Metal Gear Solid: Peace Walker • Página 2

Trilhos de guerra para a paz.

Toda a estrutura do jogo é altamente sólida no equilíbrio entre o uso da plataforma e as características que definiram e marcaram a série e provavelmente o único defeito que podemos apontar está ligado à falta de personagens icónicas como adversários. A série Metal Gear Solid sempre nos apresentou personagens altamente memoráveis e cativantes do outro lado da barreira enquanto que Peace Walker opta por nos colocar face a enormes bestas mecânicas, o que pode ser encarado tanto como uma forma de lidar com as limitações da plataforma como também de a adaptar a uma das maiores e mais apetecíveis novidades, o modo cooperativo.

Se por um lado diversas personagens ricas e profundas cada uma com a sua história para conhecer iria forçar a mais diálogos e a mais sequências cinematográficas numa plataforma cujas limitações de espaço não se comparam a plataformas caseiras, o uso de bestas mecânicas está não só ligado ao enredo como também patrocinam e convidam ao uso do modo cooperativo. Big Boss tem agora todo um exército ao seu comando e sempre que quiserem podem entrar em modo cooperativo para encontrar jogadores para em conjunto enfrentar as adversidades. A grande parte das missões pode ser jogada desta forma e muitas delas está mesmo estruturada para que assim seja feito. O nível de dificuldade de algumas a solo pode ser frustrante, especialmente face às já referidas bestas mecânicas. Jogadas ao lado de outros jogadores são momentos na mesma épicos e divertidos. A interactividade e conectividade entre jogadores é um dos maiores apelos do jogo e entre cooperar ou combater contra outros jogadores, podemos ainda trocar itens e até soldados.

3
A nova faceta Metal Gear Solid: o modo cooperativo.

Caso optem, ou sejam forçados a jogar em modo solitário também não vão ter as expectativas defraudadas, bem longe disso. O jogo coloca todos os seus elementos em bela sintonia entre si debaixo de toda uma coesa e intrigante estrutura para que o jogador tenha um apelo ao jogo em mútuo apoio. Se chegarem a uma missão que não conseguem passar, o jogo dá-vos a oportunidade de, como anteriormente referido, jogar missões extra e assim ganhar pontos para permitir novas pesquisas e desta forma ganhar armas/itens que podem ajudar na actual missão. O jogo vai subindo de dificuldade de forma coerente e crescente, dando sempre ao jogador livre controlo de como quer prosseguir, na medida em que se quiser facilitar a experiência vai ter na mesma que a jogar.

4
Um dos jogos mais ricos a nível visual para a PSP.

Peace Walker é sem dúvida alguma um dos produtos mais completos e mais espantosos de ver na PSP. Tecnicamente está entre o que de melhor foi feito até hoje na plataforma e provavelmente muitos vão argumentar que é mesmo o melhor visto na portátil Sony. Visualmente consegue momentos arrebatadores e dentro das suas limitações apresenta um mundo convincente que em nada retira primor às bases qualitativas da série. Este é um pequeno grande Metal Gear Solid em todos os aspectos. A portátil forçou a que os locais estejam divididos em pequenas zonas separadas por ecrãs de carregamento, provavelmente o único problema do jogo, mas alguns podem mesmo ficar gravados na mente do jogador. A isto devemos adicionar as sequências de história que regressam no seu tom de banda desenhada e ainda uma envolvente banda sonora que também ela mantém toda a qualidade a que a série nos habituou.

Com uma experiência a solo digna da série que a alberga, com o modo cooperativo e com o convite à interactividade entre jogadores, com o seu subtil sistema de gestão que nada mais faz do que fornecer à jogabilidade um elemento extra sustentado no argumento, Peace Walker é jogo que pode durar muito para lá das cem horas de jogo, caso assim o queiram. É mesmo extraordinário como o jogo pode deixar vontade de jogar mais e mais e se tiverem amigos, então tudo fica ainda melhor.

Metal Gear Solid: Peace Walker é um pacote altamente completo e recomendado sem reservas não só a fãs das obras de Hideo mas também a qualquer um com uma PSP. O tamanho do que é oferecido é enorme mas sem qualquer vontade de estragar quaisquer surpresas é preferível apenas efectuar um convite e deixar que descubram por vocês próprios o quanto é oferecido aqui. São horas e horas de jogo como raramente visto na plataforma e se são fãs de Metal Gear Solid nem precisam de recomendação.

9 /10

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (32)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

ObrigatórioThe Last of Us: Part 2 review - Quebrar o ciclo

Naughty Dog entrega uma poderosa história.

Minecraft Dungeons review - Diablo cúbico

Um jogo de entrada para o género dos dungeon crawlers.

Também no site...

Comentários (32)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários