A Plague Tale: Innocence - testado upgrade 60fps - e há um bónus para os possuidores duma Xbox Series

Examinado o suporte escondido de 120Hz para as consolas Microsoft.

À primeira vista, esta análise tecnológica em particular deve ser bastante simples - A Plague Tale: Innocence da Asobo Studio foi um dos grandes êxitos adormecidos de 2019. O motor personalizado que o alimenta proporciona uma experiência simplesmente bela, mas como muitos títulos da anterior geração, foi limitado a 30fps. O patch 'next-gen' atualiza o jogo para 60 fotogramas por segundo, quer se esteja a jogar na PS5 ou em qualquer uma das consolas da Xbox Series - mas o que o produtor não te diz é que as máquinas Microsoft também beneficiam de uma funcionalidade escondida de 120Hz.

Em essência, o projeto de A Plague Tale: Innocence parece ser a última geração da versão Xbox One X do jogo, que era a melhor versão de consola disponível na altura. Esta versão tornou a experiência numa resolução nativa de 1440p, utilizando super-amostragem temporal para fornecer uma apresentação eficaz para ecrãs 4K - e esse é o mesmo objetivo da Asobo com as atualizações para a PS5 e Series X. A partir daí, a Asobo adiciona algumas atualizações adicionais aos visuais, ao mesmo tempo que volta a marcar uma determinada configuração - uma configuração que é a mesma tanto na PlayStation 5 como na Xbox Series X, que são efetivamente permutáveis do ponto de vista visual.

A decomposição em vídeo do Digital Foundry do patch para as novas consolas de A Plague Tale: Innocence.

Falemos primeiro sobre as melhorias adicionais. Sim, a taxa de fotogramas aumenta de 30fps para 60fps, duplicando o feedback visual e baixando a latência de entrada. No entanto, a fluidez adicional é adicionada através da bem-vinda adição de motion blur. O movimento da câmara adiciona agora um desfoque baseado na velocidade - ausente na Xbox One X - com o desfoque de movimento independente por objeto adicionado à composição. E como uma vantagem, ajuda a disfarçar os artefactos fantasmas da sua técnica TAA, trabalhando bem com a estética cinzenta e enevoada de A Plague Tale. Neste caso, o Motion blur é facilmente colocado na lista das minhas preferências - o único ponto negativo é que não há alternância para o desligar, o que pode frustrar alguns. Por falar em pós-processamento, o jogo também tem uma forma particularmente intensa de aberração cromática, mas existe uma opção de regulação, que eu pessoalmente recomendaria utilizar.

Outras melhorias nas versões PS5 e Series X incluem mapas de sombras de grau superior com contornos mais claros e definidos. Além disso, o ambient occlusion é subtilmente melhorado, adicionando áreas mais definidas de sombra própria em peças de joalharia do personagem, argolas para o cabelo e muito mais. É um sombreado mais intenso para a Series X e PS5, e certamente uma configuração mais elevada do que a que a Xbox One X conseguiria atingir. A única desvantagem aqui é que o sombreamento screen-space - e os reflexos também - não utilizam um método preciso para desenhar cada efeito. Verá lacunas claras, onde o sombreado ou os reflexos se desfazem em direção às bordas do ecrã. É uma característica esperada do SSAO e dos reflexos screen-space, mas é um traço que se destaca dado o padrão destas técnicas hoje em dia. Ainda assim - as sombras e o ambient occlusion são melhorados para a PS5 e para a Series X.

A área onde a Xbox One X é superior é na distância de desenho da relva, onde encontramos tanto a PS5 como a Series X um notável downgrade. É mais óbvio nas cutscenes, mas estende-se também à jogabilidade. A razão pela qual isto acontece é desconhecida. Talvez seja um esquecimento, mas talvez fosse necessário assegurar um bloqueio mais apertado a 60 fotogramas por segundo. A outra alternativa é que as configurações de base utilizadas são de facto derivadas e construídas a partir das consolas de base da anterior geração. É tudo hipotético, mas é o que é: a relva é mais cheia e mais rica na Xbox mais antiga, que por sua vez falha no motion blur de grau superior, sombras e ambient occlusion da PS5 e da Series X.

A nossa análise original do jogo no PC e nas consolas da anterior geração.

A Series S da Xbox também visa 60 fotogramas por segundo, mas fá-lo a partir de um ponto de partida nativo de 900p, que mais uma vez utiliza a supersamostragem temporal para aumentar para 1080p. Isto dá-lhe uma imagem muito mais suave como resultado, mas mantém o bonito desfoque do movimento. No entanto, outros elementos são sacrificados: os parâmetros de distância de desenho têm um pequeno impacto, enquanto o ambient occlusion e shadow maps estão mais a par com o jogo da anterior geração. A Series S continua a ter um ótimo aspeto, independentemente. Seria difícil encontrar problemas nos seus próprios termos.

Desempenho? A principal vantagem é que, em todas as três novas consolas, estão a ser anunciados 60 fotogramas por segundo para a grande maioria da experiência. No entanto, a forma como os 60fps são alcançados parece variar. Em todas as plataformas, pode haver quedas - por vezes acompanhadas de screen-tearing e outras vezes não. Não há um "vencedor" absoluto entre a Series X e a PlayStation 5. Algumas cenas irão deixar escapar fotogramas num dos sistema, mas não no outro - e vice versa. A Series S é ligeiramente menos consistente do que as suas colegas estáveis, mas o upgrade da taxa de fotogramas faz o trabalho como pretendido.

Mas o que fazer com o suporte de 120Hz do jogo nas máquinas Xbox? Há a sensação de que talvez não seja intencional e pode muito bem ser um lapso ou mesmo um bug - não foi de todo divulgado, mas o facto é que é uma vantagem para os proprietários de consolas Xbox. Inicializa o jogo com 120Hz definido no dashboard e o frame-rate é desbloqueado tanto na Series S como na Series X. Num ecrã padrão de 120Hz, apresenta-se como um jogo de PC com o v-sync desligado com o renderizador a correr sem problemas, tornando-se na sua essência uma espécie de referência. Infelizmente, isto significa que o screen-tearing está sempre presente. No entanto, se tiver uma taxa de atualização variável (VRR), o tearing desaparece e a apresentação é muito melhorada como resultado. O VRR é um modo obrigatório para a utilização deste modo.

perf
O jogo que funciona a 120Hz VRR nas consolas Xbox Series.

Observando o jogo a correr desbloqueado, obtém-se uma ideia da margem disponível para além dos 60fps. Nas áreas mais densas, como a floresta na missão tutorial, o jogo atinge os 65-70fps na Series X, com a Series S a correr um pouco mais lentamente. No entanto, outras áreas interiores do jogo atingiram 90fps, com o desempenho a deslocar-se a cima de 100fps em áreas menos exigentes. É um pequeno bónus interessante (e graças a GAMEKOD3 por chamar a nossa atenção) e assumindo que não está corrigido, será um teste interessante a que voltaremos nos próximos anos, quando partirmos do princípio de que aparecerá novo hardware Xbox.

Finalmente, devemos falar sobre os tempos de carregamento - e é uma boa notícia para todas as máquinas testadas. Um nível que leva 58 segundos a carregar na Xbox One X é completado em pouco mais de 15 segundos em todas as três novas consolas. Portanto, sim, o armazenamento mais rápido do SSD conta realmente para um grande salto neste caso - embora, mais uma vez, o jogo flui no mundo sem problemas depois desse ponto, por isso não é como se o carregamento fosse um grande estrangulamento nas últimas edições do título.

No entanto, em última análise, é ótimo ter A Plague Tale: Innocence de volta nesta forma recentemente revista. Atualmente é gratuito para assinantes do PlayStation Plus, e está também disponível no Xbox Game Pass - o que significa que há muitas maneiras de aceder facilmente ao jogo. A cereja no topo do bolo? Se já o possuir, a atualização 60fps é gratuita - e esta excelente atualização é uma desculpa tão boa como qualquer outra para revisitar um jogo fantástico.

Salta para os comentários (7)

Sobre o Autor

Thomas Morgan

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry  |  cataferal

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.

Conteúdos relacionados

A criação do mundo aberto imersivo em Horizon Forbidden West

Guerrilla Games aposta num realismo em constante evolução.

Lançamento de Uncharted: Legacy of Thieves Collection para breve

Já foi classificado pela Entertainment Software Rating Board.

Godfall Challenger Edition gratuito na Epic Games Store

É a mesma versão do PlayStation Plus.

Eis os jogos Xbox Live Gold para dezembro

Atualizado: confirmado oficialmente.

Os grandes lançamentos de Dezembro nos videojogos

Halo Infinite, Solar Ash, The Gunk e mais.

Também no site...

Os melhores jogos para oferecer este Natal a quem tem uma PS5

Estás com dúvidas em qual comprar? Nós ajudamos.

Netflix mostra pequeno teaser da série Resident Evil

Cerberus é a estrela desta pequena amostra.

Novas informações sobre BioShock 4

Das profundezas até às nuvens, para aterrar na Antártica.

Cristiano Ronaldo eleito como um dos melhores da Champions em FUT22

Os melhores da Fase de Grupos chegam ao jogo.

Comentários (7)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários