Hands-on com a nova consola PlayStation 5 série CFI-1100

Será que a solução de refrigeração mais barata faz alguma diferença?

A recente revisão da série CFI-1100 da PlayStation 5 está agora a fazer o seu caminho para o mercado, trazendo consigo uma onda de controvérsia. Começou com a intrigante notícia de que para além do WiFi revisto e de um novo parafuso para o suporte, o modelo CFI-1100 pesa menos 300g que o original - um puzzle interessante que só poderia ser resolvido com recurso à máquina. O primeiro jornalista a fazer isso foi Austin Evans, cuja desmontagem e análise dá resposta a muitas perguntas, mas levanta outras. Ontem à noite, eu próprio adquiri uma unidade, pelo que posso acrescentar algumas ideias iniciais baseadas nas minhas primeiras horas com a máquina.

O vídeo de Evans merece ser visto porque, independentemente da forma como se vê o desempenho térmico da máquina, pode-se observar exatamente como a Sony mudou o design - e igualmente importante, onde não o fez - e esta é uma informação crucial. Sim, o WiFi tem um aspeto diferente ( a extensão das alterações de desempenho não foi testada), mas a perda de peso de 300g parece resumir-se principalmente a um novo design da refrigeração. Não há "ses" e "mas" - isto é claramente e obviamente um exercício de redução de custos, vindo numa altura em que o detentor da plataforma tem a expectativa de vender milhões de consolas à medida que a época natalícia entra em pleno vigor. O monstruoso cooler do modelo original - que pesa 1639g - é substituído por uma alternativa de 1368g, pelo que essencialmente 277g da redução de peso das 300g é contabilizada com o cooler mais pequeno. O dissipador de calor tem menos tubos de calor (quatro contra seis) e é construído com uma redução global do teor de cobre - o alumínio tem apenas 60 por cento da condutividade térmica do cobre. Há outra alteração interessante no design: o ventilador foi substituído por outro que tem mais lâminas, potencialmente capaz de empurrar mais ar para fora com as mesmas velocidades.

Mas o mais interessante é a evidência em torno do que não mudou, com base nos dados de Evans. O mais importante é que a potência da máquina é muito semelhante ao modelo PS5 de lançamento, num mundo em que as reduções de custos em conjuntos de arrefecimento são normalmente implementadas apenas quando o processador principal é transferido para uma tecnologia de processo mais pequena e mais eficiente. Assim, à primeira vista, há questões a serem respondidas aqui e, fundamentalmente, resume-se ao seguinte: se o chip não é mais fresco e se os requisitos de potência são os mesmos, o que mudou que justifique um corte tão significativo na massa e nos materiais do cooler? É uma pergunta perfeitamente razoável e pedi à Sony que comentasse.

Austin Evans e os seus amigos desmontam a nova PlayStation 5 da série CFI-1100, revelando uma solução de arrefecimento mais pequena e mais consciente dos custos.

O cerne da controvérsia em torno do vídeo de Evans deriva da sua opinião de que a nova PS5 é pior que a antiga - é o seu argumento de que um cooler mais pequeno feito de materiais menos eficientes produz uma máquina mais quente. Não é de modo algum uma teoria estranha quando se olha para as reduções de massa e material, mas a questão de saber se é ou não mais quente não pode ser determinada medindo apenas a saída de calor do exaustor e mesmo que funcione alguns graus mais quente, pode muito bem ainda estar dentro das tolerâncias do fabricante. No vídeo de Evans, houve uma redução muito pequena em ruído do novo modelo, o que parece estar em desacordo com a noção de uma máquina mais quente. Isto pode ser explicado de várias maneiras - primeiro, se a nova máquina estiver a funcionar de forma mais quente, isso é absolutamente correto de acordo com o seu firmware e nada com que se deva preocupar. Afinal de contas, se houvesse um problema de sobreaquecimento, presumir-se-ia que a ventoinha iria acelerar para melhor expelir o calor. Em segundo lugar, a nova ventoinha pode estar a fazer um melhor trabalho de expelir o ar quente e pode simplesmente ser mais silenciosa do que a original. Afinal de contas, é uma parte nova. A teoria final - que é talvez um pouco menos plausível - é que um dissipador de calor mais pequeno baseado em materiais com uma condutividade térmica global mais baixa foi redesenhado de modo a torná-lo mais eficiente.

Foram feitas várias solicitações para testar o perfil térmico interno da nova PS5 em funcionamento, especialmente após testes de Steve Burke do Gamers Nexus no modelo de lançamento terem revelado preocupações sobre como um chip de memória estava a funcionar a temperaturas muito elevadas, sem grandes preocupações no que diz respeito à dissipação térmica. No entanto, as temperaturas no processador principal e nos reguladores de voltagem pareciam boas. No entanto, em última análise, se o chip central estiver a funcionar demasiado quente, seria de esperar que a ventoinha funcionasse mais rápido. Isso aparentemente não aconteceu na unidade de Austin Evans e também não está a acontecer na minha. Há várias horas que estou a correr Control da Remedy na minha própria unidade CFI-1100. No modo ray tracing, o jogo bloqueia a 30fps e no modo de jogo padrão, a PS5 extrai cerca de 170W da parede. No entanto, ao visitar o agora infame Corredor da Perdição - uma área notoriamente pesada do jogo bem conhecida do público do DF - a utilização de energia aumenta para 200W. A entrada no modo de fotografia remove o limite da taxa de 30fps, adicionando ainda mais potência, atingindo um pico de 214W.

Esta é praticamente a mesma potência máxima consumida pela minha PS5 de lançamento, o que sugere fortemente que o processador principal não foi mudado, mas, crucialmente, a acústica da nova consola não se ajustou de todo a qualquer grau percetível nas horas em que a cena tem estado a funcionar com o processador a todo o gás. Se a máquina está ou não mais quente ainda está por testar, mas a lógica sugere que se o novo conjunto de arrefecimento não estivesse à altura da tarefa, a ventoinha estaria a aumentar em velocidade e volume para expelir a acumulação de calor. Isto não parece estar a acontecer - e horas depois, o consumo de energia também continua a ser consistente.

cooler
Fotografia de Austin Evans a mostrar o antigo conjunto de refrigeração da PS5 (esquerda) ao lado da versão simplificada no modelo CFI-1100.

Então, se a PlayStation 5 pode funcionar bem com um cooler mais barato e mais fino, porque é que não foi lançado com ela? Sem notícias da Sony, não podemos dizer ao certo, mas em termos do processo de produção, é importante perceber que quando uma consola chega ao mercado pela primeira vez, os componentes separados da máquina são criados ao mesmo tempo - em paralelo, não em série. À medida que o silício sai da linha de produção, os dissipadores de calor também estão a ser feitos. Ninguém deseja outro anel vermelho ou luz amarela de morte, por isso faz sentido construir uma redundância no design. Há um exemplo documentado disto na Xbox One original da Microsoft - os arquitetos de hardware viram que havia espaço livre na sua solução térmica, pelo que aumentaram os relógios do núcleo do próprio processador. A GPU passou de 800MHz para 854MHz, enquanto a CPU desfrutou de uma subida para 1,75GHz em relação aos 1,6GHz originais. Teria a máquina ficado mais quente? Provavelmente. Teria sido importante? Claramente que não. Talvez com o benefício de maior exposição ao silício de produção e toda a telemetria dos milhões de unidades existentes, a Sony está suficientemente confiante para encolher o cooler e fazer baixar o custo de construção da máquina.

Existem algumas teorias que circulam sobre o potencial de sobreaquecimento que penso que devem ser abordadas. A PlayStation 5 funciona até um limite de potência definido, com os relógios CPU e GPU a moverem-se para cima e para baixo de acordo com os seus requisitos de potência - como divulgado em Mark Cerny's Road to PlayStation 5 no ano passado. Existe a preocupação de que uma PlayStation 5 mais quente possa deixar a máquina incapaz de atingir os relógios mais elevados em comparação com um modelo de lançamento mais fresco do ponto de vista conceptual. Sim, o desempenho no novo modelo deveria ser testado, mas acho extremamente improvável que a nova PS5 tenha um desempenho diferente mesmo que fosse mais quente do que a antiga. Os relógios ajustam-se de acordo com um algoritmo baseado num único processador 'modelo'. A Sony traçou o perfil de como esse único chip funciona sob uma multiplicidade de cargas de trabalho diferentes e aplicou esse algoritmo a cada PlayStation 5 em produção, para assegurar que mesmo que os relógios mudem, o farão de forma idêntica em todos os sistemas existentes. Em suma, o impulso não é controlado pelas temperaturas da PlayStation 5, pelo que o sistema deve funcionar de forma idêntica aos demais.

De acordo com fontes, as novas máquinas são atualmente uma mistura de máquinas CFI-1000 e CFI-1100. Embora as hipóteses de se poder escolher qual delas se obtém sejam cada vez menores, a menos que se vá pelo caminho dos scalpers, há aqui uma potencial janela de oportunidade para obter uma máquina original ou uma mais recente. Neste momento, a nova máquina parece ser muito semelhante à antiga em termos de experiência de utilização efetiva e a Sony tem certamente a confiança necessária para apoiar o novo design - podemos assumir que o CFI-1000 está de saída e dos milhões de PlayStation 5 vendidos no período que antecede o Natal e para o futuro, todos eles serão baseados no novo design. Passaremos mais tempo com a nova máquina e produziremos uma análise completa em devido tempo.

Salta para os comentários (106)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Destroy All Humans! 2 remake e Outcast 2 são 2 dos 7 jogos anunciados pela THQ Nordic

SpongeBob SquarePants: The Cosmic Shake também foi anunciado.

Anunciado Outcast 2: A New Beginning

Sequela de um clássico de culto para PS5, Xbox Series X|S, e PC.

Forza Horizon 5 não terá demo

A Playground Games confirma.

Comentários (106)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários