Picture of Thomas Morgan

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.

Featured articles

No Man's Sky recebeu a actualização NEXT, a mais profunda reinvenção do jogo. Em termos de melhorias na tecnologia, câmara na terceira pessoa, o muito desejado modo multi-jogador, melhorias na construção de bases e mais - muito foi feito deste o lançamento original. A sério, não é apenas a maior actualização de sempre para No Man's Sky's, é também um lançamento digno de referência na Xbox One e Xbox One X, onde podes finalmente desfrutar deste jogo fascinante.

Digital FoundryOctopath Traveler: JPRG ao estilo dos anos 90 ganha vida com tecnologia de topo

O Unreal Engine 4 dá vida a um híbrido numa consola híbrida.

Os RPGs Japoneses percorreram um longo caminho desde os tempos das aventuras 2D por sprites, mas em Octopath Traveler temos uma fascinante mistura de novo e velho. Este exclusivo Switch pega no estilo tradicional de clássicos do género lançados na SNES, como Final Fantasy 6, para os combinar com as técnicas 3D de topo do Unreal Engine 4. É um JRPG híbrido para uma consola híbrida, mas a Square Enix e a Acquire sabem exactamente onde focar os esforços sobre a tecnologia e como se manterem fieis aos moldes 2D. O resultado é um belo e apelativo jogo Switch.

Pode ter sido curta em novos anúncios, mas não houve escassez de espetáculo na conferência da E3 da Sony. Juntamente com The Last of Us Part 2, a estreia da jogabilidade de Ghost of Tsushima levou-nos aos campos devastados pela guerra do Japão do século XIII, representados através de uma primazia em renderização, animação e simulação de física em tempo real. Olhando para a sua vista de abertura deslumbrante, serias perdoado caso pensasses que tudo isso estava a ser executado no futuro hardware da Sony - um protótipo da PlayStation 5, talvez. À primeira vista, a animação do ambiente, efeitos de partículas e iluminação parecem uma geração à frente - e certamente é um grande salto estilístico face ao trabalho anterior da Sucker Punch. Mas como a demo revela, a demonstração é executada num hardware que podes adquirir neste momento. É uma PS4 Pro e, portanto, a verdadeira surpresa é a engenhosidade técnica em andamento para alcançar resultados tão bons na tecnologia existente da consola.

Digital FoundryThe Crew 2 adapta o conceito de Forza Horizon e amplifica-o

E terás a melhor experiência de consola na Xbox One X.

Dada a absoluta liberdade de poderes competir onde quer que queiras, The Crew 2 é um dos conceitos de corrida mais emocionantes das consolas PS4 e Xbox One. Para quem não jogou o original, o mesmo possui uma versão miniatura dos EUA, de Nova Iorque a São Francisco, remixada e remodelada para que a possas explorar livremente. Quatro anos depois, a tela é agora ainda maior para a sequela - e para ajudar com este aumento de dimensões, a Ivory Tower adiciona barcos e aviões a um armazém existente de supercarros, dando-te mais maneiras de ir de um estado para outro. A sensação de escala é, muitas vezes, impressionante - uma versão super-dimensionada de Forza Horizon, caso queiras ver por este prisma - e a ideia é realizada surpreendentemente bem em todas as consolas.

Digital FoundryHyrule Warriors - Port Switch é decente, mas é afectado por estranhas decisões

Resolução a 1080p em modo mobile afecta o rácio de fotogramas.

O dilúvio de ports Wii U para a Switch continua e a chegada de Hyrule Warriors: Definitive Edition oferece a oportunidade para melhorar um jogo que desiludiu na sua performance na consola original. Os esforços da Omega Force na Switch satisfazem em diversos aspectos e é facilmente a versão mais completa. No entanto, ainda precisa de uma actualização para ficar perfeito pois é afectado por decisões altamente questionáveis - a mais curiosa delas é o modo mobile correr com downsample de 1080p, afectando de forma desastrosa a performance.

Agora que foi lançado, temos finalmente um panorama completo do funcionamento de Dark Souls Remastered nas consolas e PC - e apesar da infame zona de Blighttown ter sido o nosso primeiro porto nos testes de performance, ao que parece, existem muitas mais formas de levar a versão refinada do motor Dark Souls da produtora QLOC ao extremo. Os problemas do CPU do jogo foram, de um modo geral, resolvidos no produto final e, ao que parece, o GPU é a bottleneck primária. Todas as versões do jogo correm a 60fps se bem que apenas uma consola possui um bloqueio absoluto, sendo que o PC corrige muitas falhas - mas é, de forma geral, um feito muito pouco ambicioso.

State of Decay 2, exclusivo Xbox One e PC, combina acção online cooperativa para quatro com um ambiente de apocalipse zombie já batido e o conceito é sólido. A sobrevivência é o principal: exploras uma área aberta à procura de armas e itens, reclamas locais seguros e procuras novos pontos para a tua comunidade de sobreviventes habitar. Expande as ideias do original, mas a tecnologia é nova. Feito com o Unreal Engine 4, State of Decay 2 abandona o CryEngine 3.1 do original - o que poderá explicar os cinco anos de desenvolvimento. É uma alteração fundamental na tecnologia de renderização, mas a transição acarreta alguns problemas, exigindo mais trabalho para melhorar um jogo que deixa a desejar.

Digital FoundryDark Souls Remastered - Teste colocou o destaque na Xbox One X

O salto sobre a PS4 Pro não é o que esperávamos.

O teste de rede em Dark Souls Remastered deu-nos o primeiro olhar ao jogo nas quatro consolas. Já o tínhamos visto na PS4 Pro. Corre a 1800p e com algo perto de 60fps fixos, as primeiras impressões foram a de um remaster conservador, mas satisfatório. O teste de rede permitiu-nos ter uma sensação de perspectiva: como se compara a mais poderosa Xbox One X com a PS4 Pro e como estão as duas consolas base?

Digital FoundryO que se passa com The Witcher 3 v1.61 na PS4 Pro?

Adicionado suporte para HDR e a performance foi melhorada, mas os visuais 4K foram afectados.

The Witcher 3 da CD Projekt RED recebeu uma actualização e a versão 1.61 introduz suporte HDR na PlayStation 4 e PlayStation 4 Pro - um bónus bem-vindo para um jogo que está perto do terceiro aniversário. A chegada das melhorias PS4 Pro e Xbox One X tornou ainda melhor um jogo de 2015 nas consolas. Esta actualização HDR na PS4 devia ser a cereja no topo do bolo, mas algo não está certo - parece que a versão PS4 precisa de mais uma actualização.

Desenvolvido com um orçamento relativamente baixo, Hellblade: Senua's Sacrifice é um dos jogos mais impressionantes da geração. Uma equipa de 14 pessoas na Ninja Theory criou algo maior que a soma das suas partes - combinou uma bela direcção artística com as funcionalidades de topo do Unreal Engine 4. Impressionou na PS4 e PC em 2017, mas com a versão Xbox One X temos a melhor versão nas consolas.

Digital FoundryThe Division entrega mais uma fantástica melhoria na Xbox One X

Grande aumento na resolução sobre a PS4 Pro e mais melhorias.

The Division foi um lançamento controverso em 2016. Alguns referiam inferiorizações sobre o trailer original, mas a Ubisoft Massive apresentou na mesma uma tecnologia linda no jogo final. Iniciar o jogo na Xbox One X - após a actualização 4K - mostra como o motor Snowdrop é espantoso. Efeitos de nevoeiro volumétrico, reflexos em tempo real, objectos com físicas e mapas de oclusão em paralaxe ajudam esta Manhattan pós-apocalíptica a tornar-se credível e real. O cenário não apresenta apenas carros abandonados, apresenta belos efeitos de neve e iluminação. Dois anos depois, The Division ainda se aguenta bem e na Xbox One X fica fantástico.

Digital FoundryRed Dead Redemption a 4K na Xbox One X fica sensacional

Actualização: testada a expansão Undead Nightmare na Xbox One X.

Actualização: O quão robusta é a versão Xbox One X de Red Dead Redemption? A performance melhorada no jogo também se aplica à sua expansão que é mais exigente? Este episódio em separado mantém o nível de detalhe do original, mas vai mais além, apresentando efeitos de nevoeiro e um grande número de zombies. Além disso, eliminar os zombies com fogo cria um efeito visual que pode afectar severamente o rácio de fotogramas na Xbox 360.

Resident Evil 7 está agora disponível na Xbox One X, onde tens o incentivo de suporte 4K. A Capcom optou por 1080p nas consolas base, mas na Xbox One normal isto é um problema, o jogo tem dificuldades para conseguir 60 fotogramas por segundo consistentes. A X aborda dois problemas, a nova actualização consegue uma resolução muito superior e consegue a performance desejada. A questão é como se compara com a versão PlayStation 4 Pro?

Digital FoundryDark Souls Remastered: quais as melhorias?

O Digital Foundry jogou-o na PS4 Pro.

Dark Souls é talvez o remaster mais esperado desta geração. É a oportunidade para revisitar um dos mais aclamados jogos da anterior geração, através de tecnologia actual que melhora imenso os visuais e corrige alguns dos problemas de performance. Já tivemos uma amostra da conversão Switch - baseadas no vídeo que nos deu a impressão de uma conversão conservadora na híbrida. Agora tivemos a oportunidade de o jogar na PlayStation 4 Pro e visualmente existe muito mais para falar.

Recebemos imensos pedidos para analisar Outlast 2 na Switch, especialmente porque à primeira vista está espantosamente similar à versão PlayStation 4. Também é uma curiosidade tecnológica pois usa o Unreal Engine 3; tecnologia que não é suportada para a Switch pela Epic Games. No entanto, nada impediu a Red Barrels de converter o jogo.

Uma espécie de sucessor ao brilhante Assassin's Creed Black Flag, Rogue passou despercebido em 2014. Num difícil período de transição entre gerações, Rogue foi desenhado para a Xbox 360 e PS3, mas o foco foi para Assassin's Creed Unity - a estreia da série na Xbox One e PlayStation 4, tecnologicamente ambicioso, mas com várias falhas. Rogue não merecia o seu estatuto de série B - era um bom jogo com muitos destaques visuais e recebe uma segunda oportunidade com este remaster.

Apesar de ser apresentado a cristalina 4K nativa na Xbox One X, Burnout Paradise ainda está tal como te lembras dele. O remaster foi bem feito. Existem melhorias - muitas, como verás em seguida - mas todo o trabalho em adaptar o original, combina bem com um meio de maior precisão. Num mundo em que os jogos Xbox 360 recebem melhorias Xbox One X gratuitas e em que a versão PC custa 6€ no Origin, isto é bom. A conclusão aqui é que Burnout Paradise Remastered é mais do que um port.

Tivemos imensos pedidos para este tópico durante os últimos meses e depois de termos experimentado WWE 2K18, podemos entender o porquê. O port para a Switch ganhou uma grande reputação desde o seu lançamento em inícios de Dezembro, o ano passado - de facto, muitos acreditam que é o pior jogo disponível no sistema. Houve relatórios de performance muito aquém do desejável e soluços que quebram o jogo e, devido ao patch que recebeu recentemente, decidimos regressar para descobrir se houve alguma melhoria. As primeiras impressões sugerem que não e de todos os títulos Switch multiplataforma que experimentamos, este é facilmente o pior port que testamos.

O mercado para a Switch está repleto de ports e remasters, mas um dos mais antecipados é sem sombra de dúvida a conversão de Dark Souls - a primeira vez que a saga chega a uma portátil. Os primeiro sinais indicam que este port está a cargo da Virtuos - o estúdio por trás da destemida conversão de LA Noire para a consola da Nintendo. Muito pouco se sabe sobre o projecto, ou que forma terá o remaster nas outras plataformas, mas o último Nintendo Direct forneceu-nos uma pequena mostra de gameplay que nos deu algumas pistas.

Payday 2 chegou à Nintendo Switch, tornando-se na primeira versão verdadeiramente portátil. Baseado nas versões que chegaram há três anos à Xbox One e PlayStation 4, a conversão vai mais longe com a incorporação de acção para quatro jogadores, juntamente com outros ajustes e DLC. O jogo permanece o mesmo em vários aspectos, o que nos deixa a pensar se a Switch pode igualar a experiência 1080p30 das versões nas consolas de actual geração?

A actualização Xbox One X de The Witcher 3 deu-nos mais do que esperávamos. Foram adicionadas duas novas opções: um modo 4K focado em nativa 3840x2160 a 30 fotogramas por segundo, com conversão dinâmica de resolução para assegurar um gameplay consistente. A real surpresa é o modo performance que dá prioridade aos 60fps, mas numa resolução inferior. No papel, esta versão é a definitiva, mas como e compara a versão Xbox One X com a PlayStation 4 Pro?

Rocket League não deveria ser difícil de converter para a Switch, mas a Panic Button enfrentou vários desafios nesta adaptação. Apesar de não ser um jogo tecnologicamente avançado, é um jogo construído para o hardware de actual geração da Sony e Microsoft, elevando a fasquia. É um jogo construído com o Unreal Engine 3 - tecnologia que não é compatível com a Switch. Também é um jogo pensado para 60 fotogramas por segundo. Comprometer isso não é aceitável - não seria Rocket League.

primeiros anterior