Upgrade 60fps de God of War para a PS5: o florescimento derradeiro para um jogo incrível

Uma excelente razão para revisitar um clássico da geração anterior.

God of War - a sequela de 2018 para PlayStation 4 - recebeu finalmente um patch para PlayStation 5, e em comum com atualizações semelhantes para Days Gone e Ghost of Tsushima, abre a porta a um jogo clássico que corre a 60 fotogramas por segundo - e em comum com aqueles outros colossos first party da Sony, o impacto é de facto transformador. É quase como a peça final do puzzle: o lançamento original foi extremamente impressionante com os seus gráficos 4K, detalhes extremos, iluminação fenomenal e excelentes performances. Um jogo sem falhas de 60 fotogramas por segundo é o florescimento final de um jogo que levou a PS4 e PS4 Pro aos seus limites.

De facto, antes de falarmos sobre os números do desempenho em bruto, deveríamos provavelmente abordar aquilo a que se poderia chamar a melhoria da qualidade de vida. Ao extrair tanto do silício de geração anterior, o Estúdio Santa Monica, por inadvertência, deparou-se com outra questão - o design de refrigeração da PS4 e PS4 Pro. God of War tornou-se de facto o nosso título de eleição para testar a potência de extração, a acústica e o desempenho térmico do hardware da PlayStation. Sobretudo a nível de ruído, este jogo fez com que as ventoinhas girassem de forma extrema, dependendo de qual a iteração do hardware que se tem. Para além do que está a acontecer com o software, God of War na PS5 é uma experiência muito mais agradável simplesmente porque uma história matizada de perda profunda e paternidade que se joga sem as ventoinhas a correr à velocidade máxima em segundo plano.

E ao regressar a God of War, o que me impressionou foi o quão arriscado este título teria sido para o SIE e para o Estúdio Santa Monica. Uma série de apostas compensam de forma espetacular. Uma série que começou a sua vida como um arcade brawler tecnologicamente avançado com bosses, há aqui uma história genuína e personagens completamente alinhadas. Em comparação, os títulos mais antigos de God of War quase que parecem lendas exageradas. Independentemente disso, o Estúdio Santa Monica seguiu em frente, a história seguiu em frente e talvez o público também tenha seguido em frente.

Um olhar profundo no desempenho de God of War - A PS5 é o centro das atenções, mas também há uma história interessante para contar na PS4 e PS4 Pro.

A questão é que a franquia é revigorada - e não reiniciada. Digo isto porque tudo o que fez de God of War tão épico em prestações anteriores ainda existe em 2018 - os ambientes fantásticos, os animais gigantescos, os combates viscerais, ultraviolentos - e, claro, o estado de arte do Estúdio Santa Monica. Mas enquanto o estúdio avançou claramente, God of War 2018 é um jogo que respeita o seu legado tecnológico ao extrair o máximo da sua geração de hardware de consolas. O patch 1.35 para o jogo é fascinante - os modos 4K e 1080p da versão Pro (visando 30fps e 60fps com diferentes graus de sucesso) desapareceram, substituídos pelos modos diretos a 30fps e 60fps ainda usando a renderização checkerboard a 2160p. Não surpreendentemente, o modo 30fps está totalmente bloqueado do início ao fim, arrumando alguma desaceleração relativamente pequena exibida na PS4 Pro, mas a revelação aqui é quão sólida é a experiência a 60fps.

Colocando desta forma, durante uma hora e 45 minutos de jogo, apenas 33 fotogramas foram perdidos de um total de mais de 378.000 - e esses estavam numa cutscene não jogável. Nem sequer reparei nisso para ser honesto, uma vez que a câmara ao estilo "portátil" utilizada por God of War é, pela sua própria natureza, um pouco inconsistente. Pode-se esperar que a mais pequena queda em desempenho seja noutro lugar dentro da aventura, mas nada que seja provável que se note. Falamos frequentemente de "60 fotogramas por segundo bloqueados", mas há normalmente exceções à regra - God of War é basicamente impecável e combinado com uma apresentação como esta, é uma experiência a não perder.

Days Gone - outro título de colecção PlayStation Plus - também tem uma enorme actualização de 60fps para a PS5.

No entanto, há mais algum tempero na história, na medida em que tem sido realmente possível jogar God of War em checkerboard 4K 60fps desde o primeiro dia de lançamento do hardware da PlayStation 5. Em comum com uma mão cheia de outros jogos - como The Last Guardian, por exemplo - a versão 1.0 do código basicamente já corre com uma taxa de fotogramas desbloqueada. Não é ideal nem na PS4 nem na PS4 Pro, uma vez que basicamente excede os 30fps, e este estilo de apresentação foi remendado num dos patches do dia de lançamento que o Estúdio Santa Monica lançou durante o período de análise. Mas o código da versão em disco ainda o tem, e a PlayStation 5 explora-o, entregando efetivamente o mesmo resultado que se vê com o patch 1,35.

É claro que isso apresentou problemas: se os teus saves vieram de um código posterior, não funcionarão. Além disso, falharam as correções e otimizações que o Estúdio Santa Monica fez para o título pós-lançamento. Ainda assim, a taxa de fotogramas desbloqueados também oferece alguns dados interessantes: podemos comparar com maior precisão a escalabilidade entre os 1080p e o checkerboard 4K nos sistemas PS4 e Pro e o quão bem o programador equilibrou o desempenho em ambas as consolas. Na Pro, também é possível comparar o desempenho 1.0 4K desbloqueado com o modo 1080p 1.35, e obter uma ideia da escalabilidade. Sempre presumi que o modo de desempenho não podia bloquear a 60fps devido a limitações do CPU no hardware da geração anterior, mas a comparação sugere estrangulamentos em toda a linha.

Ghost de Tsushima - sim, 60fps na PS5 e como consequência muito melhorado.

Mas é a experiência PlayStation 5 que toma o centro das atenções aqui e, para o dizer francamente, é fantástica - e de fácil acesso também. Se for proprietário de uma PS5, é provável que seja proprietário do jogo por defeito. God of War junta-se ao igualmente melhorado Days Gone na PlayStation Plus Collection, uma série de jogos que os proprietários da PlayStation 5 recebem como bónus extra se estiverem inscritos no serviço de subscrição da Sony. Ambos os jogos são renovados e revigorados com as suas atualizações de 60fps e, embora não faça parte da mesma coleção, recomendo vivamente que se verifique também o Ghost of Tsushima - é fantástico. É apenas uma pena que The Last Guardian ainda não tenha sido corrigido para 60fps na PS5 - sabemos que é possível, porque o código do disco o faz e o aumento da performance é ainda mais profundo, como já discutimos no passado. Seria ótimo ver este jogo receber uma atualização semelhante, mas realisticamente, temos de aceitar que a transferência de títulos mais antigos para o SDK mais recente nem sempre é tão simples.

E, claro, há o elefante na sala. O que se passa com The Last of Us Part 2? Porque é que o épico da Naughty Dog não recebeu uma atualização semelhante de 60fps? O que podemos dizer com algum grau de certeza é que os outros títulos são razoavelmente fáceis de desbloquear, para lhe dar aquela taxa extra de fotogramas - mas isso não pressupõe que seja tão fácil nos outros jogos. Motores diferentes são arquitetados de formas diferentes. Se olharmos para o esforço que foi feito para pôr Death Stranding a funcionar com taxas de fotogramas elevadas no PC e para as dificuldades encontradas com o Horizon Zero Dawn a fazer o mesmo, é evidente que a simples remoção de um limite de 30fps não garante resultados mágicos. Pergunto-me se a Naughty Dog poderá estar a ir para uma remasterização completa numa veia semelhante à do Marvel's Spider-Man: Remastered - mas tenho a certeza que tudo se tornará claro na plenitude do tempo.

Entretanto, é evidente que revisitar o God of War na PlayStation 5 é uma experiência a ser saboreada e que prepara maravilhosamente o palco para a sequela, aparentemente preparada para lançamento no final deste ano. Se há uma crítica possível que se pode ter com este patch, é que enquanto exerce o poder da PlayStation 5, continua a ser o mesmo jogo com as mesmas características visuais - é um puro erguer da performance. Ragnarok será concebido tendo em mente o hardware - e as perspetivas são de dar água na boca.

Salta para os comentários (26)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Hacker reduz em 70% loadings de GTA Online

Descobre que a lentidão é devida a um único ficheiro.

Novidades no PlayStation Now para Março

inFamous: Second Son, World War Z, Ace Combat 7 e mais.

Reino Unido: stock da PS5 aumenta as vendas dos seus jogos

Miles Morales saltou para o segundo lugar.

Monster Hunter Rise terá versão para PC em 2022

Deixará de ser exclusivo da Switch.

Também no site...

Comentários (26)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários