The Last of Us Part 2 foi atualizado para a PS5 - e nós testámo-lo

A DF é a primeira com análise do patch de 60fps da Naughty Dog.

The Last of Us Part 2 recebeu finalmente a sua tão esperada atualização para a PlayStation 5, 11 meses desde o lançamento da sequela épica da Naughty Dog na PS4 e Pro. É uma atualização gratuita que assume a forma de um patch de 299MB - versão 1.08 - que atualiza automaticamente a versão PlayStation 4 do jogo, oferecendo aos utilizadores da PS5 a possibilidade de jogar o jogo a 60 fotogramas por segundo. Já temos o patch há uma semana, o que nos permite fazer testes extensivos e voltar a testar o jogo do início ao fim.

É um lançamento interessante: The Last of Us Part 2 é um dos títulos tecnicamente mais ambiciosos lançados para a PlayStation 4 e perguntámo-nos como funcionaria bem este tipo de patch de desempenho. Afinal, não importa como te sentes sobre o jogo, é um feito tecnológico espantoso que namorisca com os limites da sua plataforma original - e era necessário um limite máximo de 30fps para que o seu belo visual pudesse ser reproduzido. Com isto em mente, estávamos curiosos para ver como se sairia na PS5 com o limite da taxa de fotogramas removido. Será que a PS5 pode realmente fixar a 60fps?

The Last of Us Part 2 foi atualizado com jogabilidade de 60fps na PlayStation 5 - e testamos o patch extensivamente.

Ao olhar para esta atualização, destaca-se uma mudança no mercado em comparação com a última geração. Sem nenhum caminho de retrocompatibilidade para jogos PlayStation 3 na PS4, a Naughty Dog renovou extensivamente The Last of Us para a oitava geração de consolas, utilizando o exercício para estabelecer as bases tecnológicas do seu novo motor. The Last of Us Remastered estreou 13 meses após o seu lançamento original, proporcionando sobretudo vantagens em termos de taxa de fotogramas e resolução. Uma geração depois, a mesa vira-se. Resolução adicional já foi entregue através da renovação da consola a meio da geração que a Sony efetuou - a PlayStation 4 Pro - o que significa que a taxa de fotogramas era efetivamente a única grande atualização que restava, sem uma renovação total do motor.

Como não se trata de um relançamento completo ou de uma remasterização, o que a Naughty Dog entregou é uma atualização que se cola ao livro de regras estabelecido com os patches PS5 anteriores de jogos first-party. God of War, Ratchet and Clank, Ghost of Tsushima e Days Gone foram todos pelo mesmo caminho, entregando o conjunto de funcionalidades visuais PlayStation 4 Pro, mas com o frame rate desbloqueado, permitindo um jogo de 60 fotogramas por segundo. Assim, para ser claro, todas as outras configurações relacionadas com o visual do jogo - incluindo a resolução - permanecem exatamente como estavam na Pro, o que significa que continua a ser um jogo 2560x1440 que mantém a aparência sustentada na sua técnica de anti-aliasing temporal, enquanto todos os outros detalhes visuais permanecem idênticos à oferta Pro. Em comparação com os outros patches, há uma pequena alteração: enquanto 60fps é agora o padrão na PS5, uma nova opção de menu permite aos utilizadores trocar de volta para 30fps, se preferirem.

Em termos de quão perto a PlayStation 5 chega a 60fps fixos- digamos apenas que há pouco com que se preocupar aqui. Semelhante a outros títulos de primeira pessoa a correr sob 'retrocompatibilidade', a PS5 é capaz não só de duplicar o desempenho da PS4 Pro, mas em muitos casos ultrapassá-lo. Olhando para trás para TLOU2 correndo na Pro, cenas com muita água podem resvalar abaixo dos 30fps. Nunca foi grande coisa, pois as quedas não duraram muito tempo e não foram excessivamente pronunciadas, mas estavam lá. Sugere que a Naughty Dog chegou aos limites em algumas áreas, por vezes não atingindo bem os seus objetivos de desempenho.

A nossa análise técnica original The Last of Us Part 2, baseada na PS4 Pro, mas não totalmente 'completa' devido às restrições de spoiler em vigor na altura.

Na PlayStation 5, todas essas mesmas áreas funcionam agora completamente bloqueadas a 60 fotogramas por segundo, sem sequer a mínima indicação de qualquer problema. E isso faz sentido. A PS5 apresenta a mesma contagem de unidades de cálculo que a PlayStation 4 Pro e pode voltar ao modo de emulação GCN, desativando efetivamente as vantagens arquitetónicas do RDNA2. Com o GPU a funcionar sem problemas, a PS5 fornece quase 2,5 vezes a potência de computação. Isto é igualado com pouco mais de duas vezes a largura de banda de memória e com base nos resultados vistos aqui e em outros títulos first-party retrocompatíveis da Sony, o resultado final é um aumento mensurável no desempenho de mais de duas vezes.

Só para boa medição, também experimentei um cenário com muitos inimigos e efeitos alfa - já era uns estáveis 30fps no PS4 Pro, mas as exigências são ligeiramente diferentes. É indiscutivelmente mais um teste de largura de banda de memória do que um desafio de computação direta, mas o resultado final é o mesmo: um bloqueio completo de 60fps na PlayStation 5. De facto, ao longo do jogo, captei cerca de oito horas de gravações na PS5. Por mais complexa que fosse a cena, parecia sempre atingir o alvo - com uma exceção.

Vê a imagem abaixo. Nesta sequência de batalha, colocada em cima de um arranha-céus abandonado, numa área específica e inimigos envolventes, uma queda de desempenho encontrada na PlayStation 4 Pro também consegue provocar uma pequena, mas sustentada, queda de frame rate na PS5. É o único exemplo de perda de desempenho que pude encontrar na PS5. É um pouco confuso porque não é totalmente claro o que se está a passar. Esta é uma sequência interessante, mas certamente não é tão visualmente exigente como muitas outras áreas do jogo, nem é tão grande no seu alcance. É apenas este local de construção envolto em nevoeiro. Isto não é mais do que uma descoberta académica, uma vez que parece ser a única sequência que não adere obstinadamente aos 60fps e, mesmo assim, só ocorre nessa posição específica.

perf
60fps sem falhas? Basicamente. Após análise de oito horas de jogo, esta pequena queda é a única que pudemos encontrar. É extremamente sólida.

Portanto, é estável, mas como é que o patch de 60fps melhora a experiência? Em geral, quer estejamos a falar de retrocompatibilidade mais as melhorias do patch, de intervenções ao nível do sistema como o FPS Boost ou de conversões diretas da anterior geração para a atual, o salto de 30fps para 60fps é transformador e em termos de jogo, isso aplica-se igualmente a The Last of Us Part 2. Em particular, achei que fazer mira era muito mais responsivo de uma forma geral. O jogo tem uma sensação moderadamente pesada por defeito a 30 fotogramas por segundo, mas agora é extremamente rápido. A única pequena reclamação é insignificante quando vista em termos globais das coisas: Estou desapontado que a velocidade do obturador para o desfoque do movimento não pareça ter sido ajustado para a taxa de fotogramas mais alta e, como resultado, perde algum do talento cinematográfico que se obtém a 30fps. A solução teria sido adicionar um regulador de velocidade de obturação no menu de opções, o que beneficiaria todas as versões do jogo, pois permitiria tanto aos amantes como aos que odeiam o desfoque do movimento encontrar um ajuste que lhes agradasse.

Tempos de carregamento? São melhorados até certo ponto, mas a natureza relativamente limitada do impulso aqui é a de que este é um lançamento retrocompatível, e não uma aplicação nativa da PlayStation 5. Durante o jogo, The Last of Us Part 2 é basicamente uma experiência contínua e sem interrupções - streaming em fundo, enquanto se joga sem interrupções para carregamento. Mas as cargas iniciais não podem ser mascaradas, e aqui está uma amostra, uma espera de 91 segundos na PS4 Pro reduz-se para 43 segundos na PS5 - pouco mais do dobro da velocidade. É bom ver uma melhoria, mas devido à natureza do código, não pode aceder aos APIs de armazenamento de nível inferior da PS5 que observamos o SSD a funcionar no seu melhor.

Embora o ponto sobre os tempos de carregamento não seja exatamente um game-changing, o impulso ao desempenho é-o sem dúvida e a sua chegada permitiu-me voltar atrás e apreciar o que a Naughty Dog realizou tecnicamente e partilhar convosco esses pensamentos no vídeo acima. Como vês, voltando ao lançamento do jogo, a Naughty Dog foi defensiva em relação aos spoilers e os embargos das análises vieram com limitações no conteúdo que podíamos cobrir. Havia muitas sequências interessantes e marcantes que não podíamos falar - mas agora podemos, assim como testar o patch PS5, a cobertura de hoje também serve para completar a nossa análise técnica original, de certa forma. Em última análise, com a sua atualização para a PS5, The Last of Us Part 2 corre mais suavemente do que nunca e eu gostei de voltar a jogar - simplesmente não há que enganar com o aumento da taxa de fotogramas e o jogo Naughty Dog parece e sente-se melhor do que nunca.

Salta para os comentários (39)

Sobre o Autor

John Linneman

John Linneman

Senior Staff Writer, Digital Foundry  |  dark1x

An American living in Germany, John has been gaming and collecting games since the late 80s. His keen eye for and obsession with high frame-rates have earned him the nickname "The Human FRAPS" in some circles. He’s also responsible for the creation of DF Retro.

Conteúdos relacionados

Também no site...

DICE revela os restantes Especialista de Battlefield 2042

Também esteve atenta ao feedback recebido da beta.

Já podem fazer pré-carregamento de Forza Horizon 5

Jogo ocupa mais de 100GB em todas as plataformas.

Among Us terá versões PlayStation e Xbox em dezembro

Chegará ao Xbox Game Pass no dia de estreia.

Comentários (39)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários