PlayStation Move: Análise da lag do comando

Digital Foundry conta os frames.

Têm sido feitas certas reivindicações sobre o PlayStation Move em termos de latência, ou a chamada lag nos comandos. Quer na GDC, bem como nos eventos para produtores, a Sony colocou a lag do novo comando por movimentos "abaixo de um frame". Informação anterior vinda do pessoal que criou as drivers para PC da câmara PlayStation Eye, indicam também que o mecanismos é de extrema latência baixa: neste caso, foi medido uma latência de um frame - e as hipóteses de podermos ter medido abaixo de um frame seria provavelmente impossível.

Em termos de tecnologia, é difícil argumentar sobre o caso apresentado, quando ambas as fontes oficiais e independentes corroboram uns aos outros tão de perto. Em uso real, no actual software do PlayStation Move, é claro que existe um certo nível de latência.

Os leitores regulares do Digital Foundry saberão que é basicamente inevitável. A criação e o lançamento de um framebuffer em conjunto com a consola provoca lag, e noutras medições (não apenas a nossa), a resposta mais rápida que veio do XMB da PS3, foi indexada em 3 frames, ou 50ms.

Acima disso, é claro, a proliferação de monitores de ecrã plano, significa que temos monitores, onde a latência pode mudar radicalmente, mesmo entre ecrãs feitos pelo mesmo fabricante. Qualquer coisa de entre um atraso de 3 a 5 frames(33ms a 84ms) é bastante comum. Mexendo ainda mais nisto, o PlayStation Move é uma implementação tão precisa, que os fabricantes de jogos poderão sentir a necessidade de facilitar a entrada, reduzindo o tremer natural do jogador, mas, novamente, introduzindo mais latência. Assim, com tudo isso em mente, tentei obter uma ideia sobre o atraso no comando de movimentos da Sony, isto durante a GDC. A chance de experimentar com a demonstração da Sony, realidade aumentada (utilizado pela própria empresa em demonstrar as credenciais da tecnologia do comando), foi provavelmente o melhor teste possível, e, presumivelmente, os ecrãs que a Sony estava a usar, seriam certamente o mais rápidos a nível de consumidor, pois tinha em mente demonstrar o quanto era "preciso", conforme foi mencionado em ambos os eventos da empresa na GDC.

Uma câmara barata Kodak Zi6 foi usada para filmar os procedimentos. É uma câmara normal, mas consegue filmar 60 frames por segundo, tornando-a muito útil para medidas como esta em que a resolução temporal é mais importante que o quantidade de pixeis.

Vale a pena testar a demo da realidade aumentada por um número variado de razões. Primeiramente, o nível de processamento do jogo está nos mínimos. A demo está apenas a indicar o feed da câmara (usada para calcular alguns controlos por movimentos), e cobrir algumas formas 3D simples. Não pensem de forma errada, isto não exige da PS3 o mesmo que Killzone 2 exige.

Embora as medidas de latência exactas não são possíveis nestas condições, ter uma ideia da estimativa do nível de resposta não é grande problema. A metodologia é extremamente simples. Mantenham a vossa mão firme, e depois façam movimentos rápidos com o controlador. Contem os frames entre a movimento da vossa mão, e o movimento a ser realizado no ecrã. Igualmente esclarecedor é parar o vosso movimento de repente, e contar os frames necessários para que o vosso ecrã recupere. Não é 100%, por isso repitam o processo vezes suficientes para que a diferença de frames se torne evidente.

Tendo em conta tudo isto, e reconhecendo que não sabemos quanta latência o ecrã está a adicionar, eu diria que o comando tem cerca de 133ms de lag (tirem ou ponham um frame). Certamente não é a ultra-rápida resposta de jogos como Burnout Paradise ou Modern Warfare, mas razoável para a maioria das aplicações que vocês querem ter neste tipo comando.

Vale a pena relembrar que o próprio comando por movimentos é apenas uma parte das mecânicas no Move. Muitas da mecânicas internas, em conjunto com pressionar os botões, vão ser enviados para a PS3 via conexão Bluetooth: à velocidade da luz e equivalente aos níveis de resposta do Dual Shock 3. Em termos de um teste mais definitivo, um jogo com 60FPS com apoio compreensivo para o Move e o comando tradicional seria interessante...

Salta para os comentários (18)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (18)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários