Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Análise à perfomance: Batman ainda desanima no PC

Arkham Knight volta a ser vendido mas ainda não está bom o suficiente.

Passaram 4 meses desde o pesadelo do lançamento original da versão PC de Batman: Arkham Knight - conversão tão má que a editora teve que a remover das lojas. No mês passado foi lançada uma actualização para quem tem o jogo mas foi revelada uma nova a actualização de 2.3GB na Quarta-feira, juntamente com o relançamento do jogo. Sim, Arkham Knight está novamente à venda mas a questão é se os problemas foram resolvidos e se vale a pena comprar?

Olhando para as notas da actualização, podemos dizer que não ficamos muito optimistas. O foco da Warner Bros. parece estar em fazer com que a versão PC fique ao nível das versões de consola em termos de DLC. Enquanto a actualização de Setembro listava algumas melhorias técnicas - e a adição de texturas de alta qualidade - nada havia na recente actualização que sugeria mais melhorias na tecnologia do jogo.

Olhando para a investigação inicial à versão PC, vimos um jogo mal optimizado, sem funcionalidades visuais presentes nas conslas. Arkham Knight não conseguia manter os 60fps, mesmo com um bloqueio artificial no rácio de fotogramas e num Core i7 com uma poderosa GTX 780 Ti. Uma semana mais tarde, os problemas visuais foram quase todos resolvidos e apresentamos a definições recomendadas - usando o painel de controlo Nvidia para forçar 30fps com um ritmo correcto, mesmo que o poder da GTX 960 e GTX 970 estivesse muito mal aproveitado.

Ao revisitar o jogo, vemos melhorias mas não muitas. Baseado nos nossos testes, parece que não existe muita optimização além daquela que foi inserida na actualização de Setembro. Não quer dizer que não existem melhorias - algumas coisas melhoraram. No entanto, não são capazes de afectar a performance geral. Existem melhorias sobre o código original para os que querem 1080p60 mas ainda assim, colocar um Core i7 4790K ao lado de uma R9 290X ou uma GTX 970 não impede o ocasional glitch - mesmo desligando os efeitos Nvidia GameWorks. Mesmo com uma GTA 980 temos soluços e ficamos abaixo de 60fps. Não estraga o jogo mas aborrece. O problema é que abaixo deste formidável limite, ainda temos os mesmos problemas que em Junho.

Para desfrutar de Arkham Knight em high com qualidade de texturas normal (a par das consolas) e sem soluços brutais, precisas de uma gráfica com 3GB de VRAM, 4GB se quiseres ir além de high no detalhe das texturas. Mete uma placa 2GB - testámos uma R9 285 e uma GTX 960 - e os soluços são inevitáveis. O estúdio Iron Galaxy, responsável pela versão PC, não optimizou o jogo para as gráficas das massas - ao invés disso temos um indicador VRAM que te diz quando terás uma performance abaixo do desejado. Numa gráfica 2GB, só quando baixamos a qualidade das texturas para a mais inferior é que tens a aprovação do estúdio para uma experiência suave - simplesmente não é bom o suficiente. Para piorar, usar a R9 285 de 2GB, mesmo com texturas low, ainda temos soluços perceptíveis. Era escusado isto. Muitos programadores PC passam muito tempo a criar streaming em segundo plano da e para a VRAM de forma a oferecer paridade visual com as consolas em gráficas 2GB. Arkham Knight efectivamente dá-te duas escolhas - reduzir os visuais do jogo ou comprar uma nova gráfica.

Existem alternativas? Para os donos de gráficas Nvidia 2GB, aconselhamos v-sync adaptável a 30fps. Limita a performance e permite screen-tear quando o motor desce. Baixas as texturas para normal é aceitável - mas vais encontrar soluços nas cenas mais rápidas no Batmobile. Baixar a qualidade das sombras para normal ajuda mas não elimina por completo o problema. Jogadores AMD terão que se contentar com o limitador de 30fps - que infelizmente não respeita o ritmo de fotogramas, produzindo soluços feios com v-sync activa. A seu favor, a R9 380 e a R9 285 da AMD têm agora uma performance melhor mas gráficas AMD 2GB têm mais soluços que as equivalentes Nvidia em definições ao nível das consolas.

O que mais desanima na versão PC é que a capacidade de adaptação do jogo melhorou pouco desde o lançamento. Para os que têm PCs de baixa ou média gama, a incapacidade do estúdio em produzir uma solução para optimizar o streaming em gráficas de 2GBs não satisfaz. Bloquear a 30fps é a única forma pois ajuda a mitigar os soluços mas significa que gráficas como a GTA 960 fica com muito poder que não é aproveitado. A única rota é seguir a 1440p ou super-sample dessa resolução para 1080p. Mesmo os que têm produtos de topo ficarão chocados - a GTX 980 exibe os mesmos soluços sub-60fps que uma GTX 970 ou GTX 980. Não estraga o jogo e é preferível a 30fps bloqueados mas o fact ode termos isto sequer em componentes de topo demonstra que não há forma de ultrapassar estes problemas com poder por si só.

Um Core i7 4790K com overclock para 4.6GHz ao lado de uma R9 290, GTX 970 e GTX 980. Nenhuma consegue 1080p60 consistentes com v-sync, mesmo que a monitorização MSI Afterburner nos diga que o uso da GPU nem se aproxima dos 100%. Mesmo uma GTX 980 Ti tem soluços similares, o uso da GPU está consistentemente abaixo dos 60%.

Existem problemas fundamentais por resolver. A Warner Bros. avisou que poderíamos ter problemas de performance em certas gráficas com as mais recentes drivers (mas não diz quais), SLI e Crossfire ainda não foram implementados depois de 4 meses e a nota que os utilizadores de Windows 10 precisarão de 12GB de RAM (!) para correr o jogo sem soluços é espantosa. Todas as mensagens do estúdio e editora nada significam se a situação não é resolvida.

Resumindo, é um lançamento abaixo do desejado e continua uma das versões PC mais desanimadoras que já jogámos - existem melhorias desde o lançamento mas questionamos quanto foi feito para consertar o jogo - especialmente no último mês desde que chegou a actualização provisória. Pelo menos é possível ter a experiência visionada pelo Rocksteady mas os requisitos de equipamento para tal - especialmente em gráficas com pouca VRAM - significa que apenas uma minoria dos jogadores PC podem fazer isso. Gameplay 1080p60 é possível se tiveres uma gráfica de €290 e ainda assim podes ter problemas. Colocamos um i7 4790K com uma GTX 980 com 2400MHz de DDR3 e nem a RAM mais rápida conseguiu impedir soluços em segmentos mais rápidos no Batmobile.

Ao analisar a GTX 960 da Nvidia chegámos à conclusão que 4GB de VRAM fazem diferença - mas apenas em alguns jogos. Sugerimos que 4GB permitem jogar pelo seguro contra conversões de consola mal optimizadas. Não testámos Arkham Knight porque havia sido retirado de venda e a editora merecia o benefício da dúvida. Esperávamos que o relançamento apresentasse melhorias. Infelizmente, não aconteceu. Presumindo que o teu PC é robusto o suficiente e tens VRAM suficiente, podes comprar o jogo e ter uma experiência ao nível da das consolas - mas tendo em conta a continuada falta de respeito pelos jogadores PC, a questão é se os estúdios e editoras merecem o teu respeito sequer.

Sobre o Autor
Richard Leadbetter avatar

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Comentários