Sonic Chronicles The Dark Brotherhood

Hiper universo Sonic.

Tails: Sonic, you made it! I’m so glad to hear from you!

Sonic: I’m here, Tails. What’s going on?

Tails: We’re in big trouble, Sonic. I don’t know if you heard, but Knuckles has gone missing. And so have the Chaos Emeralds! A group of criminals called Marauders took him. Please, Sonic! We need your help!

Sonic:

  • [opção a)] Of course I’ll help!
  • [opção b)] Don’t you know about what happened?
  • [opção c)] Why would they take the Chaos Emeralds?

É neste primeiríssimo dialogo com o velho comparsa Tails que Sonic embarca numa jornada épica, focada na exploração, argumento, personagens, diálogos, e combates por turnos contra um número quase infindável de inimigos. O Mario, na versão super e numa parceria entre a Square e a Nintendo, também transitou para o género RPG, na consola 16 bit - a SNES -, com o subtítulo Legend of the Seven Stars, numa distribuição limitada apenas ao continente americano e asiático, para forte desgosto, à época, dos imensos fãs europeus da série e dos devotos da exploração de cavernas e combates por turnos.

Para a mascote Sonic, ícone laureado no apogeu da era 2D e ponto de divergência na transição para a forma tridimensional a par gerações modernas de consolas, esta entrada para o género de role play pela mão da canadiana BioWare (Mass Effect e Neverwinter Nights), em forma de cartucho para a portátil NDS, revela-se uma surpresa bastante agradável na forma do argumento, concepção artística e em certas adaptações à rigidez de um role play em função do particular manuseamento da DS.

1
Knuckles explora o cenário. No ecrã superior está o mapa da área a descobrir.

Posto um fim nos planos diabólicos do Dr. Eggman, julgava-se que o mundo vivia, por fim, uma época de paz e tranquilidade. Com o ouriço azul distante e entretido a explorar outros recantos do planeta, subitamente estala a notícia do possível sequestro do antigo rival Knuckles e, de novo, urge descobrir o que proporcionou esse acontecimento e quem são afinal esses criminosos chamados Marauders. Sonic Chronicles desenvolve-se a partir do modelo clássico de rpg. De início temos apenas o controlo do Sonic, com os habituais parâmetros de desenvolvimento da personagem, mas à medida que asseguramos a progressão no jogo outras personagens conhecidas vão formando parelha, assegurando um grupo coeso, com fortes especificidades e características relevantes para o combate.

Para além de Tales vão encontrar Amy Rose (agora namorada de Knuckles), Rouge, Big (o gato gigante) e a coelhinha Cream. A progressão das personagens, ainda que possível de um modo automático, pode ser feita manualmente, distribuindo os pontos - conquistados no final de um combate ou passagem de capítulo - por áreas que vejamos como mais adequadas para uma personagem, nomeadamente velocidade, sorte ou ataque. Seguindo a rotina dos rpg é possível coleccionar objectos espalhados pelas áreas ou adquiridos em lojas, que estimulam um aumento das capacidades e multiplicam os tipos de ataque, mas a adição mais sonante radica na forma dos pontos POW, forma alternativa para designar os normais atributos do oculto e do ilusionismo, que permitem às personagens desencadear uma boa lista de golpes especiais. Neste caso o apelo à “stylus” é vital para assegurar a execução do movimento. Dentro de um “timming” e com precisão descrevem-se linhas para concluir ataques com perspectivas animadas.

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários