Comparados os modos visuais de Deathloop PS5: qual é a melhor forma de se jogar?

A decomposição das três opções - e o que o rastreio de raios traz para a festa.

A Arkane está de volta - e não é segredo que a Digital Foundry admira enormemente o tipo de experiência de simulação imersiva em que este estúdio é especializado, oferecendo aos jogadores um tipo de jogo orientado por objetivos mas em formato livre, com muitos segredos a desvendar e vários percursos através de cada etapa. A própria mecânica de 'deathloop' faz com que o jogador ''rebobine'' para um tempo anterior na missão cada vez que morre, e após dois 'retrocessos', o nível recomeça com o loadout pré-definido do jogador. É divertido, é rápido, é estimulante para o pensamento, encoraja a experimentação, a descoberta e a narrativa em geral também é excelente. É um jogo que passamos a adorar durante o período de análise e vale bem a pena dar uma espreitadela.

Curiosamente, embora Deathloop possa muito bem ser exclusivo do PC e da PlayStation 5, não está propriamente a quebrar barreiras tecnológicas, e isso não é problema. Para além da estética estilizada e belamente realizada, gostei de algumas das inovações técnicas, nomeadamente os parallax occlusion maps altamente detalhados em texturas do solo, juntamente com a qualidade das animações das armas em primeira pessoa. É também interessante notar que o carregamento do efeito de profundidade de campo visto em Criterion's Black (e nunca mais visto!) está de regresso em Deathloop. No entanto, em última análise, Deathloop é bem sucedido não por causa da sua tecnologia mas sim em termos do seu design de jogo, da sua excelente arte e do sentido de polimento geral.

Alex Battaglia e John Linneman partilham as suas ideias sobre Deathloop e as suas várias opções gráficas.

Em linha com muitos outros títulos da era atual, os utilizadores da PlayStation 5 têm acesso a três modos diferentes de renderização no jogo. Facilmente, a melhor escolha do lote é o modo de desempenho 60fps. Fixar esse alvo requer - talvez inevitavelmente - o uso de escalas de resolução dinâmica, onde a gama típica de DRS tende a estar numa janela de 1296p a 1440p, embora valores mínimos possam descer para 1080p nas cenas mais intensas (as áreas mais básicas parecem atingir um máximo de 1620p). O desempenho foi de facto uns 60fps bloqueados durante a grande maioria do tempo que passei a jogá-lo e as únicas exceções são ligeiras quebras quando interagindo com elementos como portas (não é um problema porque a câmara é estática, mal se nota). É episódico, mas houve uma queda de desempenho de grande intensidade - mas não consegui replicar isto em passagens de jogo subsequentes. Em última análise, 60fps tem claros benefícios de jogabilidade, o nível geral de consistência é excelente e é a minha forma preferida de jogar.

Os dois modos alternativos são opções viáveis mas, na minha opinião, existem problemas associados. Isto começa com o modo de qualidade de imagem que é essencialmente o mesmo de um ponto de vista visual que a alternativa de desempenho, mas mantém uma resolução mínima possível de 1836p, completa com uma taxa de fotogramas desbloqueada. O DRS ainda se encontra em funcionamento, mas 1836p é, de longe, a variável mais comum. Apenas nas cenas mais básicas atinge os 60fps - caso contrário, está nos anos 50 e mesmo nos 40 nas áreas mais movimentadas, o que torna uma experiência insatisfatória e inconsistente. Dito isto, a qualidade de imagem é bastante decente e em condições de sala de estar, passa como uma experiência de 4K totalmente viável. Curiosamente, suspeito que a tecnologia FidelityFX Super Resolution da AMD é utilizada para o aumento em todos os modos - e nos modos de maior resolução, funciona bastante bem.

Modo Desempenho PS5Modo Qualidade Visual PS5
O modo de qualidade visual e o modo de desempenho têm as mesmas características gráficas, resolução de sombra e filtragem anisotrópica.
Modo Desempenho PS5Modo Qualidade Visual PS5
O modo de qualidade visual e modo de desempenho diferem em resolução mínima, 1080p e 1836p, respetivamente.
Modo Qualidade Visual PS5Modo Ray Tracing PS5
As sombras traçadas por raios no modo RT podem melhorar muito cenas como esta, onde o sol está perto do horizonte.
Modo Qualidade Visual PS5Modo Ray Tracing PS5
O ambient occlusion rastreado por raios em modo RT assenta realisticamente objetos onde falta o CACAO padrão AMD.

Finalmente, existe uma opção de traçado de raios a 30fps, onde as sombras do sol em RT e o ambient occlusion são adicionados à composição. Este modo limita o desempenho a 30fps e enquanto o jogo pode atingir o nível de resolução nativa de 4K, o DRS ainda está a ser utilizado e novamente, parece que 1836p pode muito bem ser o valor mínimo. Visualmente, as cenas exteriores em particular parecem totalmente transformadas com os efeitos RT ao ponto de artefactos claros e óbvios com shadow maps padrão em alguns cenários sugerirem que o RT é a forma preferida do programador para experienciar o jogo. O ambient occlusion RT funciona brilhantemente em objetos que estão no terreno dentro do ambiente, enquanto que as alternativas de pós-processamento parecem fazer com que, em vez disso, quase brilhem de forma não natural. O problema com o modo 30fps não é o limite de 30fps em si - mas sim o frame-pacing inconsistente, algo que não vimos nos recentes títulos da Arkane e algo que eu realmente esperaria ver corrigido.

Por fim, Deathloop é um excelente jogo e, na minha opinião, um que funciona melhor na PS5 com o modo de desempenho a 60fps - mas é bom ter múltiplas opções disponíveis, pelo menos. O modo de qualidade de imagem pode muito bem tornar-se vitorioso se e quando a Sony decidir adicionar suporte de taxa de atualização variável à sua consola e enquanto o modo 30fps não atingir o alvo pretendido, não deverá ser muito difícil corrigir os problemas de frame-pacing do jogo.

Para além da versão PlayStation 5, estou também a dar uma vista de olhos à reprodução do jogo para PC e, enquanto ainda estou a recolher dados, noto que parece haver algumas queixas iniciais sobre o desempenho por parte dos jogadores. Como podes imaginar, se uma PS5 sustenta 60fps utilizando uma escala de resolução dinâmica a uma resolução menor do que no PC em ultra , podes imaginar que é um jogo exigente - e até certo ponto é. O desempenho da PS5 em modos não-RT parece escalar em linha com uma Radeon RX 5700 XT ou GeForce RTX 2070 Super, para se ter uma ideia da carga total da GPU. Até que os meus testes estejam completos, eu apenas sugeriria experimentares as configurações e não teres medo de baixar para muito alto ou alto em algumas áreas. Além disso, visar uma taxa de fotogramas definida e utilizar as opções de escalas de resolução dinâmica do jogo também pode melhorar a experiência. Em breve, vou relatar isso com mais profundidade, mas entretanto, para os proprietários da PS5 que queiram Deathloop, é altamente recomendado.

Salta para os comentários (14)

Sobre o Autor

Alex Battaglia

Alex Battaglia

Video Producer, Digital Foundry

Ray-tracing radical, Turok technophile, Crysis cultist and motion-blur menace. When not doing Digital Foundry things, he can be found strolling through Berlin examining the city for rendering artefacts.

Conteúdos relacionados

Anunciado Outcast 2: A New Beginning

Sequela de um clássico de culto para PS5, Xbox Series X|S, e PC.

Atualização para Ghost of Tsushima Director's Cut

Já podes adquirir seda ao mercador no NG+.

Destroy All Humans 2 remake revelado antecipadamente pela Sony

Foi avistado algo curioso antes de desaparecer.

Diretor de Astral Chain trabalha em novo projeto

Mas ainda não está pronto para o revelar.

Também no site...

Destroy All Humans! 2 remake e Outcast 2 são 2 dos 7 jogos anunciados pela THQ Nordic

SpongeBob SquarePants: The Cosmic Shake também foi anunciado.

Anunciado Outcast 2: A New Beginning

Sequela de um clássico de culto para PS5, Xbox Series X|S, e PC.

Forza Horizon 5 não terá demo

A Playground Games confirma.

Comentários (14)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários