God of War II: Divine Retribution

A PlayStation 2 ainda não morreu após a chegada da sua irmã mais nova, e até tem vendido mais que o esperado. Uma causa para isso acontecer é o retorno do vingativo guerreiro espartano Kratos ás origens divinas, na sequela God Of War II: Divine Retribution. Kratos regressa quando este jogo se encontra no seu auge, estando já agendada uma versão PSP (pelos mesmos produtores de Daxter) e o terceiro capítulo para nova geração, estreando-se assim na PS3.

Elevando a consola novamente ao limite, esta nova aventura segue os acontecimentos da primeira com cenários espectaculares, onde as batalhas são fluidas e lindas de se verem, contando também com um enredo fascinante e um motor de jogo simples. God Of War II faz parte do grupo dos favoritos da actualidade, levando os elementos já conhecidos de acção em terceira pessoa a patamares nunca antes vistos.

Recorrendo á história antiga da civilização grega, que está coberta de grandes batalhas vermelhas, amores e paixões traídas, alianças traiçoeiras, muitas conspirações e fantasmas do passado, a equipa por detrás de God of War II usaram isso para elaborar mais um sucesso nos videojogos.

Um dos segredos de God Of War e também uma razão de ser considerado jogo para maiores de 18, não é apenas o sangue e violência nele contido, nem a bruta correspondência aos adversários aquando o combate. Os mini jogos são uma constante, sendo um deles relativo ao sexo, que dará imensas órbitas vermelhas a Kratos. Este está escondido no primeiro nível, logo após o primeiro confronto com o Colosso de Rhodes, que nos envia para longe, destruindo uma cúpula, caindo nós numa casa de banhos/sauna. Nessa zona se destruírem umas placas de privacidade que por lá se encontram antes de seguirem o vosso caminho, poderão se entreter um pouco com duas beldades. Beldades essas que tanto durante o jogo como durante os filmes relativos á narração se encontram normalmente em trajes mínimos.

Kratos luta pela vida numa das maiores batalhas de Esparta. Em derrota iminente, invoca Ares o Deus da Guerra para destruir o exército de bárbaros. Ares concede-lhe assim as Blades of Chaos, lâminas agarradas aos seus braços por correntes a ferver. O espartano torna-se posteriormente seguro de si e destrói todos os seus inimigos, deixando-o cego de poder, sendo levado a liquidar também o seu filho e esposa. Kratos, sedento de vingança, procura a Caixa de Pandora que lhe trará ainda mais poder para vingar os seus e derrotar Ares, tomando o lugar como novo Deus da Guerra. Após estes acontecimentos que são relativos ao primeiro título, Kratos descreve-se um soberano insensato e permanece no seu lugar, enviando e supervisionando o seu exército espartano para conquistar terras e cidades em toda a Grécia, onde os gritos e dilúvios de sangue chegam ao Monte Olimpo, incendiando a cólera de Zeus, seu pai. A deusa Athena tenta avisar previamente Kratos das decisões que a sua sede de sangue e guerra violenta o podem banir do estatuto de Deus, mas este vira-lhe as costas, levando Athena a trair o nosso anti-héroi vitalizando a estátua da entrada no porto da Ilha de Rhodes, onde poderemos sentir uma breve antecipação aos poderes colossais que teremos no final do jogo e muita adrenalina em várias fases de combate diversificado.

Com os poderes de deus ainda consigo Kratos consegue combater o colosso sem problemas, mas sem maneira de o destruir. Zeus, num plano maléfico oferece-lhe a Espada do Olimpo, para onde o nosso personagem terá que enviar todos os seus poderes divinos de forma a conseguir usá-la, tornando-se um simples mortal, satisfazendo os objectivos do pai dos deuses. Após derrotar o Colosso de Rhodes, Zeus desce á Terra e acaba por atacar o guerreiro que desvanece em sangue (e aqui o nosso personagem mexe-se muito lentamente, dando a soberba sensação que não tem forças, cambaleando), acabando por o matar. O sub mundo de Hades tenta recolher o corpo como troféu, mas Gaia, (o espírito da Terra) acaba por o salvar e dá-lhe a hipótese de inverter o passado, indicando-lhe o trilho misterioso até ao Templo das Sisters Of Fate (Irmãs do Destino, que possuem a capacidade de recorrer ao passado/presente/futuro e de alterar o destino de deuses e mortais). Reduzido a mero mortal e sem poderes divinais, o fantasma de Esparta parte para fim incerto seguindo um caminho de mistério. Caminho esse repleto de inimigos como seria de esperar, onde também, armadilhas e puzzles mortais variados serão uma constante até a decisiva luta final contra o pai dos deuses. No final Athena morre a tentar salvar Zeus e Kratos decide usar a os fios que tecem o nosso destino para voltar á altura em que os titãs e deuses se confrontavam e recorrendo a Gaia, transporta estes para o Monte Olimpo, declarando guerra aos deuses, onde deixa antever uma nova sequela fenomenal.

Com os nossos poderes destituídos, há que voltar a ganhá-los e é aqui que entra a jogabilidade. Quem é dono do primeiro jogo, com certeza estará habituado a uma fluidez de combate agradável, onde nem a quantidade de inimigos estraga o prazer de os desmembrar. Com uma mecânica de acção eficaz e mortífera, ansiamos por combates intensos, onde existe um botão para golpes mais fracos, mas rápidos e outro para golpes mais devastadores, que juntando um saltinho aqui ou agarrando um dos nossos adversários ali, nos causas uma sequência de golpes potentes e bonitos de observar. Ao coleccionar as órbitas vermelhas, poderemos elevar esses golpes ainda mais, já que os botões L e R permitem um novo horizonte em matéria de combinações impiedosas.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (1)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários