Está quase na hora de regressar a Lordran. Já vimos várias áreas de Dark Souls Remaster, mas apenas uma interessa para a performance: Blighttown.

Conhecida pela sua terrível performance, até agora não havia sido possível testá-la. Esta área é castigadora e difícil de navegar, mesmo sem o rácio de fotogramas aos soluços. Desde portas de madeira, elevadores, escadas, vespas venenosas, golems que atiram pedras e até um pântano tóxico. Tudo isto lidado com uma abordagem tentativa e erro, mas terrível performance tornava tudo pior.

Todas aquelas estruturas - especialmente o complexo sistema de elevadores - afectavam imenso o rácio de fotogramas. Em 2011, foi impossível passar ao lado da sua capacidade para correr a 15fps - um valor baixíssimo, causado pelo cenário. Esta área foi tão duramente criticada na Xbox 360 e PS3 que a From Software até pediu desculpas pela performance do jogo.

Combinado com o alto nível de dificuldade, era muito difícil navegar por lá, mesmo na Xbox One X via retro-compatibilidade, a performance era pobre. No PC, com a versão Prepare to Die, Blighttown melhora imenso, mas consegue passar por problemas mesmo em CPUs modernas com o rácio de fotogramas desbloqueado. Mesmo um monstro como a 1950X da AMD não consegue 60fps em Blightown.

Eis a prova em vídeo - Blighttown na PS4 e PS4 Pro... a 60fps fixos.

Blighttown foi corrigida em Dark Souls Remaster e podemos provar. Tivemos acesso uma cópia do jogo para a PS4 e apesar de não podemos mostrar muito, esse cenário a correr numa PS4 base corre a 60fps perfeitos. Apesar do novo modelo de iluminação, oclusão ambiental, efeitos actualizados e 1080p, a PS4 consegue correr a 60fps. Os problemas no ritmo de fotogramas também foram resolvidos.

A PS4 Pro corre o jogo sem problemas. Mesmo a 1800p, não existem sinais de momentos exigentes aqui e tens o mesmo: 60fps a todo o tempo, excepto numa única queda de um fotograma. Depois de passar aqui a 15fps na Xbox 360, não temos queixas agora. Blighttown corre lindamente nas duas consolas PS4 e isto deixa boas indicações para a performance na Xbox One X - a única preocupação poderá ser a Xbox One base, mas no teste de rede não vimos problemas de maior.

Blighttown foi finalmente corrigida e não vimos compromissos para o conseguir. Em termos visuais, não existem contra-partidas; o pântano, inimigos e tudo o resto correm na PS4 tal como na Xbox 360 na altura do original. O nível de detalhe era ambicioso para a anterior geração e ficas com a sensação que a From Software não aceitou compromissos. O trabalho dos shaders na superfície do pântano está presente e os pontos de luz para as lâmpadas surgem no início do local. A optimização nas consolas PS4 é a grande novidade. A performance a 60fps é a maior vantagem do remaster.

Teremos de esperar pelo lançamento de Dark Souls Remaster para mais análises - quando chega a actualização de lançamento, mas já podemos dizer que o maior problema de Dark Souls desapareceu completamente - pelo menos nas consolas PlayStation, os problemas de performance em Blighttown desapareceram.

Publicidade

Sobre o Autor

Thomas Morgan

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.

Mais artigos pelo Thomas Morgan

Comentários (10)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Demon's Souls Remaster é possível, mas nas condições certas

Mas teria de ser feito por outro estúdio e com luz verde da Sony.

Square Enix regista o termo "HD-2D" usado em Octopath Traveler

Será que teremos mais jogos neste estilo visual?

A Switch foi a consola mais vendida em França em 2018

Mais de 2 milhões de unidades vendidas.

Far Cry: New Dawn aprofundou os elementos RPG

A Ubisoft reforçou a aposta nesta vertente.