando as suas próprias implicações na latência. Esse nível de expetativa sobe ainda mais com a chegada da Vita TV - uma versão sem ecrã da portátil que, a seu tempo, irá suportar Remote Play PS4 (temos uma unidade Japonesa em casa e aborrece-nos não estar ativada na atual versão do sistema). O novo projeto da Sony não precisa apenas de funcionar no ecrã mas pequeno, precisa converter-se bem para utilização numa HDTV.

Então o quão bom é o novo esquema de streaming de jogos? Antas de começarmos a inevitável comparação de imagem PS4 vs. Vita, devemos explicar como funciona o Remote Play. Segundo sabemos, a imagem é inferiorizada de 1080p para 720p e depois novamente para 960x544 quando é apresentada no ecrã da Vita. Shuhei Yoshida da Sony confirmou a resolução de codificação para a Vita TV, e suspeitamos que é o mesmo para a portátil normal. Conclusão: a ausência de Remote Play na Vita TV significa que tivemos que agarrar a imagem reduzida para 960x544 da portátil, ao invés da preferível 720p da sua parente sem ecrã.

"Existe um nível de expectativa realmente alto com o Remote Play porque a tecnologia principal provou que funciona não num, mas em dois sistemas diferentes - o excelente GamePad Wii U e a portátil Shield da Nvidia."

Aqui conseguimos algumas dupla-capturas ao mesmo tempo, que nos permitem correr o jogo PS4 e o Remote Play da Vita lado a lado. Providenciamos uma comparação até 1080p. apesar de escolher ver a 720p ser uma luta mais justa.Ver no Youtube

A qualidade de imagem parece bem decente, mas está longe da apresentação da alta qualidade que temos na Wii U - mas perto da imagem que tendes a ter da Nvidia Shield, mas na mesma abaixo do desejado. O Remote Play na Vita parece correr num nível restrito de largura de banda, e juntamente com as limitações do codificador h.264 do equipamento, detalhe de alta frequência é frequentemente esborratado em movimento rápido. Em termos gerais, quanto mais rápido e detalhado o teu jogo, mais provavelmente o terrível bloqueio macro irá aparecer. No leque de jogos que testamos, Resogun definitivamente foi o que teve mais problemas para manter a integridade de imagem, mas Killzone: Shadow Fall também sofreu imenso.

É também curioso que o bloqueo macro tenha arestas suaves, sugerindo que estás mesmo a olhar para um stream inferiorizado para 720p. O facto de os vermos sequer num vídeo inferiorizado não é algo bom - presumindo que o stream de vídeo é usado na Vita TV, suspeitamos que a qualidade de imagem não irá agradar numa HDTV de sala de estar. Para a Vita, é algo diferente - a inferiorização da resolução, combinado com o ecrã de alta densidade de pixeis faz maravilhas para esconder a maioria dos problemas que vês aqui. A imagem por vezes parece desfocada - mesmo em Resogun no seu mais intenso.

Também podemos confirmar que o Remote PLay na Vita corre mesmo a 30fps - ponto comum que partilha com a atual versão do software Nvidia Shield (isto será corrigido numa atualização do próximo mês, que deverá oferecer 720p60 - e até 1080p60 se utilizares um cabo USB), mas um mundo distante do completo refrescamento a 60Hz do Nintendo GamePad. Similar à Shield, não evitamos pensar que esta não foi uma cadência 30fps suave, definitivamente detectamos alguma trepidação ao jogar, portanto decidimos correr as nossas capturas pela análise à performance, comprando com as versões PS4 originais ao mesmo tempo.

PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
Um olhar mais de perto à qualidade de imagem, aqui comparamos a imagem da Vita a 960x544 com uma imagem 1080p PS4 inferiorizada. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 e Assassin's Creed 4 estão presentes.
PlayStation 4
Vita Remote Play
A closer look at image quality, as we compare the Vita image at 960x544 with a downscaled PS4 1080p image. Killzone Shadow Fall, Resogun, Battlefield 4 and Assassin's Creed 4 are covered.

Resogun parece manter suaves 30fps mas em todos os outros notamos ocasionais fotogramas perdidos que interrompem a fluidez suave da gameplay. Também é interessante a quantidade de correções que tivemos que fazer às análises - a Remote Play tem um problema interessante no qual pequenos segmentos de qualquer imagem são apresentados um fotograma à frente do resto da imagem. Isto confundiu as nossas ferramentas de análise, que reconheciam estes fotogramas como imagens únicas quando na verdade não o eram. O fenómeno é mesmo difícil de ver a olho nu, mas acrescenta um pouco mais ao problema da inconsistência.

Até agora, a Remote Play na Vita parece um pouco abaixo do desejado. A qualidade de imagem funciona num ecrã de uma portátil, mas está longo dos melhores, enquanto o refrescamento foi comprometido - não é mesmo um problema sequer em jogos 30 fps como Need for Speed: Rivals e Assassin's Creed 4, mas a experiência em Battlefield 4, Call of Duty: Ghosts e Resogun é claramente diminuída. Na verdade, apesar da qualidade de imagem e o rácio de fotogramas importarem, o problema mais aparente é o tamanho do ecrã da Vita - alinhar tiros em Killzone ou BF4 é extremamente difícil porque os alvos eram muito pequenos. É surpreendente quanta diferença faz aquela polegada extra no ecrã do GamePad.

Mas o que vai realmente validar ou quebrar a Remote Play Vita é o problema da latência: o tempo preciso para codificar, transmitir e descodificar a imagem. Fizemos muitos testes deste tipo no passado em serviços na nuvem como OnLive e Gaikai, mas a Remote Play Vita é diferente pois podemos ver mais da sua sequência de execução - o tempo demorado entre o pressionar do botão na Vita, e ver a reação na HDTV, e depois o mesmo fotograma surgir na portátil.

"A Remote Play corta o rácio de fotogramas para 30fps - aceitável para jogos como Need for Speed: Rivals e Assassin's Creed 4, mas definitivamente prejudicial ao jogar Battlefield 4, Resogun e outros."

Aqui capturamos imagens PS4 e Vita, correndo ambas pela análise à performance. O vídeo Remote Play aguenta na sua maioria os 30fps, mas existem ocasionais, quase imperceptíveis quedas na performance.Ver no Youtube

No entanto, julgar o exacto fotograma quando o botão é realmente pressionado não é fácil e pode ser dado a erros. Novamente, se a Vita TV tivesse a sua Remote Play a funcionar, poderíamos ter usado a a versão PS3 do nosso quadro de monitorização Ben Heck, desenhado especificamente para esta tarefa. No entanto, o exercício vale na mesma a pena porque sabemos que a latência do nosso monitor Asus ronda os 33ms. Contem o número de fotogramas entre a mesma imagem surgir no ecrã Asus e a sua chegada à Vita, adicionem os 33ms e temos o tempo total preciso para a Remote Play fazer a sua magia.

Os resultados são francamente...bizarros. O que é claro é que existe uma clara e perceptível penalidade na latência ao usar a Remote Play - e uma incrédula falta de inconsistência na sua performance. No nosso primeiro teste, usamos a funcionalidade de ligação direta, que liga a PS4 e a Vita diretamente da mesma forma que a Wii U interage com o GamePad. Testamos Assassin's Creed 4, Battlefield 4, Killzone Shadow Fall e Resogun.

No nosso primeiro teste, Killzone teve a pior prestação de todos tendo a Remote Play demorado uma média de 162.5ms a responder. Agora, revisitamos o Guerrilla Games, falamos com os programadores e sabemos que a latência de comandos - que não é tida em conta na equação - está perto dos 83ms. Os resultados são uma latência final altamente desanimadora nos 245.5ms. Estranhamente - ao mudar para o router (sendo de esperar que a latência aumentasse), cortamos isso para uma média de 180ms. Jogável, mas não bom. Passando para BF4, vimos o oposto. Via ligação direta, a latência Remote Play (sem pesar a latência dos comandos) ficou nos 100ms, subindo para 133ms se ligasse-mos via router.

Olhando para o conjunto das nossas medidas únicas (não as médias) descobrimos que no seu melhor absoluto, a latência da Remote Play Vita chega perto dos 92ms. No seu ponto mais baixo, vimos uma medida única - repetida várias vezes - de 166ms. Adicionem a latência dos comandos em cima disso e a experiência compara-se de forma pobre com a do DualShock 4 padrão.

O melhor e pior dos nossos testes à latência da Remote Play na Vita. Filmamos a Vita e a PS4 usando o modo de câmara lenta 120fps do iPhone 5S, contamos os fotogramas entre a mesma imagem a surgir nos dois ecrãs, adicionamos a latência de apresentação da PS4 que é de 33ms por cima.Ver no Youtube

Agora, a percepção da latência é algo engraçado - todos a sentimos de formas diferentes. Portanto voltamos a testar para verificar os nossos resultados. Primeiro, para assegurar a eficiência das nossas métricas em ligação direta, desligamos o router - apenas para ter a certeza. Depois tentamos com outra PS4 e tivemos um leque similar de métricas inconsistentes. Depois trocamos a nossa Vita de lançamento por uma nova magra e leve PCH-2000, e nada mudou - apesar de notarmos que o ecrã LCD produziu uma apresentação mais clara, algo que ajuda mais do que pensas. No modelo de lançamento, a imagem é muito escura, precisando que sejam aumentadas para o máximo as definições de luminosidade, enquanto a PCH-2000 estava bem nas definições padrão.

Finalmente, apesar de em forma alguma explicar os resultados inconsistentes da ligação direta da PS4 à Vita, até trocamos de routers, trocando um router Sky Fibre 802.11n da Sagem por um Asus RT-N66U - peça linda de equipamento de o equipamento de rede te interessar. Novamente, não vimos nenhuma diferença apreciável.

PlayStation Vita Remote Play: o veredito Digital Foundry

Talvez tivesse sido demasiado esperar que a Remote Play Vita pudesse igualar a performance do GamePad Wii U, quanto mais a da Nvidia Shield. A Nintendo construiu o seu sistema em redor do comando - latência ultra baixa inserida no design, enquanto a Remote Play Vita simplesmente não tem essa prioridade para a Sony. A respeito da Shield, consoante chegam detalhes sobre a arquitetura de codificação de vídeo interna da GPU Kepler, vemos um design construído de raiz para a aquisição de imagem de baixa latência, juntamente com equipamento de codificação h.264 de alta velocidade - um sistema que tem atraído muitos elogios de iluminados no campo da captura em tempo real (O Unwinder é o homem por detrás da MSI Afterburner). Tecnologia derivada da GeForce GRID, o sistema de jogos na nuvem da Nvidia - tal como o GamePad Wii U, está construída para isto.

"Como está, a funcionalidade Remote Play Vita na PS4 é um extra com um bom valor, mas os que esperam uma experiência a par da do GamePad Wii U devem gerir as suas expectativas."

Os codificadores no equipamento e linhas de execução em seu redor construídas na Xbox One e PlayStation 4 parecem ser muito menos sofisticadas - absolutamente boas para partilhar vídeos e funções de streaming em direto, mas os resultados são pobres para transmissão de latência ultra baixa em tempo real para o tipo de vídeo que a Remote Play Vita exige para ter uma experiência ótima.

As métricas são fortes, mas temos que salientar que o que se sente lento e atrasado para uma pessoa pode ser bom para outro - o que tentamos fazer é apoiar as nossas observações com números concretos usando metodologia comprovada. A experiência irá mudar de jogo para jogo: quanto menor a latência nos comandos do jogo, melhor será a experiência Remote Play. Call of Duty tem orgulho nos seus comandos de baixa latência e o jogo sentiu-se bem ao ser jogado via Vita, mas Resogun simplesmente sentiu-se errado em todos os testes em várias ligações, PS4s, Vitas e routers. Pelo outro lado, AC4 é no geral bem tolerante à latência, e isso funcionou bem na maioria. Raramente a frase "os teus resultados podem variar" fez tanto sentido.

No entanto, falando da qualidade de imagem, latência, rácio de fotogramas - ou do simples facto que jogos a 1080p nem sempre se convertem bem para um ecrã de cinco polegadas - nada se compara a pegar no DS4 e jogar jogos PS4 da forma convencional. Talvez - como a Nvidia Shield - iremos ver melhorias significantes na funcionalidade com o tempo, mas atualmente, a Remote Play Vita é uma funcionalidade engraçada, mas definitivamente um valor extra ao invés da salvadora da brilhante - mas problemática - portátil da Sony.

Lê também