Dragon Ball: Raging Blast

As bolas do Dragão transformaram-se em pedra.

As series que obtêm enorme êxito, são sempre aproveitadas para outras indústrias, como o cinema, a música, os videojogos ou televisão. Foi exactamente o que aconteceu com a série Dragon Ball, atingindo um enorme sucesso em todo o mundo, sendo transmitido em Portugal nos anos 90 até aos dias de hoje. A série foi fustigada com adaptações para o cinema e videojogos, esta última é sem duvida a que mais lucrou. Mas será isso reflexo de qualidade? Claro que não.

A história de Dragon Ball nos videojogos teve mais baixos do que altos, destacando-se pela positiva a trilogia Budokai. Parecia que tinham encontrado a fórmula secreta, mas estávamos enganados, pois rapidamente voltou às origens. A primeira experiência na nova geração (Dragon Ball Burst Limit), também não foi nada agradável, a pressão era enorme já que a nova tecnologia permitiria criar um jogo diferente, mais apelativo em termos visuais, que em teoria, o tornaria melhor.

Mais uma vez a Namco Bandai aposta num novo jogo, Dragon Ball: Raging Blast, desta vez desenvolvido pela Spike (responsável pela trilogia Tenkaichi). Era esperado um salto qualitativo, a necessidade de apagar certos vestígios de Burst Limit ou começar do zero era ponto certo, mas infelizmente as semelhanças com o seu antecessor são notórias.

1
A minha banda favorita são os Europe.

Dragon Ball: Raging Blast apresenta-se com muitos modos e conteúdos diferentes, na opção “Museum” é possível ver os vídeos gravados dos nossos combates, a enciclopédia de cada uma das 41 personagens e ouvir as músicas do jogo. No modo “Dojo” temos várias opções de treinos, que servem para ensinar movimentos básicos para os iniciados, movimentos de combate e métodos de luta para os intermédios, técnicas alternativas e acções especiais para os avançados. Como é costume, temos à disposição a opção de treino livre, tanto 1 vs 1 como em equipa.

“Ultimate Customize” é de certa forma uma ajuda para a personalização das personagens. Aqui temos acesso ao tipo de técnicas de luta usadas durante os combates, escolher entre os melhores Super Ataques o que melhor se adequa à nossa personagem, preencher os “Deck’s” com itens, que posteriormente ajudarão a aumentar as estatísticas e o nível das personagens. Portanto, podemos melhorar vários pontos, como a defesa, a energia, e aumentar o dano nos inimigos. Podemos deixar pré-definidas em cada lutador nas suas diferentes transformações.

O modo Versus é um velho conhecido neste estilo de jogos, combates de 1vs1 para passar umas boas horas a jogar com os amigos. Como é normal, é possível escolher qualquer personagem que esteja desbloqueada, assim como o cenário. Também temos a opção de lutar em equipa, até 5 jogadores e a opção “Power Battle”, que consiste em formar uma equipa baseada no mesmo nível de força.

2
Algumas das personagens presentes no jogo.

Em World Tournament, há a possibilidade de fazer torneios até 16 jogadores, podendo escolher entre dois cenários onde se irá realizar o torneio. Eles são o cenário da saga Cell e no mítico estádio, onde eram realizados todos os torneios da série. Dá para alterar a quantidade de jogadores, a dificuldade e adicionar requisitos obrigatórios para poder participar no torneio.

Para aqueles que querem perder mais umas horas no jogo, o modo Super Battle Trial é o ideal. Este possui um conjunto de desafios com diferentes objectivos, como “Arcade”, que consiste em derrotar todos os inimigos, o modo “Survival” em que temos de sobreviver ao máximo de combates possíveis, em “Time Attack” a nossa personagem luta contra cinco adversários, sendo contabilizado no final o tempo necessário para os derrubar. “Score Attack” tem como objectivo ganhar o maior número possível de pontos, contra um inimigo invencível. Em “Ko Attack” a nossa personagem tem a energia e o KI infinito, com isso, teremos de derrubar o maior número de inimigos antes do tempo acabar. Estes são alguns dos modos dentro de Super Battle Trail, outros poderão ser desbloqueados, consoante as nossas prestações em este e outros modos.

Conteúdos relacionados

ArtigoAgora é um bom momento para subscrever ao PS Plus

Está em promoção e recebes quatro jogos de uma vez.

Jogos PS4 lançados a partir de Julho também têm de correr na PS5, segundo aviso da Sony aos estúdios

Também recomendou fortemente actualizar jogos existentes para a próxima consola.

Dontnod Entertainment abre novo estúdio

Para trabalhar em novo projecto.

Também no site...

"O número de AAA gigantescos vai diminuir", afirma Kojima

Acredita que jogos vivos serão mais sustentáveis.

Kojima nega estar envolvido num novo Silent Hill

Mas confirma que está a desenvolver novo projecto.

ArtigoAgora é um bom momento para subscrever ao PS Plus

Está em promoção e recebes quatro jogos de uma vez.

Jogos PS4 lançados a partir de Julho também têm de correr na PS5, segundo aviso da Sony aos estúdios

Também recomendou fortemente actualizar jogos existentes para a próxima consola.

Comentários (36)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários