Digital Foundry vs. LittleBigPlanet 2

Toda a história sobre a beta fechada da Sony.

LittleBigPlanet da Media Molecule permanece ainda hoje um jogo assinalável – um título cuja longevidade está completamente a cabo da genialidade e empenho das pessoas que o jogam. Muito após os níveis pré-definidos do jogo estarem completos, LBP continua a encantar e a entreter graças à gigantesca colecção de novíssimos níveis criados pela larga e vibrante comunidade.

No Digital Foundry discutimos muitas vezes as técnicas que os estúdios usam para abordar o equipamento fixo das consolas de actual geração, criar novos propósitos nas plataformas para criar experiências e efeitos que nunca vimos antes. Tal é a flexibilidade do sistema de criação de conteúdos de LBP, vemos designers a fazer coisas similares com o motor de jogo, elaborando novíssimas formas de subverter o sistema de criação de níveis com funcionalidades para lá das imaginações da equipa da Media Molecule quando desenvolveram o jogo.

LittleBigPlanet 2 tem estado a funcionar numa beta fechada há algum tempo, com jornalistas a ganhar acesso aos servidores um pouco depois – uma medida inteligente da SCEE e Media Molecule uma vez que ganhámos instante acesso a um relativo leque recheado de níveis criados por utilizadores em adição à pequena quantidade de níveis providenciados pelos designers do estúdio.

A Eurogamer já colocou um artigo mas o foco da Digital Foundry é diferente. Em adição à nossa habitual análise de performance e qualidade de imagem, o apaixonado jogador de LBP e criador de níveis David Coombes junta-se a nós para nos dar uma apreciação técnica sobre o motor de renderização revisto, assim como uma exposição aprofundada das novas ferramentas de criação.

O desejo da Media Molecule em apoiar os existentes níveis de LBP criados pelos utilizadores também nos dá uma oportunidade única de testar um par de importantes elementos na sequela. Primeiro, a aclamação do estúdio em suportar todos os níveis caseiros do primeiro jogo pode ser colocada debaixo de escrutínio – pode um jogo com tantas diferenças, refinamentos e melhorias na sua tecnologia realmente ser completamente retro-compatível com o jogo antigo?

Em segundo, através da construção dos nossos níveis podemos criar cenários específicos que nos permitem realçar as mudanças e melhorias que a Media Molecule fez à tecnologia de renderização. Já temos uma ideia bem decente dos refinamentos feitos ao motor subjacente neste aspecto, graças à fantástica entrevista tecnológica que levamos a cabo com Alex Evans mesmo antes da E3 deste ano, mas com código nas mãos podemos correr níveis feitos por nós tanto em LBP como na beta, e produzir imagens de comparação entre o velho e novo jogo.

Antes de passarmos a isso, vamos dar o nosso primeiro olhar à performance: para dar uma ideia de como o código se parece, vamos restringir-nos à pequena quantidade de níveis da Media Molecule e apontar os três níveis principais apresentados ao longo deste artigo. Esta beta é interessante na medida em que nos dá a oportunidade de comparar as nossas ferramentas de análise de performance com as do estúdio: no fundo do ecrã, vêem vários pedaços de dados debug, um dos quais é o tempo que leva ao fotograma a renderizar.

LBP2, como o seu predecessor, tem um alvo de rácio de fotogramas a 30FPS, o que se equaciona a 33.33ms do tempo de renderização disponibilizado para cada fotograma se quiser manter o v-sync. Qualquer subida e o jogo "rasga", e se consecutivos fotogramas ultrapassam o orçamento, o tear permanece no ecrã, subindo ou descendo em cascata.

Ter o jogo a dizer-nos exactamente o quão longo o fotograma está a demorar a renderizar é obviamente um pedaço útil de informação para se deter – no entanto, o rácio de fotogramas está fixo nos 30FPS, e isto é reflectido no indicador no ecrã, por isso apenas é útil como uma indicação de quando o motor está a correr acima do orçamento em oposto a nos dar uma visão arredondada de quanto demora um fotograma a renderizar: mesmo uma cena completamente vazia no criador de conteúdos nos dá um tempo de 33ms na mesma.

No entanto, como discutido na entrevista tecnológica, o estúdio favorece um sistema de renderização com custo fixo. Em teoria, por exemplo, não importa o quão complexa é a iluminação, vai demorar o mesmo tempo a gerar. Isto significa que os criadores de níveis – seja a Media Molecule ou os da comunidade de jogadores – podem trabalhar com quaisquer fontes de luz que queiram, por exemplo, e a performance do jogo não vai ser tão fácil de quebrar.

Obviamente, níveis de geometria são um factor que contribuem para um nível de performance do motor, mas a tecnologia LBP2 é bem mais sobre processar pixeis do que é sobre processar vértices, e mesmo aqui sabemos que o processamento de vértices é descarregado do chip gráfico RSX com os SPUs do Cell a fazer o trabalho pesado. A sensação geral é de uma solução elegante e refinada que joga com as forças do equipamento.

Dito isto, é ainda claro, a julgar pela beta, que ainda precisa de ser feita uma boa quantidade de optimização. Se a renderização é consistentemente acima do orçamento podes ter um desanimador screen-tearing, e existem um par de áreas nos níveis da própria Media Molecule onde isto é uma ocorrência frequente. O que é curioso nisso é que no nível espacial na beta, numa cena de máquinas arcada jogáveis pelo jogador ou por Sackbots, a performance baixa bem radicalmente, no entanto a visão está maioritariamente aumentada e não mostra muito conteúdo.

Baseado no que vimos da beta, a performance está praticamente no mesmo campo que o jogo original mas existem muitas, muitas melhorias na qualidade de imagem. A resolução nativa a 720p do primeiro jogo é mantida mas o aliasing é radicalmente reduzido graças à inclusão de anti-aliasing morfológico, ou MLAA. No primeiro leque de imagens que vimos, estava implementado de forma selectiva – mas na beta a cobertura é bem mais impressionante – por exemplo, os fios para agarrar têm agora as suas arestas suavizadas, enquanto antes não tinham. O MLAA é agora parte das ferramentas EDGE disponíveis para todos os estúdios a desenvolver na PS3 e é efectivamente um súbito componente que pode ser adicionado numa tarde de codificação – esperem ver isto em muitos mais títulos, não apenas os da Sony.

Salta para os comentários (9)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (9)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários