Assassin's Creed Valhalla PS5 vs Xbox Series X - qual aguenta melhor os 60fps?

E o que se passa na Xbox Series S?

Para muitos, esta é a mais importante comparação de nova geração. O novo Assassin's Creed é um jogo enorme, de natureza cross-gen, mas aparentemente construído parcialmente com as novas consolas em mente. Valhalla também representa uma mudança na série pois é a primeira vez que um novo jogo da série chega às consolas com os 60fps como alvo, pelo menos na PlayStation 5 e Xbox Series X, com diferentes níveis de sucesso. A Ubisoft Montreal quer paridade total entre as novas consolas da Sony e Microsoft, mas quando divergem, os resultados são inesperados.

O Anvil Next recebeu melhorias, mas dá a ideia que muita da mudança na estética de Valhalla provém do lado artístico. Isto pode pegar nas forças do motor, uma proporção suficientemente grande do orçamento de renderização é gasto no sistema de nuvens volumétricas e existem paisagens espetaculares. A inclusão de terreno invernoso também mostra a introdução de deformação na neve, similar ao que vimos em Horizon Zero Dawn: Frozen Wilds. O motor continua a providenciar paisagens lindas como vimos desde a mudança feita com Origins, mas esperamos que as densas cidades de Unity possam regressar ao transitar para a nova geração. Uma funcionalidade extra que nos deixou contentes, motion blur por objeto estreai-se em Assassin's Creed.

Primeiro, antes de passarmos para o evento Series X vs PS5, vamos falar da Series S. Falaremos de diversos problemas Xbox neste artigo, mas a versão Series S de Valhalla está numa posição complicada. O marketing da Microsoft coloca a Series S como uma Xbox de menor resolução que, de resto, deve espelhar a experiência Xbox Series X, mas o principal corte aqui é a descida dos 60fps para 30fps, colocando-a ao lado das versões de anterior geração. Além disso, a resolução é bem elástica, opera de 1188p até 1656p, ficando frequentemente a 1296p e apresenta reduções na resolução das sombras, nível de detalhe para árvores e terreno. É um jogo que se joga na perfeição, mas não tem todas as funcionalidades como esperarias. A Series S pode acompanhar bem em termos de resolução, mas o corte nas funcionalidades e rácio de fotogramas é uma desilusão.

O Digital Foundry fala da sua experiencia com Valhalla.

As diferenças na constituição dos visuais desaparecem ao passar para a PS5 e Xbox Series X, onde a Ubisoft desejava paridade total e consegue-o. Após diversos testes, nada separa as duas em termos de renderização. As transições no nível de detalhe dos personagens, a distância da tecelagem e árvores e terreno é idêntica, enquanto a resolução das sombras é basicamente a mesma. Não encontramos diferenças em cenários lado a lado e quaisquer variações que possam ter sido noticiadas estão relacionadas com a hora do dia, que muda dramaticamente a iluminação de acordo com a posição do sol ou até a sua ausência, durante a noite.

As duas consolas premium usam resolução dinâmica. A medida mais baixa registada foi 1440p (67% de 4K nativa em cada eixo) enquanto a máxima foi 1728p (80% de 4K nativa) em quase todos os casos. Medir as resoluções em cenas iguais produziu os mesmos resultados nas duas consolas. Falamos recentemente sobre como o número de pixels deixaram de importar, mas esta observação assenta até certo ponto no uso de técnicas modernas de reconstrução temporal. Aqui é usado algo que parece igual ao que foi usado em Origins em 2017 e começa a mostrar a ideia, especialmente porque a apresentação conta com muito mais vegetação do que os jogos anteriores.

Similar à nossa primeira comparação Series X vs PS5, temos paridade de funcionalidades e a performance volta a fazer a diferença. Com Devil May Cry 5, a Series X desfrutou de uma pequena vantagem na maioria dos modos de renderização, ficando aquém da PS5 no modo 120Hz. Em Valhalla, existe apenas um modo e o alvo são os 60fps. Apesar de existirem problemas nas duas consolas, a Series X tem pior performance. Para contextualizar, Valhalla tem como alvo os 60fps, mas quando o motor passa por dificuldades e não pode renderizar um novo fotograma dentro do alvo de 16.7ms, apresentará um novo fotograma quando estiver pronto, enquanto o teu ecrã está a atualizar. Ambas as consolas podem ter problemas nisto, especialmente nas cutscenes e ocasionalmente no gameplay. No entanto, a PS5 fica muito mais perto dos 60fps durante mais tempo, enquanto a Series X pode ter dificuldades. No pior, vimos a PS5 com uma vantagem de 15% na performance sobre a consola da Microsoft em cenas iguais.

Xbox Series SXbox Series XPlayStation 5
O alvo na Xbox Series X e PS5 é 60fps e passa muito tempo entre 1440p-1728p nas cutscenes. A series S corre a 30fps com resoluções entre 1296p-1440p.
Xbox Series SXbox Series XPlayStation 5
Cenas mais calmas conseguem correr em resoluções superiores em todas as consolas.
Xbox Series SXbox Series XPlayStation 5
O nível de transição do detalhe no terreno é inferior na Series S, significando mais pop-in.
Xbox Series SXbox Series XPlayStation 5
A resolução das sombras é inferior na Series S e não existem grandes diferenças entre as consolas premium.

Consoante mais jogos têm os 60fps como alvo no período cross-gen e não aguentam o alvo, assistimos ao regresso da screen-tearing, algo que desapareceu nas consolas de anterior geração. Isto não é bem vindo para ser honesto e é por isso que a variable refresh rate é algo tão bom. Testamos Valhalla com a VRR ativada num ecrã LG CX e o tearing desaparece, a apresentação fica fluída, a consola controla quando o ecrã entrega um novo fotograma e isto é revolucionário, especialmente neste jogo. A omissão de VRR na PS5 é uma desilusão, não apenas em Valhalla, mas noutros jogos como DiRT 5.

Além da performance, é nítido que Valhalla precisa de muito trabalho, especialmente nas consolas Xbox. Encontramos muitos bugs e gargalos estranhos na performance ao jogar nas consolas Series, também notamos que o movimento da câmara não atualiza de forma linear ao rácio de fotogramas nas cutscenes, significando soluços feios mesmo quando o motor corre a 60fps. Outros bugs incluem NPCs que rodam no mesmo sítio, o primeiro golpe com o machado que não é registado e tropas viking congeladas no barco na primeira raid, exigindo reiniciar.

Assassin's Creed Valhalla está num ponto estranho, corre a 60fps na PS5, mas com tearing incomodativo. Talvez sejam necessários ajustes na resolução dinâmica, descer abaixo de 1440p é preferível ao screen-tearing. Também existem problemas na Xbox que precisam de correção, o ritmo dos fotogramas nas cutscenes e as bizarras quedas na performance são uma desilusão. Também gostaríamos de ter um modo 60fps na Series S, mesmo que signifique baixar a resolução. O maior triunfo da série foi passar para 60fps na nova geração e ter isso fora da Series S não está à altura dos lemas da consola.

Claro que temos de ser pacientes com os criadores de jogos que tiveram de trabalhar com condições de desenvolvimento e hardware que é novo, enquanto lidam com desafios sem precedentes causados pela pandemia. A ideia é que um projeto tão vasto quanto Valhalla, presente em tantas plataformas, ser possível nestas condições é espantoso. Dito isto, esperamos que nas próximas semanas sejam apresentadas correções e polimentos à performance.

Salta para os comentários (186)

Sobre o Autor

Alex Battaglia

Alex Battaglia

Colaborador

Ray-tracing radical, Turok technophile, Crysis cultist and motion-blur menace. When not doing Digital Foundry things, he can be found strolling through Berlin examining the city for rendering artefacts.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (186)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários