Skip to main content

Teste: PlayStation Vita TV

Digital Foundry sobre o que é preciso para tornar um lançamento Japonês medíocre num sucesso Ocidental.

Ideia de génio, produto inacabado, ou as duas? Quando a Vita TV foi revelada na véspera do Tokyo Game Show, a reação à versão sem ecrã da portátil da Sony foi positiva de forma uniforme. Suportada por uma crescente livraria de jogos indie de qualidade combinados com pesos-pesados AAA, esta era a micro-consola bem feita: equipamento de qualidade, jogos decentes e um excelente comando na forma do existente DualShock 3. Mas as vendas medíocres da máquina na estreia Japonesa sugere que a execução da Vita TV pode não ter estado à altura do potencial, muito trabalho pela frente antes do produto chegar ao Ocidente.

As primeiras impressões com o nosso aparelho Japonês importado são completamente positivas - talvez não surpreenda isso tendo em conta o legado da Sony para bom design e material de construção decente. A sério, nada te prepara para o quão adorável a micr-consola é - a Vita TV tem o tamanho de um cartão de crédito, com altura suficiente para albergar um cabo ethernet. O equipamento em si é bom - desenhado e construído lindamente com plásticos mate de qualidade. O kit padrão tem um cabo de multi-voltagem de 5v, um cabo HDMI, e pouco mais. Uma pacote mais caro também existe, fornecendo um DualShock 3 em plásticos cinzentos iguais, cabo USB e cartão de memória de 8GB.

Ah sim, os cartões de memória - o calcanhar de Aquiles da família Vita. Como companhia, a Sony transformou radicalmente para melhor nos anos recentes, mas alguns velhos hábitos são difíceis de desaparecer. Enquanto o mundo avançou para os cartões MicroSD mais baratos para o seu armazenamento, a Sony manteve-se com o conceito de nos dar cartões de memória proprietários, demasiado caros e, infelizmente, ainda estão cá. Como padrão, a Vita TV apenas tem 1GB de espaço interno - suficiente para correr jogos em cartão e instalar algumas aplicações, mas terrivelmente pouco para transferir quaisquer jogos.

Ligar a Vita TV é uma experiência curiosa pois é realmente idêntica à experiência portátil padrão, apenas alargada para a tua HDTV via HDMI. Nada novo para os que já tiveram nas mãos um kit de desenvolvimento Vita ou uma consola modificada - a sério, as opções HDTV na interface de utilizador são idênticas às ferramentas disponíveis aos estúdios: 480p, 720p e 1080i são suportadas, mas os gráficos centrais continuam na resolução padrão da Vita a 960x544, convertida de uma maneira mesmo brusca. O conteúdo em vídeo é apresentado a completa 720p, no entanto, apesar de - na teoria - a opção 1080i deveria renderizar streams 1080p com pouca perda de qualidade nas HDTVs mais modernas.

A diferença mais radical está na forma como interages com o sistema - controlos táteis fora das hipóteses, o DualShock 3 é usado aqui, tal como na PS3. O cabo USB liga o comando à micro-consola, bastando pressionar o botão PS para emparelhar os botões. Daí podes jogar sem fios, tal como na PS3.

Portanto tendo em conta quantos jogos AAA multi-plataforma que estão disponíveis na Vita, o quão bem se porta enquanto consola de jogos? Bem, já cobrimos isso em profundidade há vários meses atrás no nosso Confronto PS Vita vs. PS3 mas existem vários pontos principais que merecem ser reiterados e expandidos.

Primeiro, simplesmente não podes subestimar o quanto o espantoso ecrã OLED da PCH-1000 oferece - as profundas e ricas cores funcionam lindamente em sintonia com o ecrã de alta densidade de pixeis para produzir resultados espantosos. Na verdade, o ecrã é tão bom que ajuda a mitigar alguns dos problemas com os jogos em resolução sub-nativa. Até mesmo rácios de fotogramas menos consistentes conseguem de alguma forma ser um problema menor do que deveriam quando estás a jogar numa plataforma mobile.

Isto muda para o pior com a Vita TV. Alargada para uma HDTV, os compromissos são bem mais evidentes. Mesmo jogos a correr a nativa 960x544 não têm bom aspeto, apenas títulos com decente anti-aliasing se aguentam bem. Jogos sub-nativa podem ter um aspeto brusco, sem qualquer complementação sequer devido aos dois procedimentos de conversão de resolução presentes (primeiro para 960x544, depois expandida para 1280x720). Mesmo num ecrã decente, as cores podem parecer deslavadas quando comparadas com a experiência OLED, resultando numa apresentação muito fraca - mesmo na nossa muito respeitável Panasonic VT20, a reprodução de cor nem se comparava à nossa querida Vita PCH-1000 de lançamento.

"A vender abaixo do desejado e pouco apreciada enquanto portátil, uma adequada transição para micro-consola poderia revitalizar a sorte da Vita."

Vita TV PCH-1000 PCH-2000
Dimensões 65 x 105 x 13.6mm 83.5 x 182 x 18.6mm 85.1 x 183.6 x 15mm
Peso 110g 260g 219g
Armazenamento 1GB Interno/Cartão de Memória/Cartão de jogo Cartão de Memória/Cartão de jogo 1GB Interno/Cartão de Memória/Cartão de jogo
Ecrã HDMI out: 480p/720p/1080i OLED 960x544 de 5 polegadas LCD IPS 960x544 de 5 polegadas
Conetividade USB USB padrão Proprietário Micro USB
Duração da bateria - Perto de cinco horas Perto de seis horas

Também existe um claro problema de compatibilidade. Qualquer jogo Vita que precise de controlos táteis está fora das possibilidades na micro-consola, significando que um vasto leque dos jogos da plataforma não pode ser jogado. É pena considerando o como jogos principais como Uncharted: Golden Abyss, WipEout 2048 e Killzone: Mercenary incluem controlos táteis quase como algo secundário, mas simplesmente não funcionam na Vita TV. Esperamos que alguns jogos sejam atualizados (Killzone foi confirmado, e ouvimos do Just Add Water que Stranger's Wrath HD também terá suporte TV) mas é na mesma desanimador que não se encontrem soluções. A Vita TV Japonesa também está bloqueada por regiões, significando que títulos que correm nela não funcionam sequer se não usares cartões Japoneses. Na verdade, a Vita TV nem arranca como compra importada.

É difícil evitar a sensação que na sua forma atual, a Vita TV é um produto incompleto - uma boa peça de equipamento que não teve tanto pensamento nos seus programas quanto deveria - o que ajudaria a explicar as claras vendas medianas no Japão até à data. É claro nos comentários recentes de Andrew House que o produto é uma espécie de teste para a Sony, uma exploração num mercado que ainda não se tornou no gigante media que lhe abriu caminho nos mercados Norte Americanos e Europeu. De uma perspetiva de um lançamento Ocidental, a Vita TV precisa seriamente de melhorar.

Primeiro, o suporte de aplicações precisa de sérias melhorias - os atuais serviços de streaming de media que podes correr na Vita são fracos e longe das compreensivas ofertas como Android ou Samsung SmartTV. É claro que a Sony deve procurar paridade como esses eco-sistemas, através de aplicações no lançamento no Reino Unido como a Lovefilm, iPlayer, 4OD e todos os outros principais serviços. Se a Sony quer realmente impressionar, o suporte DLNA ajudaria imenso - mas baseado na falta de suporte para streaming caseiro na PS4, essa funcionalidade parece improvável.

"O invejável catálogo da Vita de jogos de alta qualidade precisa mesmo ser explorado na Vita TV - algo que precisará de muitas atualizações..."

Converter jogos Vita para o ecrã na sala de esperar passa os jogos portáteis para uma comparação direta com consolas de atual geração como a PS3. Recentemente comparamos muitos jogos multi PS3/Vita - incluindo Street Fighter X Tekken, apresentado aqui - e apesar de não garantirmos que todos funcionarão na micro-consola, podes ter uma perspetiva de como as duas tecnologias se comparam a correr os mesmos jogos.Ver no Youtube

Comparações alternativas:

Segundo, o invejável catálogo da Vita de jogos de alta qualidade precisa mesmo ser explorado na Vita TV - algo que precisará de muitas atualizações, incluindo convencer terceiras editoras a atualizar os seus jogos para funcionarem com o sistema. Ouvimos nos bastidores que a Sony está a obrigar a compatibilidade com a Vita TV aos estúdios e editoras, portanto esperamos que a micro-consola ganhe mais força nos jogos futuros, mas que pena seria se a lista de atuais jogos não fosse expandida. Preços mais realistas para os jogos PSP e PS1 (ambos devem correr sem problemas na maioria dos casos na Vita TV) também seria bem-vindo.

Em seguida: funcionalidade Remote Play PS4. Na teoria este deveria ser um dos principais pontos da Vita TV porque uma só PS4 deveria alimentar a micro-consola para correr tudo o resto na casa. Esta é uma parte do firmware Vita, mas não está disponível na Vita TV - presumimos que seja por a PS4 ainda não ter sido lançada no Japão. Mas os nossos testes com a Vita normal sugerem que o sistema não está mesmo pronto atualmente, latência excessiva afeta claramente a experiência de jogo.

"Com jogos de qualidade como Killzone: Mercenary a caminho, a Vita TV poderá tornar-se na rainha das micro-consolas - mas melhor suporte em aplicações e preços mais realistas são obrigatórios."

Um título com suporte Vita TV anunciado é Killzone: Mercenary, numa futura atualização. Enquanto outros aparelhos mobile bateram o poder em bruto da Vita, nenhum deles conseguiu oferecer um FPS tão bem feito quanto este e - sim - aguenta-se muito bem no grande ecrã, algo que testamos nós próprios com a nossa portátil modificada.Ver no Youtube

Na teoria, a Vita TV poderia reduzir a latência com a sua ligação ethernet, tornando viáveis os adaptadores de energia para Remote Play pela casa, mas os nossos testes sugerem fortemente que a área principal de latência centrou-se no segmento de codificação dentro da consola - e não temos a certeza até que ponto isto pode ser melhorado. Certo, o vídeo em stream está longe de perfeito e apesar do pequeno tamanho do ecrã da portátil mitigar muitos dos problemas, não acreditamos que a conversão de resolução na qualidade de imagem como esta para uma HDTV faça quaisquer favores ao sistema. O bloqueio a 30fps na gameplay por streaming também é um problema.

Finalmente, existe um grande problema em redor do preço - tanto dos jogos como do equipamento em si. Ao passar a Vita para uma sala de estar, muitos dos existentes jogos parecem muito, muito caros. A Vita TV irá partilhar o espaço de consolas como a Xbox 360 e PlayStation 3, fazendo com que aqueles jogos multi-plataformas caros parecem muito caros para o que são na sua maioria versões inferiores. Esperamos que a Sony e as editoras avaliem isto e mudem os preços da Vita para os mais caros do mercado mobile. Mas diga-se com justiça, isto já acontece de certa forma nos cartões de retalho, onde jogos soberbos como Virtua Tennis 4 estão disponíveis na Amazon por apenas €6.

Mas é o custo da Vita TV em si que irá desempenhar um papel importante para determinar o sucesso do sistema. A não ser que seja vendido juntamente com um DualShock 3, um bom cartão de memória e muitos jogos realmente bons, €119 parece demasiado - desconfortavelmente perto da Xbox 360 mais barata a €155 que é capaz de muito mais. A Vita TV está bem feita, mas é claramente muito, muito mais barata de produzir que a consola Microsoft. A nova micro-consola da Sony realmente precisa ser muito acessível no preço e completamente indispensável para ganhar força. Talvez €70 para o modelo base?

Lê também