Fallout: New Vegas - Mundo em Movimento

A passagem do tempo do Digital Foundry.

As ruínas da capital mundial do jogo formam a base para a mais recente apresentação de Passagem do Tempo do Digital Foundry. A visão pós-apocalíptica de Nevada de Fallout: New Vegas, as suas muitas e variadas localizações, e ainda claro o seu impressionante ciclo dia/noite foram objectos ideais para os nossos esforços. Em adição a isso, a possibilidade de elaborar uma apresentação a completos 1080p e a 60 fotogramas por segundo, provou ser irresistível.

Infelizmente, como discutimos no nosso recente Confronto, não existem dúvidas que a tecnologia em si está a mostrar a sua idade, as suas fundações a datar ao lançamento em 2006 de The Elder Scrolls IV: Oblivion. Mesmo com as definições PC aumentadas para o máximo absoluto, não existe dúvida que o modelo de iluminação é um pouco duro nos ambientes, texturas são de qualidade relativamente baixa, e a falta de sombras dinâmicas faz o motor parecer positivamente antigo. O motor Gamebryo suporta condições de tempo alteráveis (como visto em Fallout 3) mas New Vegas parece ser um pouco de nota única de uma perspectiva meteorológica. Provavelmente o aspecto mais bizarro do vídeo é a visão um pouco medieval do motor sobre o posicionamento da terra em relação ao sol e à lua...

Apesar do motor envelhecido, o mundo de Fallout: New Vegas é na mesma extremamente impressionante em muitas formas. A implementação conseguida de HDR cria uns nascer e por do sol de aspecto soberbo, e a distância de visão é simplesmente fenomenal. E tal como o jogo em si, o conceito por detrás do mundo é tão importante quanto a tecnologia que lhe dá vida.

Existe uma sensação de quase infinita aventura em New Vegas; onde novas coisas estão para descobrir e à espera onde quer que escolham ir. Fallout 3 fazia-o melhor, mas existe na mesma uma certa sensação de desconforto quando encontras uma referência reconhecível reduzida a destroços e escombros em consequência do apocalipse. Quanto ao mundialmente famoso Strip, não resta muito, e o que permanece é uma pequena, fortemente policiada área para os super ricos, rodeada por bairros preenchidos por aqueles considerados muito pobres para entrar...

Uma visita com a passagem do tempo pelo mundo decadente de Fallout: New Vegas.

Ao produzir o vídeo, decidimos desde logo usar a versão PC do jogo. Enquanto é provavelmente a versão com mais erros de todas as três (a precisar de vários recomeços durante a produção), as suas definições de nível "ultra" produzem uma fidelidade visual bem à frente dos jogos de consola, e ainda claro podemos correr o jogo a 1080p com 8x multi-sampling anti-aliasing para uma fidelidade visual o maior o possível. Como habitualmente, as capturas são feitas a 1FPS, com os resultantes clips acelerados para 60FPS para inserção no sistema de edição. Daí ajustámos o factor da velocidade ainda mais – os clips aqui correm a algo desde 200 por cento a 400 por cento mais rápido dependendo do que tem melhor aspecto.

Usar o PC também significa que podemos fazer uso extensivo da consola in-game. Isto permite-nos passar para modo de câmara livre, ir para qualquer lado no mapa, entrar no modo god e acelerar as coisas o quanto quisermos. Usamos isso praticamente em exclusivo para a Passagem do Tempo em Fallout 3, e enquanto cumpre o trabalho, apenas certos elementos da cena são na verdade acelerados: a cobertura das nuvens não se move, por exemplo. Desta vez quisemos fazer tudo certo. Usamos o factor de tempo acelerado para escolher imagens, mas depois passamos novamente para velocidade normal e capturamos vídeo em tempo real para ter o aspecto correcto para todos os elementos da cena.

Isto por si apresentou outra dificuldade. Os jogos Fallout têm a tendência irritante de mudar para uma câmara "vaidosa" na terceira pessoa após dois minutos de inactividade, mas graças a uma modificação habilidosa da comunidade New Vegas Nexus desactivamos isto, permitindo-nos ter imagens perfeitas, sem interrupções.

Com a edição pronta, o processo de codificação começa. Para o vídeo incorporado nesta página, uma versão inferiorizada a 720p a 30 fotogramas por segundo foi despachada para o back-end da Eurogamer mas em muitas formas é uma versão substancialmente cortada do trabalho original. Para uma melhor qualidade e melhores fotogramas, existe uma versão 720p60, que deve produzir bons resultados no PC, PS3 e Xbox 360. Para aqueles com 532MB de sobra, existe uma codificação 1080p60 de ultra luxo que deve funcionar bem em qualquer PC dual-core rápido, assim como na PlayStation 3 – se bem que recomendaríamos copiar o ficheiro para o disco duro para assegurar que o vídeo corre o mais suave o possível.

Outros jogos na colecção do passar do tempo da Digital Foundry:

Salta para os comentários (1)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (1)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários