Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Criador de Nightingale diz que a indústria precisa de maior transparência no calendário de conteúdos

Prometem demasiado e entregam pouco.

A indústria dos videojogos tem um hábito de mostrar estúdios a prometer em demasiada e a entregar pouco, afirma Aaryn Flynn, criador de Nightingale, que pede maior transparência na comunicação de calendários de atualizações e conteúdos.

Em conversa com o VGC, o ex-líder da Bioware que agora trabalha no seu próprio estúdio, diz que as companhias e estúdios devem apostar na transparência para não desiludir os jogadores, especialmente nesta fase pós-pandemia.

Os problemas causados pela pandemia fizeram os estúdios adiar imensos jogos e também já vimos grandes nomes apresentados como serviços que não conseguiram cumprir com o que passaram meses a prometer.

Dois dos exemplos mais populares são Battlefield 2042 e Halo Infinite, que meses após o lançamento ainda não receberam conteúdos prometidos para há vários meses atrás. Flynn diz que os jogadores são geralmente justos sobre o tempo de desenvolvimento, mas merecem mais transparência.

"Penso que os jogadores acabam por ser muito justos. Eles querem que os jogos sejam bons, querem que estejam polidos e querem experiências que respeitem o seu tempo," diz Flynn.

"Penso que a nossa indústria prometeu demasiado e entregou pouco em algumas dessas coisas. Muitas vezes, quando vês jogadores desiludidos, frequentemente é porque um estúdio ou equipa estabelecer uma expetativa que não conseguem alcançar. Entendo isso, consigo simpatizar com isso."

Flynn estava na Bioware quando Anthem foi lançado e conhecem muito bem essa dura realidade, por isso mesmo alerta para que esse erro não continue a ser cometido.

"Penso que se trata de ser honesto sobre isto e dizer simplesmente 'estamos neste ponto, algumas das coisas estão difíceis e preferimos passar mais um pouco de tempo para te dar algo bom do que algo mais cedo com compromissos."

Segundo diz, a maioria dos jogadores também preferem isso, "os jogadores agora têm tanto por onde escolher, vão jogar outra coisa a meio prazo se não tiverem conteúdo e isso é bom ou mau para certos estúdios."

Flynn não está admirado que tantos jogos estejam a ser adiados, especialmente quando o impacto da pandemia ainda não desapareceu por completo. Uma vez que os estúdios querem sempre fazer melhor, vão optar por demorar mais tempo, mas quando tantas pessoas trabalham a partir de casa e outras ficam doentes, mais vale ser cauteloso e honesto.

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários