MLB The Show 21: testado o primeiro título multiplataforma da PlayStation Studios

PS5, Xbox Series X/S, PS4 Pro e Xbox One X sobre o microscópico.

A 'Sony Interactive Entertainment apresenta'. Já todos vimos aquela transição, caracteres brancos num fundo preto a transitar para uma sequência da marca, culminando na familiar iconografia cruz/quadrado/triângulo/círculo - só que desta vez não se está apenas a manifestar num jogo PlayStation, está também a acontecer na Xbox. Em todas, de facto, da Xbox One à Xbox Series X. Este é o MLB The Show 21, o primeiro lançamento multiplataforma da PlayStation Studios. Já joguei o jogo em três máquinas Xbox e duas PlayStation e os resultados são fascinantes.

A forma como chegámos a esta situação é algo sobre o qual só podemos realmente especular, mas é provável que a própria Major League Baseball - a editora - optou por mover a franquia para a arena multiplataforma. É também provável que seja o mesmo connunto que intermediou o acordo para levar o MLB The Show 21 ao Game Pass no dia de lançamento, o que não só torna este título uma batalha improvável das consolas, mas também um forte contraste nos modelos de negócio que a Sony e a Microsoft optaram. Da minha perspetiva, MLB The Show 21 estava disponível para descarregar em qualquer uma das minhas consolas Microsoft e estava lá apenas como parte da minha subscrição - um par de botões pressionados para descarregar e já estava pronto a jogar. Entretanto, do lado da PlayStation, tive de pagar 75 libras pela versão cross-gen do jogo. Sim, notavelmente, há um prémio de preço de £15 pela compra da SKU que permite o acesso tanto à versão PS4 como à PS5 do jogo. Em termos de valor, o Game Pass sai claramente por cima - particularmente quando se trata de um jogo cross-gen com apenas actualizações relativamente pequenas separando a PS4 Pro e a PlayStation 5.

MLB The Show 21 é um jogo desportivo clássico moderno em muitos aspetos. Não apresenta o tipo de aspeto cinematográfico suavisado dos renderizadores de hoje - visa uma apresentação nítida e impecável, com modelos de personagens altamente detalhados banhados por um pós-processamento eficaz e impressionante. Isso está nas cinemáticas - ou nas 'apresentações' como o jogo lhes chama. A jogabilidade real é mais parca, mas ainda assim adequadamente impressionante. A PlayStation 5 e a Series X apresentam procedimentos com resolução nativa de 2160p e, salvo algumas diferenças muito pequenas (uma ligeira diferença na filtragem seletiva? Um estranho bug de renderização em água numa cena da Series X?) são basicamente idênticos. Para a Series S da Xbox, a resolução cai para 1080p e há algumas provas de que talvez algumas texturas estejam a um nível de detalhe inferior. Mas semelhante à maioria dos títulos desportivos modernos, aqui a paridade é a chave em termos do aspeto e sensação geral do jogo.

MLB The Show 21 testado em consolas PS5, Xbox Series mais as ofertas '4K-enhanced' de última geração - PS4 Pro e Xbox One X.

O que é curioso é como a PlayStation 4 Pro e a Xbox One X se encontram. São muito claramente cortadas do mesmo "tecido" que as suas equivalentes mais modernas. Por defeito, a resolução é mais baixa (1440p) e parte do pós-processamento não é tão necessário. O desempenho não é assim tão bom, mas acontece que as máquinas melhoradas da anterior geração possuem algo que as suas congéneres da próxima geração não possuem - resolução selecionável no jogo. Os utilizadores podem optar por 1080p, 1440p ou mesmo 2160p. É o tipo de opção que na realidade teria sido bom ter também nas máquinas mais recentes, mas está misteriosamente ausente.

Desempenho? Bem, recordemos que este é um título da PlayStation Studios o qual é presumivelmente a sua primeira tentativa num lançamento multiplataforma. Todas as versões funcionam com uma taxa de fotogramas desbloqueada, limitada apenas pela v-sync a 60fps. A ação real dentro do jogo corre a 60fps na PlayStation 5, e é muito parecida na Series X - apenas um pouco menos estável. No entanto, é nas cinemáticas dos jogos (ou antes 'apresentações') que a San Diego Studio empurra os gráficos com muito mais força. Quebras de fotogramas em todas as máquinas e é aqui que vemos que a Series X ocasionalmente iguala a PS5, mas com grandes quebras mais frequentes - cerca de 9-11fps. A Series S a 1080p funciona muito como a Series X, por vezes um pouco mais suave, mas na maioria das vezes, 2-3fps mais lentamente. Em termos de novas consolas então, a ordem geral é bastante clara e bastante previsível, diria eu, quando se está a olhar para um estúdio de transição de desenvolvimento de formato único para multiplataforma pela primeira vez.

É quando olhamos para as máquinas melhoradas da anterior geração que vemos as posições invertidas, mas talvez a vantagem da Xbox One X que se espera ver sobre a PlayStation 4 Pro não seja tão pronunciada como se espera, tendo em conta o diferencial de especificações. As imagens parecem ser totalmente idênticas e a resolução é igualada a 1440p na configuração 'padrão' equilibrada. Mais uma vez, o diferencial pode mudar de acordo com o conteúdo, mas nas 'apresentações' mais desafiantes, a Xbox One X funciona cerca de 5-7fps mais rápido do que o PS4 Pro. A diferença em comparação com as novas consolas é que os segmentos de jogabilidade são consistentemente inferiores a 60fps. Em 50 médios e depois a 40 com uma clara vantegam de Xbox One X. No entanto, está disponível um nivelador: as opções permitem baixar a resolução para 1080p, dando um resultado muito semelhante ao da Xbox Series S - e talvez até um pouco mais consistente nas cenas de pitching e de batimento. É o mais próximo que se pode chegar de uma consistência de 60fps nestes sistemas.

PlayStation 5Xbox Series X
Esta imagem panorâmica confirma 4K nativos em ambos os sistemas. Parecem idênticos - para além de um bug no shader da água na parte superior direita na Series X? Nas outras partes, a água parece bem na consola da Microsoft.
PlayStation 5Xbox Series X
Um jogo idêntico. A cobertura de nuvens ajusta-se dinamicamente, justificando ligeiras mudanças na iluminação. A profundidade do pós-processamento de campo é pesado no GPU - mas é o mesmo em ambos os sistemas.
PlayStation 5Xbox Series X
Mais dessa bela profundidade de campo - e uma oportunidade para verificar a sombra, a relva e a reprodução dos personagens. São idênticos.
PlayStation 5Xbox Series X
O nosso olhar final sobre o MLB The Show 21 na PlayStation 5 e Xbox Series X.
Xbox Series XXbox Series S
Xbox Series S comparada contra a sua irmã mais velha- aqui é um direto 1080p contra 4K nativos.
Xbox Series XXbox Series S
A Series S da Xbox também parece ter aqui texturas de qualidade inferior, como se vê no logótipo do peito. A resolução de sombras também parece um pouco estranha na Series S.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
Aqui a paridade 1440p nas máquinas melhoradas da anterior geração. Este é o modo equilibrado - estão também disponíveis modos mais rápidos (1080p) e mais nítidos (2160p), acelerando ou diminuindo a velocidade do frame rate em conformidade.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
Outro confronto semelhante. A propósito, esses reflexos no capacete são cubemaps - em todos os sistemas. Aqui não há necessidade de ray tracing.

Posso bem acreditar que os teóricos da conspiração estarão a apontar os diferenciais de desempenho entre PS5 e Xbox Series X que estão um pouco em desacordo com as especificações técnicas das consolas, mas o facto de que a Xbox One X é mais suave do que a PS4 Pro, espera-se, sublinha-se que o San Diego Studio deu uma boa tacada às conversões Xbox. Lembre-se, o seu motor foi desenvolvido em hardware PlayStation e quando se trata de consolas Xbox Series, ainda estamos muito cedo na geração - e as ferramentas de desenvolvimento são imaturas, especialmente do lado da Microsoft. A PlayStation 5 tem um suporte para o comando DualSense que não é compatível na Xbox, enquanto que os tempos de carregamento são mais rápidos: um jogo carregado em oito segundos na PS5 contra 12 segundos na Series X. Os tempos iniciais de arranque são também muito rápidos na PS5 mas apenas incrementalmente mais rápidos nas consolas Xbox Series, quando comparadas com a PS4 Pro. O Áudio 3D também é sugerido para a PS5, mas o jogo soa bem em todas as máquinas.

É um confronto fascinante, se não demasiado excitante quando se trata do código do jogo, mas a batalha dos modelos comerciais das consolas é onde as faíscas realmente voam. Não sou fã de basebol, por isso não posso realmente comentar sobre a qualidade da simulação, mas é um no-brainer que o Game Pass veja o título mais amplamente jogado - se tiveres a subscrição, não tens nada a perder se fores ou não adepto do desporto. A Microsoft está certamente a comercializá-lo fortemente, a consciência é elevada e a novidade de jogar um jogo PlayStation numa consola Xbox será convincente. Entretanto, do lado da PlayStation, este é um jogo de preço completo com apelo de nicho discutível - certamente fora dos EUA - e nenhum mecanismo de amostragem real. Cobrar £60 pelo produto certamente não convencerá ninguém que não esteja profundamente investido no jogo a dar-lhe uma oportunidade. Entretanto, cobrar um preço premium por um pacote duplo PS4/PS5 não me agrada quando este é o epítome de um desenvolvimento multiplataforma.

Mas um jogo PlayStation Studios numa consola Microsoft? É estranho e esquisito, semelhante ao tipo de paradoxo lógico tão adorado pelo Capitão Kirk nas suas várias tentativas de desligar supercomputadores megalómanos em Star Trek dos anos 60. Como chegámos a esta situação é provavelmente devido a uma série curiosa e única de eventos e talvez o MLB seja único, mas a minha opinião aqui é que não são realmente especificações ou tecnologia que separam a Sony e a Microsoft. São os modelos de negócio e o software e ficarei fascinado por ver como esta geração avança.

Salta para os comentários (35)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (35)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários