Microsoft Flight Simulator análise tecnológica: uma excelente conversão para a Xbox Series X/S

Uma experiência genuína de próxima geração transcrita de forma brilhante nas consolas.

Microsoft Flight Simulator chegou finalmente às consolas Xbox Series X e Series S - e é simplesmente fantástico. Gostamos de falar de "experiências de próxima geração" na Digital Foundry e isto é algo que está no topo com os melhores. De facto, em muitos aspetos, está simplesmente num patamar muito próprio. Quando foi lançado no PC, descrevemo-lo como o novo Crysis em termos da forma como é capaz de levar o hardware ao limite, pelo que executar com sucesso uma conversão para consola nunca seria fácil, por mais capaz que a consola fosse. Sim, há alguns inconvenientes, mas o que se pode dizer é que a Series X está a proporcionar uma experiência visual de topo em relação ao PC no seu melhor, enquanto a Series S - embora comprometida - é milagrosa de se ver tendo em conta que se trata de uma consola de $299/£249 com constrangimentos de memória elevados.

Mas está lá tudo. Microsoft Flight Simulator dá-te literalmente acesso ao mundo inteiro graças aos seus sistemas únicos geradores do planeta, apoiados pelo streaming a partir da nuvem. A produtora Asobo Studio proporciona visuais incríveis em múltiplas frentes: a renderização do terreno é de primeira classe, a densidade pura das paisagens urbanas continua a ser impressionante enquanto a renderização atmosférica, a simulação de nuvens e as características meteorológicas parecem simplesmente fenomenais. No passado, falámos de como este jogo é desafiante - de facto, incorporámos um vídeo da nossa biblioteca mais abaixo na página sobre o lançamento da RTX 3080, mostrando que mesmo uma das GPUs mais poderosas do planeta não consegue fornecer 4K60, mesmo com as nossas configurações cuidadosamente otimizadas.

John Linneman e Alex Battaglia da Digital Foundry partilham as suas ideias sobre as versões Xbox de Microsoft Flight Simulator.

A Xbox Series X? Certamente em termos de nível geral de detalhe, é comparável a um PC a funcionar em configurações ultra. Em termos de como isto é conseguido, a Asobo Studio faz uma série de pequenos e sensatos ajustes. Microsoft Flight Simulator não é uma experiência arcade, pelo que limitar a taxa de fotogramas a 30fps na sua apresentação padrão faz muito sentido. Equilibra a carga de CPU e GPU, permitindo à Asobo proporcionar uma experiência visual de topo de gama. A saída é de 4K, mas como é o padrão hoje em dia para jogos exigentes, é utilizada a reconstrução temporal: os fotogramas são nativamente renderizados a 1440p, com dados de fotogramas anteriores injetados para aumentar o nível de detalhe. O efeito só é realmente comprometido com objetos em movimento rápido perto da câmara, mas isso não acontece tanto em Flight Simulator. No entanto, pode haver artefactos com aliasing durante o movimento, especialmente em arestas rígidas nos planos à vista da câmara. No entanto, no geral, o espetáculo principal está lá e é bonito.

A Series S é intrigante porque Flight Simulator é uma besta no PC, por isso o conceito é pô-lo a funcionar e ficar com bom aspeto num GPU de quatro teraflops emparelhado com apenas 8GB de memória acessível é um desafio extremo. A resolução é portanto reduzida para 1080p, sem qualquer tipo de reconstrução. É 1080p nativo, com o interface a 1080p mas, tal como a Series X, não há sinais de redimensionamento com resolução dinâmica. Contudo, há a sensação de que a Series S está comprometida noutros aspetos para além da contagem de pixéis e o nível de detalhe é a principal vítima - a distância de desenho é reduzida (a meu ver, mais equivalente ao cenário médio do PC) e, embora o terreno pareça geralmente bom, são as cidades que mais sofrem. Não só a distância de desenho é reduzida, como também o detalhe mais próximo parece mostrar streaming de modelos de menor fidelidade. Continua a ter bom aspeto, a avaliar pelos seus próprios critérios, mas é evidente que houve aqui algum trabalho árduo necessário para que isto funcionasse.

Xbox Series SXbox Series XPC Ultra/4K TAAU (1512p)PC Ultra/4K TAAU (Nativo)
A Xbox Series X funciona internamente a 1440p e tem um nível de detalhe predefinido visualmente semelhante ao ultra do PC.
Xbox Series SXbox Series X
A Xbox Series S funciona a 1080p internamente e também funciona a 1080p.
Xbox Series SXbox Series X
A Xbox Series S reduz o nível de detalhe para edifícios, folhagem, terreno e luzes à distância.
Xbox Series SXbox Series X
A Series S da Xbox mantém nuvens de alta qualidade semelhantes à da Xbox Series X.

Existe então um equilíbrio interessante entre as consolas Xbox Series: a X inclina-se para a reconstrução da imagem à custa da resolução de base, libertando os recursos da GPU para duplicar nos detalhes. Para a Series S, o detalhe é reduzido (talvez necessário tendo em conta as restrições de memória), mas parece uma apresentação completa de 1080p. Na minha opinião, a Asobo fez escolhas sensatas para obter a melhor experiência de Flight Simulator em cada uma das máquinas - mas isto leva a uma disparidade interessante que na realidade favorece a Xbox júnior. Para simplificar, Flight Simulator funciona mais suavemente na Xbox Series S.

Sim, 30fps é o alvo e, para a maioria da experiência, funciona bem em ambas as máquinas. No entanto, as exigências do sistema de streaming tornam-se realmente evidentes na Xbox Series X - empurrando esse nível de detalhe através do sistema coloca exigências adicionais ao CPU e ao armazenamento (ambos muito semelhantes em ambas as consolas Xbox Series). Isto traduz-se em engates e stutter na Xbox Series X quando se entra nas áreas mais densas, particularmente nas paisagens urbanas. Em testes semelhantes, a Xbox Série S - com menos detalhes, lembre-se - passa a voar com o seu limite de 30fps. Também registei quedas de desempenho noutras áreas na Series X onde a S funciona bem: no cockpit de um Boeing 787 Dreamliner, por exemplo. O desempenho é muito bom durante a maioria do tempo, mas na S é inegavelmente mais suave.

Flight Simulator é realmente exigente no PC, tornando as conversões Xbox ainda mais impressionantes. Aqui está o nosso histórico de cobertura mostrando como o jogo desafia a RTX 2080 Ti e até a RTX 3080 - em configurações otimizadas.

No entanto, existem enrugamentos adicionais. Semelhante a A Plague Tale Innocence, existe um modo de desempenho desbloqueado concebido para ecrãs de 120Hz com suporte VRR. Pelo menos no papel, a remoção do limite da taxa de fotogramas traz uma enorme melhoria ao desempenho, com a Series S e a Series X a atingirem rotineiramente 90fps e mesmo um breve período a 120fps - tal como verificado pela monitorização de atualização em tempo real num televisor OLED LG CX. No entanto, a taxa de fotogramas é altamente variável, desde 50fps a 120fps, e embora a melhoria seja clara, serve também para tornar os problemas de stuttering na Series X mais percetíveis (a Series S é globalmente mais consistente). No entanto, vale definitivamente a pena tentar se tiveres os meios para tal.

Críticas? Microsoft Flight Simulator é um jogo para PC no seu todo, e esta é uma conversão sem o tipo de interface simplificada que se poderia querer de um jogo para consolas. Isto começa com uma carga inicial de dois minutos (sim, dois minutos num sistema de próxima geração) e é rapidamente seguido por uma interface bastante desajeitada e pouco intuitiva, obviamente concebida para ser navegada com um rato. Mesmo após o download de cerca de 100GB, não está realmente concluído: visita o Marketplace, vai para a área 'gratuita' e há vários pacotes extra que deves obter. Por um lado, isso é muito download extra mas, por outro, pelo menos tem algum grau de flexibilidade com a pegada de armazenamento do jogo. O carregamento é, sem dúvida, uma chatice, mas é felizmente mitigado pelo Quick Resume, que é precioso neste título, contornando a carga inicial e fazendo-te regressar diretamente ao teu avião.

É talvez irónico que as nossas únicas críticas ao jogo derivem todas do facto de ser fundamentalmente uma conversão do PC - e é difícil ficar demasiado desapontado com isto tendo em conta que jogamos o jogo de PC há mais de um ano e por isso compreendemos como é tributário e desafiante funcionar corretamente. Para que conste, todas as descidas de desempenho que observámos na Series X - até no cockpit do 787 Dreamliner - estão também presentes na versão para PC do jogo, que é como as encontramos em primeiro lugar num jogo desta vasta dimensão! Dito isto, o jogo para PC também foi melhorado com as tão necessárias otimizações de CPU que as propostas da Asobo sugerem que serão transformadoras. Vamos dar seguimento a isso - e partilhar mais nas versões para consola de Flight Simulator - em breve.

Salta para os comentários (46)

Sobre o Autor

Alex Battaglia

Alex Battaglia

Video Producer, Digital Foundry

Ray-tracing radical, Turok technophile, Crysis cultist and motion-blur menace. When not doing Digital Foundry things, he can be found strolling through Berlin examining the city for rendering artefacts.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Destroy All Humans! 2 remake e Outcast 2 são 2 dos 7 jogos anunciados pela THQ Nordic

SpongeBob SquarePants: The Cosmic Shake também foi anunciado.

Anunciado Outcast 2: A New Beginning

Sequela de um clássico de culto para PS5, Xbox Series X|S, e PC.

Forza Horizon 5 não terá demo

A Playground Games confirma.

Comentários (46)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários