Está a Xbox 360 a reter o Kinect?

Culpadas as técnicas com o USB.

Phillip Oliver, o fundador da Blitz Games, diz que os "aspectos técnicos da Xbox" estão a reter o Kinect de providenciar imagens de maior resolução. Falando sobre o novo jogo da Blitz, Yoostar, com a Gamesindustry.biz, Oliver descreve como a Microsoft adicionou zoom digital ao leque de funcionalidades do Kinect uma vez que imagem de completa alta resolução não estava disponível para os próprios estúdios aceder.

"Então o que queríamos fazer era, ao invés de pedir ao jogador para se aproximar da câmara, fazer zoom à câmara para onde eles estavam," explica Oliver, falando sobre como o Yoostar lida com as imagens aproximadas do jogador.

"A câmara Kinect é uma câmara de alta resolução, por isso pedimos mesmo que nos fosse dado acesso à imagem em alta resolução. Mas eles não podem dar a imagem em completa resolução, ao rácio de fotogramas total, por causa da conexão USB 2.0. São apenas os aspectos técnicos da Xbox.

"Então o que dissemos foi, precisamos de aceder a uma secção, um pedaço da imagem e trazer isso numa resolução maior. Efectivamente um zoom digital. O que eles nos deram. Isso é uma excelente funcionalidade. Portanto agora nem precisas mesmo de te colocar a ti mesmo no enquadramento. A câmara pode escolher o pedaço correcto da imagem em alta resolução e fazer zoom ela própria."

Os comentários de Oliver podem obliquamente abordar um dos mais curiosos mistérios técnicos em redor do Kinect. Os hackers usaram o Kinect como interface no seu PC e conseguiram uma resolução completa de 640x480 de ambas as câmaras RGB, e o sensor de profundidade por infra-vermelhos (que eu próprio testei com o driver OpenKinect instalado no meu portátil - descarreguem-na, é muito fixe!). No entanto, as especificações da própria Microsoft dizem que a resolução da imagem de profundidade está limitada a um quarto do que os hackers estão a ter por via das suas próprias experimentações: 320x240. Actualização: o hacker do Kinect Hector Martin confirmou à Digital Foundry completos 640x480 de ambos os sensores a 30FPS por via dos seus drivers, com o sinal de saída na região dos 20MB/s.

A questão é porquê? Uma teoria decente é que enquanto o sensor de profundidade pode formatar numa resolução 640x480, a actual qualidade da resolução do sensor pode ser um pouco mais baixa – vêem muito isto com os sensores CMOS nas chamadas máquinas HD. Downscaling (se lhe podemos chamar isso) a imagem de profundidade pode corrigir isto, guardar dados durante o processo e gravar o processamento da imagem de profundidade para começar: um compromisso que vale a pena para minimizar o uso dos recursos da consola.

No entanto, os comentários de Oliver sobre o USB ser o problema trouxeram à mente um anterior artigo DF: análise da actualização do armazenamento por USB flash que a Microsoft adicionou ao menu Xbox 360. Vimos um limite por volta dos 16MB/s no copiar do disco duro para um equipamento USB, mesmo usando um ultra-rápido SSD como drive alvo. Isto é um a par do PC, onde poderiam esperar que a mesma operação disco duro para flash ultrapassasse pouco acima dos 30MB/s – praticamente o limite "real" do USB 2.0. Uma operação de cópia USB para USB dava-nos os 16MB/s a descer para 10MB/s, talvez sugerindo que a largura de banda das entradas disponíveis é partilhada.

Portanto quando Phillip Oliver fala sobre "aspectos técnicos da Xbox", tens de ponderar se o controlador USB 2.0 da própria Microsoft está a colocar certas quantidades de largura de banda disponível para diferentes propósitos – afinal de contas, em teoria esse único chip tem de lidar com o Kinect, unidades de armazenamento externas (que suportam a instalação de jogos, não se esqueçam), adaptadores Wifi e comandos com fio – tudo ao mesmo tempo. Vai ser também curioso testar se as Xbox 360 tem o mesmo problema de limite de largura de banda nas transferências USB, ou se a arquitectura USB foi melhorada para acomodar o maior número de entradas que a nova unidade tem.

Salta para os comentários (5)

Jogos em destaque neste artigo

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários