Zelda na Switch é mais suave em modo portátil

Será que os visuais se aguentam quando comparados com o modo dock?

Uma obra de mestre e uma estreia brilhante para a Nintendo Switch, The Legend of Zelda: Breath of the Wild também é um belo esforço técnico, mas e a sua performance? Devido à falta de código até agora, ainda estamos a começar a cobertura à versão Wii U, mas a análise à versão Switch é fascinante. Mostra-nos como um título de topo se adapta entre as configurações mobile e dock e os resultados são surpreendentes.

Uma potencial série de diferenciais surgiu num vídeo da GameXplain na semana passada - o comentador nota que a performance portátil é mais suave do que na dock. No entanto, os observadores repararam que as sequências capturadas da portátil pareciam revelar um modelo de iluminação simplificado e mudanças nas sombras. Será que a Nintendo trocou funcionalidades visuais para acomodar os relógios GPU reduzidos da Switch?

Comparar a experiência da Switch na dock com a gravação do ecrã não é fácil. De momento, não há forma de capturar directamente do ecrã mobile, por isso sim - na nossa comparação estamos a usar uma câmara. No entanto, para imagens comparativas, usamos a ferramenta de captura de imagens da Switch para extrair imagens de maior qualidade (nota para a Nintendo: seria bom ter uma opção PNG, a compressão JPEG é uma treta). Comparámos estas imagens com as capturas 1080p da saída HDMI. As imagens internas tiradas na dock são convertidas para 720p, mesmo se o jogo operar numa resolução superior. Zelda corre a 900p quando jogas numa HDTV.

Em termos de performance, é desde logo aparente a olho nu que Zelda na dock soluça em locais que não acontece em mobile - e para confirmar isto, contamos manualmente os fotogramas a olho baseado nas nossas capturas da câmara para assegurar a eficácia na produção do teste de performance em baixo. É mesmo fácil isolar este problema pois ocorre frequentemente no mundo aberto desde o início do jogo. Em alguns locais vemos 30fps suaves enquanto na dock baixa para 20fps por breves instantes - confirmando a implementação de uma v-sync de duplo buffer.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild varia entre as configurações portátil e dock.

Os soluços são breves, o que remove a possibilidade da renderização GPU ser a causa - pois o conteúdo no ecrã não muda. Isto levanta a questão - se for um problema CPU, por que é que temos sequer estes problemas uma vez que sabemos que as velocidades da CPU em dock e portátil são ambas de 1020MHz? Algo a ter em conta é que, apesar de existir um grande salto no relógio GPU ao passar de dock para mobile, não existe grande diferença na largura de banda da memória entre os dois modos.

É apenas uma teoria, mas faz sentido perante a informação disponível. Seguindo a matemática, em dock aumentamos o número de pixeis de 720p para 900p, o que equivale a 56% de resolução. No entanto, a largura de banda da memória cresce apenas em 20%, de 1331MHz para 1600MHz. A largura de banda é partilhada entre o CPU e GPU, por isso a resolução superior no modo consola pode estar a roubar largura de banda da memória aos núcleos do processador principal, tornando mais susceptível abrandamentos quando a CPU está debaixo de carga. As preocupações com a largura de banda também podem explicar o porquê da resolução não se converter mais em linha com o diferencial na velocidade dos relógios (307.2MHz ou 384MHz portátil, 768MHz na dock). Se queres jogar Zelda: Breath of the Wild com o mínimo de quedas na performance, terás de jogar em modo mobile.

Além da performance, existe pouco a separar a experiência visual. Sim, o jogo corre numa resolução superior na dock, mas a apresentação no ecrã de 6.2 polegadas a 720p é linda. As métricas pixel por polegada podem não impressionar de acordo com os padrões dos smartphones, mas é suficiente para assegurar que a falta de anti-aliasing não é problema, especialmente porque o jogo corre na resolução nativa do ecrã. Zelda tem um aspecto nítido e preciso na portátil, enquanto no ecrã da HDTV são realçados os aspectos menos impressionantes da qualidade de imagem do jogo.

No entanto, ao jogar na dock uma melhoria visual é destacada: o filtro de texturas não é bom, mas está claramente superior ao da versão portátil, gerando detalhe adicional no chão mais distante do jogador. Vais notar diferença fora das imagens lado a lado? Dificilmente. Reduzir a acção para o ecrã de 6.2 torna a diferença praticamente imperceptível. A melhoria manifesta-se como um conjunto de detalhe adicional nas texturas logo à frente de Link.

De resto, a experiência é idêntica. A Nintendo poderia ajustar as definições para acomodar os relógios GPU mais lentos do modo portátil, mas não é preciso. A iluminação é igual, as transições de nível de detalhe e pop-in são iguais, tal como a qualidade das sombras. No geral, as expectativas da performance da Switch são invertidas ao olhar para o código final - esperávamos downgrades na execução mobile devido ao poder GPU inferior, mas na verdade é no formato portátil que encontramos a experiência mais suave.

E as questões iniciais do downgrade visual? Vamos atribuir isso à natureza das imagens capturas por uma câmara e a diferenças na hora do dia. A análise de imagens lado a lado revela que a Nintendo conseguiu um trabalho magnífico para assegurar uma experiência consistente. Visualmente, Zelda: Breath of the Wild é o mesmo jogo onde quer que o jogues, e a este respeito, o conceito da Switch - uma experiência caseira que podes jogar em qualquer lado - é validado. Apenas lamentamos que ao jogar na dock sejam introduzidos problemas na performance, algo que não era esperado.

E onde fica a versão Wii U? É uma questão importante pois muitos querem saber se ficam com a sua Wii U e jogam nela o jogo, ou se compram uma Switch caso a versão da anterior geração não estiver em condições. Vamos partilhar mais informações assim que pudermos.

Publicidade

Salta para os comentários (17)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (17)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários