Skip to main content

Stellar Blade | Exclusivo PlayStation 5

Reserva Já - Lançamento a 26 de abril

Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

PlayStation cloud streaming vs Microsoft xCloud. Fica a saber quem é o vencedor!

O xCloud transmite versões da Xbox Series S.

Cloud thumbnail image derived from 'Above the Clouds' by Arun Kulshreshtha. It has been colour graded, cropped and logos overlaid. Image license here: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/us/deed.en
Image credit: Arun Kulshreshtha/Digital Foundry

O serviço PlayStation Plus Cloud Streaming da Sony foi introduzido em outubro passado para os subscritores do PlayStation Plus Premium, oferecendo streaming 4K de títulos PS5, para além das antigas experiências PlayStation Now 720p PS3 e 1080p PS4. Já criticámos o streaming na nuvem no passado, uma vez que o que se ganha em conveniência perde-se frequentemente em qualidade de imagem e latência - por isso, como é que a oferta da Sony se compara à experiência nativa na PS5 nesse aspeto? E a oferta de jogos na nuvem da Xbox, denominada Project xCloud? Este último ponto suscitou uma interessante surpresa durante os testes: Os servidores da Microsoft são baseados no silício da Xbox Series X, mas os jogos que estão a ser transmitidos são definitivamente as versões da Series S.

Já analisámos o xCloud anteriormente (embora admitamos que tenha mudado drasticamente desde então), mas vale a pena fazer uma breve introdução à forma como o sistema de streaming PlayStation Plus Premium funciona na PS5. Resumidamente, o utilizador vê um ícone de nuvem amarelo junto a qualquer jogo que suporte a tecnologia no catálogo PS Plus, quer o tenha instalado localmente ou não. Em comparação, a Xbox apenas oferece a sua opção de nuvem para jogos que ainda não estão instalados. A gama de jogos suportados pelo serviço da Sony é certamente impressionante, desde os grandes sucessos da primeira geração até às populares opções de terceiros e os indie. E a maior vantagem é que os títulos com instalações pesadas de mais de 200 GB podem ser jogados desta forma em menos de um minuto.

Em termos de qualidade de imagem, o serviço suporta 60 fps em resoluções até 4K com HDR, embora um verdadeiro 4K só seja possível em títulos PS5. Infelizmente, isto significa que os jogos da PS4 jogados na nuvem continuam a funcionar apenas a 1080p, enquanto os títulos da PS3 estão limitados a um fluxo de vídeo de 720p. O limite de resolução estabelecido nas consolas mais antigas é lamentável, uma vez que alguns jogos PS3 podiam ser executados a 1080p no hardware original, enquanto os jogos PS4 podiam ser jogados a 1440p ou mais através de uma PS4 Pro. Dito isto, as opções de áudio são, pelo menos, aceitáveis, com som surround 5.1 ou 7.1, juntamente com o Tempest 3D Audio da PS5, sempre que possível.

Aqui está a apresentação completa em vídeo dos nossos testes de streaming da PS Plus Cloud, incluindo comparações com a Xbox Cloud. Ver no Youtube

O último ponto antes de começarmos com os testes é que há uma seleção de jogos fora do catálogo PS Plus que funcionam com o streaming na nuvem. O problema é que estes têm de ser comprados digitalmente através da PlayStation Store para permitir o suporte na nuvem, como é o caso de Cyberpunk 2077. Supondo que acabaste de fazer a tua compra e queres mergulhar no jogo sem ter de esperar para descarregar o jogo inteiro, é uma boa opção. Por isso, faz sentido dar uma vista de olhos pela tua própria coleção para encontrar esse símbolo extra da nuvem.

Então, como é que a qualidade da imagem na nuvem PS Plus se compara à qualidade real? Verdade seja dita, o serviço da Sony tem uma vasta gama de resultados nesta frente, com base na sua ligação à Internet e no próprio conteúdo do jogo. No meu caso, estou a utilizar uma ligação BT FTTC (fibra até ao bastidor) com 70 Mbps de transferência e 20 Mbps de carregamento - largura de banda mais do que suficiente para uma transmissão em 4K. Vale a pena sublinhar que qualquer contenção na linha - como outras pessoas na rede a ver Netflix ou YouTube - pode diminuir a qualidade da imagem ou introduzir problemas na transmissão. A escolha do jogo também tem impacto: os jogos 2D mais simples, com formas planas e muitas cores primárias, como o Monster Boy, são menos difíceis de transmitir sem degradação da imagem e, na prática, são indiferentes a uma verdadeira instalação da PS5. Em comparação, os jogos 3D mais realistas, com áreas de elevado contraste e movimento, como o Cyberpunk 2077, apresentam mais problemas: os detalhes finos são claramente degradados, enquanto as áreas escuras ficam manchadas com a compressão.

Olhando para um caso mais moderado, como o Fortnite - a correr a 60 fps num teste combinado - a versão na nuvem quase passa como se fosse real, mas há limites evidentes impostos pelo codificador de vídeo. No pior dos casos, as áreas de densa vegetação verde causam novamente interrupções no vídeo, manchando a definição das lâminas de relva. Levando as coisas a um outro extremo, Assetto Corsa Competizione é uma espécie de pior cenário para a tecnologia de transmissão em nuvem. Normalmente, os simuladores de corridas desta natureza exigem níveis elevados de largura de banda quando são apresentados em vídeo. E é o que acontece aqui: ao comparar uma repetição de uma corrida guardada a correr nativamente na PS5 com a solução na nuvem, o céu cinzento nublado, a chuva e o movimento rápido a 60 fps causam um forte macro-bloqueio em cada fotograma. Neste caso específico, é muito difícil recomendar o streaming da PS Plus como alternativa ao jogo real.

ps+ cloud streaming vs native in a monster boy
ps+ cloud streaming vs native in a plague tale requiem
Uma variedade de situações - a jogabilidade 2D e os gráficos simples de Wonder Boy (à esquerda) permitem uma transmissão de vídeo muito mais fácil do que Cyberpunk 2077 durante o tiroteio/tempestade, o que faz com que o primeiro pareça quase idêntico ao jogo a correr localmente, mas o segundo não. | Image credit: Digital Foundry

Esta é a gama de nitidez de imagem: desde Wonder Boy - ou qualquer coisa com movimentos limitados - até títulos visualmente mais movimentados como Assetto Corsa. Entretanto, títulos como Horizon: Forbidden West tendem a situar-se entre estes casos extremos no que respeita ao resultado final. Jogando no modo 4K a 30 fps ou no modo 1800p a 60 fps, a versão na nuvem tem um aspeto surpreendentemente respeitável, apesar de ainda existirem problemas de rede e de serem evidentes os flashes de compressão nos elementos da relva. Como forma de experimentar rapidamente um jogo com um download pesado, é facilmente aceitável. Como solução provisória antes de o jogar nativamente numa PS5, é muito útil, embora os fãs mais exigentes do jogo consigam facilmente detetar a diferença.

Isto leva-nos ao próximo ponto crucial: como é que a PS Plus Cloud se compara à Xbox Cloud Gaming da Microsoft. O serviço ainda está tecnicamente em fase beta, mas já o é há anos e é oferecido como uma vantagem do Xbox Game Pass na subscrição Ultimate. É um ponto de comparação justo a este respeito, mas, para ser franco, a oferta da nuvem da Xbox simplesmente não compete com o serviço PS+ Premium de uma perspetiva tecnológica, por uma multiplicidade de razões.

Em termos de qualidade de imagem, por exemplo, é significativamente pior, com um fluxo de vídeo com uma resolução máxima de 1080p contra 4K na PlayStation. A taxa de bits também é visivelmente inferior ao objetivo de resolução, algo que é evidente em quase todos os jogos que testámos. O jogo A Plague Tale Requiem, comparado com o seu modo de 60 fps na PS5, PS+ Cloud e Xbox Cloud Gaming (comparação de imagens mais abaixo nesta página), mostra até que ponto a Microsoft está atrasada. A versão nativa da PS5 sai-se melhor, inevitavelmente, enquanto a versão PS Plus Cloud sucumbe a artefactos de compressão, mas ainda assim representa adequadamente o jogo. Infelizmente, a solução da Xbox nem sequer se aproxima da da Sony, com uma imagem extremamente comprimida que simplesmente não consegue lidar com elementos como relva ondulante, fogo ou mesmo o detalhe sombreado de uma casa. Este não é um único ponto problemático, pois todas as ricas áreas florestais de A Plague Tale desde o início do jogo sofrem um destino semelhante.

ps5 local vs cloud streaming in assetto corsa competizione
ps5 local vs cloud streaming in fortnite
Mais comparações entre streaming local e na nuvem na PS5: Fortnite (à esquerda) e Assetto Corsa Competizione. O streaming na nuvem é, por vezes, perceptualmente semelhante à instalação local, mas em movimento rápido cada um incorre na maldição da compressão de vídeo. | Image credit: Digital Foundry

Há também um pormenor adicional. Não só o fluxo de vídeo tem uma qualidade inferior no serviço de jogos na nuvem da Xbox, como os utilizadores estão a receber as versões Xbox Series S de cada jogo que testei - apesar da confirmação da Microsoft de que os centros de dados xCloud são construídos com silício Series X.

To be clear, this is not a consumer Series S console as we know it. De facto, com base na nossa entrevista com a Microsoft em 2020, o silício da Series X é utilizado no servidor para o Xbox Cloud Gaming, mas esse poder de processamento pode ser subdividido para virtualizar várias máquinas Xbox menos potentes. Com base nos nossos testes, é lógico que a implementação atual da Xbox Cloud utiliza uma Series S virtualizada executada no silício da Series X. Tudo isto permitiria, em teoria, servir mais do que um jogador a partir de uma única fatia de silício da Series X, para um resultado final comparável a uma máquina da Series S real - um feito tecnológico notável da Microsoft. É fácil imaginar que esta alteração foi feita para facilitar tempos de fila de espera mais curtos e, como o serviço se limita a streams de 1080p neste momento, a utilização das versões Series S dos jogos não terá grande impacto numa série de títulos. No entanto, outros jogos terão problemas.

No caso do A Plague Tale Requiem, é fácil provar que estamos a escolher hardware com especificações da Series S em vez da Xbox Cloud. O primeiro sinal é o facto de não existir um modo de desempenho/qualidade nos menus gráficos, tal como um Series S genuíno. Também é revelador o facto de o jogo correr a uma resolução semelhante de 900p, com definições de LOD de folhagem reduzidas em comparação com uma versão completa do Series X. Focando também a velocidade de fotogramas, a versão Series S tem atualmente um bug que desbloqueia a velocidade de fotogramas do limite de 30 fps pretendido - e isto aplica-se tanto a um Series S de consumo como ao Xbox Cloud Gaming. Cada um deles está seriamente limitado pelo GPU, claro, mas o que interessa é que conseguimos uma leitura de 40fps a 45fps precisamente igual entre eles - Xbox Cloud e instalação nativa da Series S - enquanto jogamos o primeiro capítulo.

O codificador de vídeo em streaming da PS Plus tem os seus problemas com a compressão, mas ainda se aguenta razoavelmente bem contra uma PS5 local. Entretanto, os jogos na Xbox Cloud adicionam artefactos de macro-blocos à imagem que, no pior dos casos, distraem a experiência.

Em termos de definições visuais, velocidade de fotogramas e funcionalidade, a versão Xbox Cloud Gaming de Requiem é compatível com uma Xbox Series S. Na verdade, a configuração aqui é um pouco dececionante se estiveres a jogar numa máquina Series X. A experiência da Xbox Cloud não só sofre de compressão adicional, como também o conteúdo em si não é representativo dos visuais ou do desempenho que se esperaria de uma instalação local da Series X. Como forma de experimentar o jogo antes de o instalar, não estamos a obter a "experiência completa" da mesma forma que com o streaming do PlayStation Plus.

Só para ter a certeza de que A Plague Tale Requiem não é um caso isolado, tive de experimentar mais um jogo multiplataforma: Resident Evil 2 Remake. Felizmente, a opção do modo de traçado de raios do jogo está incluída em todas as versões do jogo - mesmo na Series S - e, por conseguinte, está disponível na versão de nuvem da Xbox. Nenhuma máquina da geração atual oferece 60 fps perfeitos neste modo, com um desempenho frequente abaixo dos 60 fps nas ruas de Raccoon City, mas é perfeito para a nossa análise comparativa.

Mais uma vez, o resultado é o mesmo: a leitura da taxa de fotogramas é idêntica entre uma instalação nativa do Series S e a nuvem Xbox aqui. Da mesma forma, as suas definições visuais para sombras, texturas e efeitos alfa são idênticas. Em contrapartida, se passarmos para um teste equivalente de transmissão na nuvem da PS Plus, os resultados são idênticos numa instalação local da PS5 e na nuvem da Sony - o que se traduz numa vantagem de 20 fps na PlayStaiton Cloud em relação à xCloud, juntamente com uma resolução mais elevada e definições visuais melhoradas. Mais uma vez, não há qualquer dúvida.

ps+ cloud streaming vs xcloud in a plague tale requiem
O desempenho da taxa de fotogramas é uma enorme vantagem para o serviço PlayStation Plus. Atualmente, a nuvem da Xbox utiliza hardware equivalente à Series S nos seus servidores para os títulos que testámos, o que inevitavelmente não é comparável ao hardware da classe PS5 utilizado na nuvem da PS Plus. | Image credit: Digital Foundry

Portanto, o Xbox Cloud Gaming tem um problema - e não afecta apenas os títulos de terceiros, uma vez que o Halo Infinite e o Gears 5 também funcionam com resoluções internas inferiores (1080p e 900p, respetivamente) quando transmitidos através da nuvem. Em ambos os casos, estes valores são inferiores ao que seria de esperar de um verdadeiro hardware da Series X. Para além disso, parece existir um erro no serviço Xbox, que faz com que apareça um limite de 30 fps com um ritmo de fotogramas irregular, independentemente do jogo. No caso de A Plague Tale Requiem e Back 4 Blood, as primeiras vezes que lançámos cada jogo através da nuvem provocaram um desempenho irregular e instável - felizmente corrigido com um reinício do jogo. O streaming na nuvem da PS Plus não teve esse problema: em todos os casos, deparámo-nos com uma experiência equivalente à da PS5, pelo menos antes de a compressão de vídeo e a latência serem tidas em conta.

A latência de entrada é o último obstáculo que qualquer oferta de streaming na nuvem tem de ultrapassar, e também o testei. Em termos de definições de ecrã, utilizei 60 Hz como saída na PS5 - sem modos VRR adicionais seleccionados - para manter as coisas simples. Para testar a latência, utilizei o sensor LDAT da Nvidia, como de costume, que ajuda a calcular o tempo entre uma ação no ecrã (como um flash de cano em Cyberpunk 2077) e uma entrada de disparo no comando.

Depois de calcular a média de 100 resultados entre os jogos nativos da PS5 e a versão na nuvem, os resultados do Cyberpunk 2077 são fascinantes. Obtemos 88ms com o teste nativo, contra 143ms na nuvem - o que significa que acrescenta mais 54,9ms no total. As entradas de controlo estão visivelmente atrasadas, especialmente num jogo como o Cyberpunk, em que o atraso de entrada é elevado na jogabilidade nativa. Também experimentei o modo RT de 30 fps do jogo, que registei como 147 ms nativos contra 205 ms na nuvem, o que nos dá um atraso adicional semelhante de 57 ms.

CP2077 Latência (ms) 60fps - Com fio 60fps - Bluetooth 30fps - Com fio 30fps - Bluetooth
PS5 Jogo Nativo 87.5 88.3 146.9 147.9
PS+ Streaming na Nuvem 135.1 143.2 201.4 205.3
Latência adicional 47.5 54.9 54.5 57.4
Nota: O atraso de entrada de 12,1 ms é subtraído de cada resultado para ter em conta o monitor Asus ROG Swift PG259QN - a funcionar a 60Hz - utilizado nos nossos testes.

Para comparar o streaming PS+ com o Xbox Cloud Streaming, tive de procurar um jogo comum em ambos os serviços de nuvem - um FPS a 60 fps com um flash de focinho distinto para utilização com o LDAT. No final, acabei por encontrar o Back 4 Blood, o sucessor espiritual do Left 4 Dead. Após 100 amostras para cada um, curiosamente os resultados da instalação nativa foram de 84ms na PS5 contra apenas 54ms na Xbox - uma clara vantagem nos sistemas Xbox sem envolvimento da nuvem. É uma descoberta estranha que, com base na experiência em primeira mão, se confirma com controlos mais rápidos na Xbox.

No entanto, a parte crucial é a diferença relativa ao mesmo jogo a correr na nuvem. Utilizando a mesma metodologia, obtemos 137ms na PS+ Cloud contra 99ms na Xbox Cloud - ou seja, 53,6ms extra de latência na PlayStation contra 45,0ms extra na Xbox. Em termos de latência adicional, o serviço de nuvem da Xbox sai a ganhar. Potencialmente, esta diferença de latência deve-se à minha proximidade do servidor mais próximo de cada serviço, mas é uma vantagem de latência consistente para a Xbox nos meus testes. Por outro lado, as falhas na qualidade de imagem e no desempenho da velocidade de fotogramas são um fator importante a considerar.

Este é o estado dos jogos em nuvem nas consolas neste momento. Pelo custo do nível Premium do PlayStation Plus, no geral, a abordagem da Sony tem menos problemas. Oferece-nos uma experiência mais autêntica, com uma apresentação em 4K e uma versão do jogo que é mais comparável a uma PS5 real. A latência mais elevada em comparação com a Xbox é uma desilusão, mas os problemas do Xbox Cloud Gaming são talvez mais impactantes: uma taxa de bits e uma resolução mais baixas, uma compressão mais pesada e, mais importante, a falta de paridade com as funcionalidades e o desempenho da Series X. O serviço Xbox Cloud Gaming simplesmente não está ao mesmo nível que o streaming na nuvem da PS Plus em termos de qualidade, tal como está atualmente.

Back 4 Blood Latência (ms) PS5 - Com fio PS5 - Bluetooth XSX - Com fio XSX - Bluetooth
Jogo Nativo 84.2 86.2 54.6 58.3
Streaming na Nuvem 137.8 137.9 99.6 102.0
Latência adicional 53.6 51.7 45.0 43.7
Nota: O atraso de entrada de 12,1 ms é subtraído de cada resultado para ter em conta o monitor Asus ROG Swift PG259QN - a funcionar a 60Hz - utilizado nos nossos testes.

É uma pena, porque há um argumento genuíno a favor do streaming na nuvem quando é feito corretamente - a rapidez de arranque de qualquer jogo sem downloads torna-o uma excelente forma de experimentar novos títulos ou de aceder a eles numa nova máquina. Os RPGs de ritmo mais lento (Sea of Stars) e os jogos de puzzles (Unpacking) encaixam perfeitamente neste caso. É claro que o streaming na nuvem tem as suas desvantagens, mas como solução provisória até descarregar o jogo real, é uma opção útil - pelo menos desde que o jogo jogado na nuvem seja representativo do desempenho local. Neste momento, é certamente mais esse o caso na PS+ do que no Xbox Cloud Gaming.

Por falar em valor, o custo de cada um também tem de ser mencionado. O nível PlayStaion Plus Premium custa 13,50 €/$18 por mês ou, com um ligeiro desconto, 120 €/$160 por ano. Por esse valor, tem atualmente 851 jogos disponíveis para transmissão imediata, 201 dos quais são títulos da PS5. O catálogo também varia consoante a região, mas é um número impressionante. E, como bónus, estão disponíveis para transmissão na nuvem títulos específicos da PS5 adicionais, caso já os tenha comprado através da PlayStation Store, como o Cyberpunk 2077. Em comparação, o Xbox Game Pass Ultimate, o nível que inclui o streaming, custa o mesmo valor: 13 libras/ 17 dólares por mês. Em troca, obtém acesso a 402 jogos preparados para a nuvem, incluindo 225 para a Series X/S.

Cada um destes serviços tem enormes vantagens em termos de acesso a transferências de jogos e outras funcionalidades, mas se nos concentrarmos apenas no streaming na nuvem, há um claro vencedor. Entre a utilização de hardware de nível PS5 no servidor, a taxa de bits e a resolução mais elevada, o PlayStation Plus apresenta o seu catálogo com um nível de qualidade que está muito mais próximo de justificar a etiqueta Premium - mesmo que esteja atrás da Xbox em termos de latência.

Sign in and unlock a world of features

Get access to commenting, newsletters, and more!

Related topics
Sobre o Autor
Thomas Morgan avatar

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.
Comentários