Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Crysis 1080p60 em busca do Santo Graal

Tão perto, mas tão longe...

E assim voltamos para o Crysis em busca do Santo Graal. Para quem não sabe, o objectivo é simples: Conseguir correr, o jogo com as maiores exigências tecnológicas alguma vez feito, a uns 60FPS a 1080p... com as configurações o mais alto possível. As regras do jogo: um CPU, uma placa gráfica, v-sync activado, cada configuração no máximo, DX9 ou DX10, poderá ser ambos, embora a ênfase é sobre o primeiro. O objectivo? Para comemorar um marco técnico, onde o hardware de jogos finalmente conseguiu apanhar o jogo mais ambicioso graficamente que o dinheiro pode comprar.

As primeiras tentativas para experimentar o Crysis num sistema Core 2 Quad foram decepcionantes, com cerca de 35-40FPS atingidos, em média. Eu, em seguida, mudei para o Warhead, onde os resultados foram melhores, mas não tão acentuadamente. A última actualização foi efectivamente um novo sistema - tecnologia Core I7 a 2.66GHz, combinado com a mesma placa gráfica NVIDIA GTX295.

Como a minha cópia do Warhead parece ter ido dar uma volta(e provavelmente perigosamente perto da activação do SecuROM ter atingido o seu limite), eu voltei para o original Crysis, com as últimas actualizações, correndo num Windows Vista a 32 bits com 3GB de RAM DDR3.

Sim, está a correr a uns 1080p full HD, e a 60FPS, mas o gozo acaba por ser curto...

A alegria inicial de que o jogo estava realmente a correr na máxima taxa de actualização, foi atenuada pelo facto de que a jogabilidade hardcore verificou logo que os resultados estavam a descer para uns baixos 40. Mas quando corre a 60FPS... oh meu amigo! Jogadores falam do sistema de montion blur de Crysis como fazendo-nos "sentir" que está a correr numa taxa de actualização suave do que realmente é, e para uma medida isto é verdade. Mas verdadeiros 60FPS é outra coisa realmente. Resposta ultra-rápida, física que realmente se sentem, jogabilidade e gráficos combinados produzem algo messiânico em sua total magnificência. Assim, não obstante algumas quebras de frames, a média aqui ainda roda em torno de 53FPS ... impressionante.

Pegando nessa segunda acção em SLI GTX295 seria provavelmente uma solução final, mas é contra as regras do jogo. E eu tenho que perguntar se a minha fonte de alimentação vai aguentar. Portanto, o próximo objectivo? Talvez o tão badalado AMD 4890x2 ... ou talvez qualquer que seja dentro da série NVIDIA 300 que surgirá para substituir a GTX295. A questão é, irá a próxima geração fornecer os 30 por cento de poder de renderização? Presumo que seremos obrigados a fazer o completo busca do Santo Graal? Ou talvez o lançamento de Crysis 2 irá ver a criação de um novo benchmark a 1080p60?

Sobre o Autor

Richard Leadbetter avatar

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Comentários