Existem duas formas de encarar a versão Switch de Saints Row: The Third. Da perspectiva de copo meio cheio, tens uma conversão extremamente aproximada do original na PS3, ainda mais se jogares em modo portátil. Mas da perspectiva de copo meio vazio, todas as falhas das versões de anterior geração estão aqui presentes: vamos ser directos, a performance é má e os controlos sofrem com grande latência.

Vamos ao positivo. Jogar Saints Row: The Third em modo portátil é a melhor forma de o jogar. Corre a 720p nativa - uma experiência nítida no ecrã da Switch, enquanto a performance parece ser mais consistente do que na dock. O ecrã mais pequeno ajuda a esconder alguns dos cortes e compromissos e tens aqui a versão PS3 nas tuas mãos. O jogo sempre foi divertido e cómico, a principal razão pela qual estávamos ansiosos com o port Switch e de recebermos tantos pedidos para o analisar.

Muito do charme desaparece ao jogar na dock pois apesar de converter Saints Row: The Third para 1080p nativa, parece ser demasiado para o hardware mobile da Switch. Numa grande TV, a resolução extra é bem-vinda, mas qualquer uso de efeitos alpha transparentes revela arestas serrilhadas e feias - um sinal da presença de buffers numa resolução inferior. Estes efeitos já tinham recebido cortes nas consolas de anterior geração, mas aqui são ainda mais pronunciados. Também existe um forte impacto na performance: quando o rácio de fotogramas desce a sensação é pior do que em modo portátil.

Isto leva-nos à maior desilusão - não foi corrigido um dos piores problemas do original: o rácio de fotogramas. O histórico do jogo é problemático neste aspecto. A versão Xbox 360 corria de forma relativamente consistente, mas sofria com horrível screen-tearing. Podias forçar a v-sync para remover o tearing, mas os tempos de fotograma pioravam. Na altura do lançamento original, não existia forma satisfatória de o jogar nas consolas - apenas a versão PC conseguia uma performance fluída.

Tudo o que precisas saber de Saints Row: The Third na Nintendo Switch

Saints Row: The Third sempre correu nas consolas com um rácio de fotogramas desbloqueado, o que significa que correr o original na Xbox One mostra uma grande melhoria na performance, sem tearing. Correr o jogo na Xbox One X mostra rácios de fotogramas entre 50 e 60fps, com ocasionais quedas para 40s. Não é o ideal, mas é uma grande melhoria sobre as outras consolas, mas o PC continua a ser a versão indicada para o revisitar.

Na Switch, a combinação de rácio de fotogramas desbloqueado com quedas para baixos 20s produz uma experiência aterradora - ilustrada perfeitamente no início, onde enfrentas diversas set-pieces onde o refrescamento pode passar de slideshow para quase 60fps, dependendo da câmara. Em modo portátil, parece mais consistente, talvez porque 50% do poder GPU é usado para 44% dos pixeis que serão renderizados na dock. Usar uma Switch modificada, onde podes aumentar o poder da CPU em 75% e a largura de banda da memória da GPU em 20%, não tivemos resultados muito melhores. Os buffers de menor resolução podem sugerir uma experiência dependente da largura de banda.

Está a caminho uma actualização, que pode ou não melhorar a performance, mas qualquer melhoria sobre os piores momentos será bem-vinda. Dito isto, melhorar a latência nos comandos também é crucial. Os analógicos são muito pesados e tiros na cabeça são muito difíceis de conseguir. Os mesmos testes nas mesmas situações na versão PS3 revelam uma melhor resposta. De momento, para conseguires melhorias na Switch tens de aumentar a sensibilidade horizontal e vertical dos analógicos até 100% - mesmo assim, fica pior que no original.

A má resposta dos comandos e rácios de fotogramas inconsistentes significa que é menos divertido jogar aqui do que nas consolas de anterior geração e existe a sensação que esta conversão não cumpre. Existe uma melhoria na resolução na dock, mas pouco diferencia esta versão das anteriores - tirando os ajustes nas sombras e buffers alpha de menor resolução, tem o mesmo aspecto. Mesmo o pop-in surge tal como na versão PS3. Não é uma coisa necessariamente má num jogo estilizado como este, mas corrigir os problemas das versões originais é a principal razão para um port destes existir

É uma desilusão. Especialmente porque converter Saints Row: The Third para a Switch foi uma escolha inspirada da Deep Silver - o original é muito divertido, mas as versões de consola falharam em termos tecnológicos. Baseado no que vimos nas conversões de outros jogos de anterior geração para a Switch, esperávamos uma grande melhoria, mas tivemos a mesma experiência comprometida com problemas adicionais, quase oito anos depois. Será que é possível corrigir estes problemas numa actualização? Espero que sim, mas no entretanto, jogar a versão PC ou na Xbox One é o recomendado.

Publicidade

Sobre o Autor

John Linneman

John Linneman

Staff Writer, Digital Foundry

An American living in Germany, John has been gaming and collecting games since the late 80s. His keen eye for and obsession with high frame-rates have earned him the nickname "The Human FRAPS" in some circles. He’s also responsible for the creation of DF Retro.