Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Need for Speed Unbound - melhorias profundas, toques artísticos ousados

A Criterion regressa ao género que a tornou famosa.

Depois de passar a maior parte da última década como um estúdio de suporte para Battlefront e Battlefield, a Criterion Games está de volta com uma aventura de corridas arcade completa. Need for Speed Unbound é um jogo de corrida em mundo aberto com um estilo ousado, com efeitos de partículas inspirados em graffiti e modelos de personagens cel-shaded. Os últimos títulos completos da Criterion Games foram os muito amados Hot Pursuit e Most Wanted, então Unbound é uma sequela digna - mas os novos efeitos visuais são uma adição impressionante ou uma distração indesejável? Além disso, como se comporta o jogo na PS5, Series X e Series S?

Vamos primeiro esclarecer o básico - resolução e desempenho. A Series X e a PS5 visam 4K, enquanto a Series S opta por 1440p, mas a escala de resolução dinâmica (DRS) tenta manter 60fps bloqueados diminuindo a resolução interna em momentos mais pesados. Contei até 1800p na PS5 e 2016p na Series X, mas no jogo geral a PS5 está em torno dos 1944p e a Series X possui 4K total (2160p). Enquanto isso, a Series S pode descer até aos 1080p, com uma média de 1296p, para que obtenhas uma imagem visivelmente mais suave do que os resultados semelhantes a 4K nas consolas premium.

Em termos de desempenho, a situação inverte-se. A PS5 está mais ou menos travada nos 60fps, mas a Series X e a Series S possuem quedas pontuais nas taxas de fotogramas com bastante frequência e quedas mais ocasionais para 51-57fps durante corridas intensas. Dada a resolução média mais alta na Series X, é possível que o DRS possa ser ajustado para aliviar a carga da GPU e resolver essas quedas mais pesadas - e se houver outros problemas subjacentes, eles devem ser resolvidos. De momento, porém, a PS5 oferece a melhor experiência geral para NFS Unbound.

Uma análise em vídeo de Need for Speed: Unbound.

Não importa a consola onde estiveres a jogar, não deixarás de notar os novos floreados estilísticos do jogo. As plumas do escape dos carros e o fumo dos pneus foram substituídos por efeitos de partículas coloridos e rígidos, e todos os tipos de ações, como acertar num impulso ou um salto, geram destaques esboçados brilhantes.

Alguns efeitos são mais estáticos, arte 2D esboçada sobre o teu carro, como asas de anjo que aparecem durante um salto, enquanto outros são efeitos keyframed, como fumo dos pneus, que têm uma aparência mais suave e muitas vezes imitam uma aparência cel-shaded. Estava preocupado que esses efeitos pudessem ser opressores, mas eles são usados com moderação para destacar os principais elementos de jogabilidade, como derrapagem ou colisão com outro veículo - e eles adicionam muito impacto ou emoção a um jogo que, de outra forma, pode parecer bastante semelhante a outras franquias de corridas.

A outra novidade visual é o uso de cel-shading para modelos de personagens, com níveis diferentes de sombreamento e um forte destaque, proporcionando uma aparência 3D em relação a outros jogos cel-shaded. Gosto da aparência destas personagens, mesmo que às vezes a sua aparência seja estranha quando justaposta à arte ambiental mais realista. Estas personagens ocupam o centro do palco durante as muitas sequências de cutscenes do jogo, que estabelecem Unbound como um jogo de corrida mais focado na história do que Hot Pursuit e Unwanted.

Need for Speed: Unbound funciona melhor na PS5, com 60fps praticamente bloqueados; na Series X e na Series S, verás quedas maiores e mais frequentes para os 50fps.

A identidade visual e a natureza pesada do enredo do jogo é uma questão de gosto, mas a Criterion garantiu pelo menos que os visuais básicos do jogo fossem de alto calibre usando o motor Frostbite da DICE - apesar de não ter nenhum recurso next-gen. Os modelos dos carros e os ambientes convencionalmente sombreados são detalhados e a qualidade da iluminação é forte em todo o mundo aberto com iluminação global que funciona bem mesmo em cenários desafiadores como túneis e viadutos.

Comparado com Need for Speed Heat, as melhorias são profundas. Heat lutou para produzir resultados convincentes em condições de iluminação indireta e muitas vezes tinha uma aparência aborrecida. Unbound produz um resultado subtil e rico em comparação, com bons níveis de ressalto e brilho. Este foi provavelmente o elemento mais fraco dos títulos recentes de Need for Speed e é ótimo ver a Criterion a fazer grandes progressos.

Além disso, existem outros detalhes subtis de iluminação que impressionam, como o sombreamento preciso na folhagem e os faróis dos carros que projetam duas sombras no ambiente, que convergem e divergem de forma realista. Os recursos ambientais também parecem bons, com modelos de alta resolução, árvores convincentes e detalhes naturais do solo - não exatamente ao mesmo nível de Forza Horizon 5, mas consistentemente de alta qualidade. O jogo também tem ótimo aspeto em movimento, graças ao desfoque de movimento bem ajustado e ao pop-in discreto.

A iluminação indireta mais realista de Unbound é uma grande melhoria em relação a NFS Heat de 2019.

A única reclamação menor que tenho resume-se à forma como os reflexos são tratados, que usam uma mistura de cubemaps e reflexos screen-space (SSR). O SSR é usado apenas para as superfícies mais brilhantes (por exemplo, água parada), deixando ruas escorregadias e capôs de carros com mapas de cubos. Isso significa que os artefactos de disocculusion são raros, mas os reflexos não parecem tão lisonjeiros quanto poderiam ser com o SSR.

Outras queixas incluem boosts de NOS que desativam o desfoque de movimento de uma maneira um pouco perturbadora, o uso excessivo de feixes de luz e objetos menores que simplesmente desaparecem quando atingidos, em vez de se deformarem ou serem substituídos por vários pedaços quebrados.

De uma forma geral, porém, Unbound parece impressionante, especialmente em condições de iluminação indireta, e eu gosto dos floreados estilísticos durante o jogo. No entanto, eles podem não agradar a todos - e isso também estende-se ao modelo de manuseio, que diverge do trabalho inicial da Criterion para um estilo mais semelhante aos títulos NFS recentes.

As adições artísticas ao jogo são uma questão de gosto, mas eu gosto delas.

Os carros derrapam sem esforço com um toque no acelerador ou travam ao fazeres uma curva, mas a derrapagem geralmente vem com uma redução significativa na velocidade e potencialmente também com a perda de controlo. A minha impressão é que o manuseio parece mais satisfatório à medida que avanças para veículos mais rápidos, onde as atualizações do carro desbloqueiam ferramentas para ajustar entre os estilos de drift e grip, mas essa progressão pode ser bastante lenta.

Depois de completares o prólogo, recebes um veículo de classe B fraco, ganhando dinheiro para carros novos e atualizações através de corridas de rua como de costume; mas estes pagamentos relativamente baixos (e altas taxas de inscrição em corridas mais gratificantes) significam que mesmo atualizações menores levam muito tempo para serem alcançadas. Como resultado, o jogo inicial pode ser um pouco repetitivo, e as longas retas apresentadas em muitas rotas de corrida significam que às vezes não há meios de conduzir além das capacidades do teu carro ou compensar um erro inicial.

Ainda assim, embora alguns elementos da apresentação do jogo possam não agradar a todos, eu acho que Unbound é um excelente jogo de corrida arcade - a Criterion fez um sólido retorno ao género que a tornou famosa, com um jogo NFS que vale a pena jogar. Além dos problemas ocasionais de desempenho nas consolas Xbox, também estou satisfeito com o resultado gráfico de Unbound. Este não é necessariamente um jogo que ultrapassa limites, mas apresenta um mundo aberto convincente e bem iluminado com alguns toques artísticos ousados.

Sobre o Autor
Jorge Salgado avatar

Jorge Salgado

Redactor

Fã de cultura pop, séries jogos animes. É o nosso noobie.

Comentários