Confronto Extra: Sacred 2 Análise de Performance 1080p

Como habitual, o tempo estava contra mim quando compilei o Frente a Frente, e alguns jogos ficaram de fora na pressa de publicar o artigo a tempos respeitáveis. No entanto, Sacred 2 na Xbox 360 e PS3 valeu a pena de pegar e olhar com maior profundidade uma vez que tem a distinção de correr nativamente a 1080p sem truques ou escalamento de resolução. Não só como o consegue em ambas as plataformas.

Tal como acontece, o jogo é essencialmente o mesmo em ambos os sistemas, por isso pensei em concentrar-me no ângulo da resolução para esta particular actualização. O nosso hardware de captura da Digital Foundry tem a distinção única de capturar e comprimir vídeo a 1080p de qualquer consola ou fonte PC até 60 frames por segundo, significando que com um ligeiro ajuste na nossa ferramenta de análise de frame rate, podemos medir a performance na mesma forma que podemos analisar 720p. Em termos desta comparação em particular, a única pequena irritação é que o jogo desafia as minhas hábeis tentativas a obter vídeo exactamente igual, mas neste caso, usámos clips das mesmas áreas com apenas pequenas diferenças, por isso a comparação deverá ser válida.

Se não estão a par da forma como os nossos gráficos funcionam, as linhas de frame rate falam por si próprias. No entanto a ferramenta também pode discernir exactamente que frames estão quebrados e quais não estão. Assim a linha vertical verde indica um frame quebrado na 360, uma azul mostra o mesmo na PS3. Como qualquer um que tenha jogado o jogo vos irá dizer, Sacred 2 tem muito screen tearing. Sendo esse o caso, abrandámos a captura para cerca de 50 por cento da velocidade. O vídeo internet corre a 30FPS, por isso desta forma, conseguem ver todo vídeo de cada respectiva consola, tearing e tudo. Por isso, vamos para a comparação.

Por isso, não existe muito aqui realmente. Baseando nas médias, a PS3 tem menos de um frame por segundo de vantagem, mas isto com o custo de cinco por cento mais frames quebrados. No entanto, a apresentação do jogo é tal que o ângulo de visão amplifica o efeito do tearing. Qualquer vantagem que a 360 tenha é puramente matemática, os cinco por cento não estão nem aqui nem ali - ambas tem um bom aspecto, ou tão mau dependendo da perspectiva, como o outro.

O teste voltou a ser corrido. A mesma rota pelo nível, mas agora a 720p. E adivinhem? Os resultados são quase exactamente os mesmos. Apesar do facto de que as consolas estão a apresentar menos de metade da resolução, a performance é idêntica, incluindo disparidades na quantidade de tearing. Isto é porque os sistemas estão na mesma a renderizar internamente a 1080p antes de descerem e apresentar a 720p nativos. O benefício disto é que é a melhor forma de anti-aliasing que existem, as arestas são suavizadas numa forma que poucas técnicas conseguem igualar.

Infelizmente, significa que a performance em termos de screen-tearing e frames perdidos desaponta. No entanto, Sacred 2 pode ter um aumento de performance se baixarem a resolução para definições standard. Segundo o programador, se corres a 480i/576i/480p/576p na PS3, o jogo decide que não há vantagem em renderizar um enorme framebuffer 1080p e ao invés muda para 720p. As coisas são mais complexas em relação à Xbox 360. Qualquer modo 16:9 abaixo 512 linhas de resolução é na verdade baseado numa resolução 1376x768, enquanto que 4:3 obtém imagens base a 1280x960 com que trabalhar. Por isso os programadores mantém-se com a sua solução AA super-sampling, mesmo em modos SD. Com isso em mente, aqui está um rápido vídeo a mostrar a performance a 480p.

Os resultados falam mesmo por si e certamente nascem de uma experiência de jogo. Mais frames em ambos os sistemas e uma descida significante no tearing na 360 - cerca de cinco por cento de frames quebrados com 35 por cento em resoluções mais elevadas. A PS3 desapontou um pouco, não imensamente diferente da experiência 1080p. Muito surpreendente, e faz-nos questionar se a informação que obtivemos dos programadores foi certeira neste aspecto. O que descobrimos em ambos os sistemas é que independente da resolução, um certo atraso pode afectar a jogabilidade quase aleatoriamente, algo que calculámos dever-se a um factor como o streaming de dados da drive óptica.

No geral, enquanto que o modo 1080p é certamente bem vindo, não podemos deixar de desejar que se múltiplos framebuffers já estivessem codificados nisso poderíamos escolher por nós quais queríamos usar. A evidência aqui sugere que Sacred 2 a correr a 720p nativos na Xbox 360 eliminaria muito do tearing, mas estranhamente, apenas podes ver isto invocando 480p na tua consola. Nos jogos para PC, várias opções estão disponíveis que dão ao jogador o poder de escolher a experiência visual que querem. Na verdade é uma pré-definição. Deveríamos pedir aos programadores o mesmo para uma consola? E deveria a Digital Foundry ser mais revolucionária na performance de jogos em resoluções SD?

Publicidade

Salta para os comentários (0)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

PS5 imaginada por fã e renderizada em 3D

A Sony não revela a consola e os jogadores vão criando as suas versões.

ArtigoXbox Series X - Lançamento, Jogos, Specs, Preço e Funcionalidades

Tudo o que sabemos sobre a próxima consola da Microsoft.

Xbox Series X apresentará 12TF de poder

Permitirá colocar vários jogos em standby.

Trailer de Godfall feito em tempo real in-engine

É um jogo pensado para o cooperativo.

Também no site...

Star Wars Jedi poderá ser o campeão de Natal no Reino Unido

Continua a perseguir Call of Duty e a crescer nas vendas.

PS5 imaginada por fã e renderizada em 3D

A Sony não revela a consola e os jogadores vão criando as suas versões.

Comentários (0)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários