Control Ultimate Edition - como as consolas de próxima geração transformam um jogo clássico

60fps ou ray tracing, qual deves escolher?

Control da Remedy tem um lugar especial no coração do Digital Foundry. Não só é um dos melhores jogos de 2019, como o motor Northlight revisto é também uma mostra absoluta do estado da arte da tecnologia de renderização, que por acaso também apresenta uma das melhores implementações que já vimos de ray tracing acelerado por hardware. De alguma forma, o criador conseguiu espremer a experiência para o hardware da geração anterior, mas agora os proprietários das consolas de próxima geração conseguem ver Northlight esticar as pernas: Control nas consolas PlayStation 5 e Xbox Series é uma delícia.

Os princípios básicos da atualização já estão aí fora, cortesia do PR da Remedy. Há paridade de características entre a PlayStation 5 e a Xbox Series X na renderização de Control com uma resolução nativa de 1440p, com subamostragem temporal para 4K. Dois modos estão disponíveis - uma experiência de 30fps com reflexões ray tracing (incluindo transparências) juntamente com um modo de desempenho de 60fps sem características RT. Entretanto, a Series S da Xbox não tem características de RT, o que significa um modo de desempenho como padrão que se torna nativo a 900p, com uma saída de 1080p. A escala de resolução dinâmica não é implementada neste jogo.

Mas antes de entrarmos nos pormenores, sinto que é importante recapitular porque é que este é um jogo marcante. Da minha perspectiva, Control foi um vislumbre do futuro da tecnologia de renderização - e mesmo da jogabilidade da próxima geração. Mesmo tendo em conta o ray tracing, Control está a fazer muito nos bastidores. Tomemos o sistema de destruição, onde quase todos os objetos podem ser decompostos nas suas partes constituintes. Depois há a pura riqueza desses objetos em qualquer cena - durante os combates com o sistema da física em pleno efeito é um espetáculo espantoso. Depois há a simulação da renderização de fluidos para o fumo dos Hiss: quando objetos ou inimigos atravessam este fluido semitransparente, há uma turbulência visível - uma dança deslumbrante de cor e ondas.

Tudo o que precisa de saber sobre Control Ultimate Edition, com a PlayStation 5 como nosso foco.

E mesmo sem hardware RT, Control ainda usa uma forma de ray tracing em todos os sistemas: são usados campos de distância para fornecer reflexos grosseiros, mas são reflexos precisos para aumentar o efeito do screen-space padrão. Basicamente, quando os dados do screen-space não estão disponíveis, os reflexos de retrocesso são gerados por uma espécie de vestígios para uma cena de jogo simplificada. Tudo dito, isto é muita tecnologia que não é frequentemente vista em consolas da geração anterior, e nasceu nos sistemas de geração anterior onde a PS4 Pro funcionava a 1080p nativo, enquanto que o One X atingiu os 1440p. Entretanto, houve a sensação de que os núcleos do CPU Jaguar foram empurrados para o ponto de rotura - o desempenho em Control melhorou através de correções, mas a consistência geral continuava a ser um problema.

Nas consolas de próxima geração, a PS5 fornece 1.8x a densidade de pixéis da PS4 Pro e fá-lo com o dobro da taxa de fotogramas ou com a aceleração ray tracing por hardware - uma especificação igualada pela Series X. Haverá muita discussão sobre se jogar com RT ou correr a 60fps, mas Control« é um jogo cheio de ação e requer algumas entradas bastante rápidas por vezes, por isso, para pura jogabilidade, o modo de desempenho vai ser difícil de ultrapassar. Mesmo assim, todos os modos beneficiam de um polimento extra e melhorias na qualidade - os tempos de carregamento são dramaticamente melhorados ao ponto de a PS5 poder mesmo transmitir dados com um toque mais rápido do que um Core i9 10900K emparelhado com um rápido SSD NVMe de 3,5GB/s. É uma melhoria da noite para o dia em comparação com as consolas da geração anterior.

Falaremos especificamente da performance numa peça diferente. Até agora, só tocámos na PS5 com o patch do primeiro dia, mas demos uma vista de olhos às consolas Xbox Series. Na PlayStation 5, o modo 60fps é na sua maioria sólido, com a desaceleração a manifestar-se apenas nos combates com mais efeitos pesados, onde o ecrã é preenchido com efeitos muito pesados. Entretanto, o modo RT com um limite máximo de 30fps é consistente, devidamente enquadrado e adere ao seu alvo para a grande maioria do jogo com apenas pequenos desvios. As consolas Xbox Series são semelhantes, mas ao que parece uma quebra ocasional com stutter das versões da geração anterior (e também no PC) continua presente. Cobriremos isto com mais profundidade numa peça separada com uma análise mais detalhada.

PlayStation 4 ProPlayStation 5 Performance ModePlayStation 5 Graphics ModePC Highest 4K DLSS Quality Mode
As diferenças de resolução são evidentes, assim como os efeitos ray tracing.
PlayStation 4 ProPlayStation 5 Performance ModePlayStation 5 Graphics ModePC Highest 4K DLSS Quality Mode
As diferenças de resolução são evidentes, assim como os efeitos ray tracing.
PlayStation 4 ProPlayStation 5 Performance ModePlayStation 5 Graphics ModePC Highest 4K DLSS Quality Mode
As diferenças de resolução são evidentes, assim como os efeitos ray tracing.
PlayStation 5 Performance ModePlayStation 5 Graphics Mode
Tal como o PC, os reflexões ray tracing podem fazer uma grande diferença no realismo da imagem.
PlayStation 5 Graphics ModeLow Volumetric LightingMedium Volumetric LightingHigh Volumetric Lighting
A PlayStation 5 utiliza geralmente as configurações mais baixas, ou inferiores à versão para PC - presumivelmente para manter a taxa de fotogramas e a resolução elevadas.
PlayStation 5 Graphics ModePC Highest 1440pPC Highest 4K DLSS Quality Mode
A PlayStation 5 está a utilizar reflexos de meia resolução com um comprimento de raio ajustado para poupar no desempenho.

Mas se 60fps é a forma preferida de jogar, o modo RT de 30fps de Control é deslumbrante. A potência RT nas novas consolas não é suficiente para fornecer toda a gama de características ray tracing do PC, mas está a obter o melhor custo benefício com reflexos RT em superfícies opacas - como mármore, metais e qualquer coisa que seja remotamente brilhante - bem como reflexos transparentes para vidro. Sugiro que se olhe para o vídeo no topo da página, para uma decomposição mais detalhada das maravilhosas vantagens que o ray tracing acelerado por hardware em tempo real traz à mesa, mas essencialmente estamos a falar de precisão, precisão e um efeito visual muitas vezes transformador. Em termos simples, a escolha de materiais nos ambientes e objetos de Control, para não mencionar o seu design global, é uma combinação perfeita para a tecnologia. Com melhorias, tanto de noite como de dia, nos detalhes ambientais, até ao mais pequeno dos objetos, o modo RT de 30fps continua a ser uma forma brilhante de jogar o jogo.

A minha parte favorita dos reflexos ray tracing na PS5 é como estabilizam a imagem. Num jogo de perspetiva de terceira pessoa, é realmente comum que o seu modelo de personagem obstrua uma quantidade relativamente grande do ecrã, pelo que os reflexos screen-space já não funcionam corretamente - o personagem simplesmente oculta demasiado da área visível, criando grandes erros visíveis nos efeitos SSR. Com os reflexos RT em modo de qualidade, isto é completamente removido e a imagem é muito mais estável, para além de ser mais realista. No entanto, o limite de 30fps pode ser demasiado para alguns aceitarem, e só posso esperar que uma resolução mais baixa do modo RT de 60fps possa fazer parte dos planos em algum momento no futuro. A descida para 900p na Series S pelo seu modo de desempenho é óbvia, mas é uma troca que poderia estar disposto a fazer se conseguisse recuperar os reflexos RT como parte do compromisso sobre as consolas mais capazes.

No conjunto, penso que Control Ultimate Edition na PlayStation 5 é excelente. Quer ganhe reflexos de RT a 30fps, ou execute o jogo a 60fps, está um passo mais perto da visão que a Remedy quis entregar - e a atualização em relação à geração anterior é profunda. A única forma de a melhorar é através do jogo de PC existente a correr em hardware topo de gama, de preferência com uma placa Nvidia RTX: obtém mais efeitos ray tracing, definições de rasterização de maior precisão e uma das melhores implementações do upscaling da Nvidia DLSS AI, abrindo a porta a 4K 60fps com todos os efeitos RT ativados na RTX 2080 Ti, e RTX 3070 ou melhor. Baixar a resolução e as placas RTX menos capazes ainda podem oferecer uma experiência fantástica.

A nossa amostra original de Control no PC em 2019. Desde então, o DLSS 2.0 melhorou radicalmente a qualidade da imagem ao ponto de a ampliação da IA poder exceder a renderização nativa.

No vídeo no topo desta página, verás como as versões de consola de próxima geração se comparam mais diretamente ao PC, embora a nova versão da consola se baseie numa versão revista do motor Northlight com duas diferenças chave. A primeira está na implementação de ray tracing, em que as consolas utilizam uma resolução checkerboard (apenas para reflexos) em comparação com o nativo no PC. A outra configuração personalizada diz respeito ao nível de distância de detalhe, que funciona de forma diferente na nova versão do motor encontrada na PlayStation 5. Na prática, descobri que esta nova classificação de LOD está tipicamente a produzir um efeito inferior ao da configuração mais baixa do PC. Vale a pena salientar que se trata de coisas bastante menores em termos de apresentação geral.

Em última análise, Control fez uma boa transição para as máquinas da próxima geração. É claramente um grande avanço sobre as versões da geração anterior do jogo - mesmo correndo na PS4 Pro e Xbox One X. Os efeitos de ray tracing são lindos, enquanto que jogar Control a 60fps leva a jogabilidade do jogo a outro nível. É também agradável ver essa transformação suave na experiência entregue em todas as novas máquinas, até mesmo a Xbox Series S. A Remedy mencionou que isto é apenas o início dos seus esforços para abraçar a próxima geração de hardware de consolas e que há muito mais no futuro - e com base no que a equipa conseguiu extrair do hardware da geração anterior, as possibilidades são de dar água na boca. Vamos analisar mais detalhadamente o desempenho do jogo e as comparações entre todos os sistemas da próxima geração, assim que pudermos. No entanto, depois de termos experimentado a versão completa da PlayStation 5, a ideia de que esta excelente conversão está a ser dada gratuitamente com o PlayStation Plus pode muito bem fazer desta uma das melhores ofertas que já vimos do serviço.

Salta para os comentários (37)

Sobre o Autor

Alex Battaglia

Alex Battaglia

Colaborador

Ray-tracing radical, Turok technophile, Crysis cultist and motion-blur menace. When not doing Digital Foundry things, he can be found strolling through Berlin examining the city for rendering artefacts.

Conteúdos relacionados

Days Gone - Eis os requisitos PC

Ecrãs ultra panorâmicos e SSD recomendado.

Horizon Forbidden West chega no final de 2021

Patrão da PlayStation nada diz sobre God of War Ragnarok

Ghost of Tsushima eleito GOTY 2020 nos prémios NAVGTR

A Sony foi a editora com mais premiações.

Também no site...

Anthem Next está morto e enterrado

BioWare foca-se em Dragon Age, Mass Effect e Star Wars: The Old Republic.

Star Wars: The Bad Batch estreará em Maio

A primeira das novas séries Star Wars

Comentários (37)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários