Resident Evil 5

Morrer em Kijuju.

Resident Evil é já um clássico para todos os adeptos de videojogos. Um jogo que conseguiu evoluir consoante a plataforma e gerações tecnológicas. Para quem é fã incondicional, ou que apenas teve o seu primeiro contacto com a série no Resident Evil 4, estará certamente em pulgas para poder colocar as mãos na sua quinta incursão.

Depois do brilhante Resident Evil 4, na GameCube e mais tarde na Playstation 2, foram necessários quase quatro anos para podermos novamente embarcar na viagem de um survival horror típico, ou até não. A tendência está mais virada para jogo de acção, com pequenos elementos de um survival horror. É perfeitamente notória a tentativa por parte da Capcom de agradar a gregos e a troianos, sendo que uns odiarão e outros adorarão esta estratégia.

Para esta antevisão foi possível percorrer os primeiros três capítulos do jogo, já de si bastante longos, que nos levam até algumas revelações e aos mais variados ambientes. Somos mais uma vez Chris Redfield, em nova missão, num terreno agreste e poeirento de África. Ao serviço da BSAA (Bioterrorism Security Assessment Alliance), relatos da actividade da Umbrella Corporation levam Chris a investigar uma cidade local, chamada de Kijuju, onde poderá estar o foco da actividade. Para isso terá o apoio de Sheva Alomar, também ela membro da BSSA. Como já é sabido, podemos controlar as duas personagens, isto em modo cooperativo, sendo Chris a única em modo a solo.

Sheva Alomar é a nossa companheira, esta ajuda-nos em diversas ocasiões tais como alcançar determinados locais inacessíveis à primeira vista, sendo uma relação imprescindível para a progressão do jogo. Também interessante é a troca de objectos e armamento entre os dois, principalmente no modo cooperativo. Esta opção permite termos uma abordagem mais táctica, repartindo estratégicamente o tipo de armamento por cada um. Esta troca é muito útil, pois inúmeras vezes troquei de munições, ou mesmo quando não podia carregar mais nada, pedi a ela para levar consigo.

1
Uma dupla de sucesso.

A jogabilidade mantém-se intacta em relação ao Resident Evil 4, fórmula revolucionária que influenciou alguns dos melhores jogos de acção que surgiram posteriormente e que surge agora com alguns retoques. Muitos poderão ficar cépticos e questionar se funciona perante os actuais padrões, onde a liberdade e dinâmica frenética imperam nos videojogos. Esta opção de se manter uma fórmula tradicional, principalmente na forma estática na altura de disparar, sendo um pára e arranca a cada ingresso pelo disparo. Pessoalmente, e na linha de criar maior tensão, este sistema funciona. É tudo uma questão de hábito, e de persistência, principalmente se formos adeptos de action shooters, a curva de aprendizagem poderá ser maior, levando muitas vezes a uma certa frustração. Após este período, esta acção é efectuada quase de forma instantânea, sendo a procura por locais mais recônditos e fáceis de disparar uma das constantes opções. Já para não falar das corridas quando fugimos de certos animais, esses mesmos que estão a pensar. Cães com duas cabeças, ferozes e sedentos por abocanhar carne fresca.

Como referi no início, a série Resident Evil tem acompanhado a evolução dos videojogos, sendo agora mais um jogo de acção que propriamente um survival horror. As únicas vezes em que sentimos o efeito terror em nós, foi quando atravessámos um monte através de umas minas escuras, apenas iluminados por uma lanterna. Mas mesmo nesses momentos o efeito foi parco, em virtude da pouca actividade dos mineiros-zombies. Se já de si a jogabilidade cria em nós um efeito de prisão, de movimentos lentos, a acção dos inimigos poderia ajudar ainda mais, mas tal não acontece, e quando acontece não é da forma esperada. Apenas inimigos como o homem da moto serra, em certas alturas os cães, sub-bosses ou o encontro com gigantescos bosses quebra um pouco essa monotonia. Tudo o resto é um jogo de acção, onde destruição, efeitos pirotécnicos, imensos inimigos e QTE entre as acções, criam um jogo mais dinâmico e real. O equilíbrio entre um jogo de acção e survival horror parece funcionar, tal como dissemos, numa tentativa de agradar a todos.

Salta para os comentários (17)

Sobre o Autor

Jorge Soares

Jorge Soares

EG.pt Master of Puppets  |  eurogamerpt

Sempre ocupado e cheio de trabalho, é ele quem comanda e gere a Eurogamer Portugal. Queixa-se que raramente arranja tempo para jogar, mas quando está mesmo interessado num jogo, lá consegue arranjar uns minutos. Tem mau perder e arranja sempre alguma desculpa para a sua derrota, mas no fundo, é o que todos fazemos.

Conteúdos relacionados

Digital Foundry | Melhores SSD para a PS5 em 2021

As especificações exigidas pela Sony e as nossas unidades recomendadas.

Artigo | Os grandes lançamentos de Agosto

Hades, Ghost of Tsushima, Rims Racing, Psychonauts 2 e mais.

Halo Infinite poderá ter modo Battle Royale

Ficheiro de áudio na beta assim sugere.

Também no site...

Halo Infinite poderá ter modo Battle Royale

Ficheiro de áudio na beta assim sugere.

La casa de papel: Parte 5 - Volume 1 recebe trailer

Primeira parte estreará em Setembro.

Digital Foundry | Melhores SSD para a PS5 em 2021

As especificações exigidas pela Sony e as nossas unidades recomendadas.

Comentários (17)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários