Mario + Rabbids Kingdom Battle é um título sensacional. Além de ser um brilhante jogo de estratégia, também é uma amostra da tecnologia na Nintendo Switch, concebido com o Snowdrop Engine - a fundação do jogo The Division. Certamente é uma das transições de motor mais fascinantes mas segundo a Ubisoft, um dos seus lemas é o conceito de trabalhar de forma mais inteligente - fazer as coisas melhor e não maior.

A combinação da Switch com o Snowdrop é potente, apoiada pela fantástica direcção de arte e fortes conceitos gameplay da Ubisoft. Baseado no que já vimos da tecnologia, o motor da Massive demonstra um nível de flexibilidade similar ao Unreal ou Unity, claramente capaz de dar vida a vários tipos de jogos. Além de Mario + Rabbids Kingdom Battle, o próximo jogo de South Park usa esta tecnologia.

O motor é capaz de se adaptar muito bem: The Division permanece como um dos jogos mais espantosos em termos visuais, demonstrando o que o motor pode fazer para obter uma estética mais realista. É uma amostra impressionante, capaz de puxar pelos PCs mais poderosos, mas Mario + Rabbids Kingdom Battle é algo totalmente diferente. É um jogo que procura capturar um aspecto cartoon pré-renderizado, o par perfeito para um jogo Mario.

A eficácia do trabalho da Ubisoft para apresentar a sua visão é tanta que diríamos que nenhum outro estúdio Ocidental conseguiu capturar com tanta perfeição a essência visual de Mario. Desde o foco suave, a perspectiva isométrica, as adoráveis animações, é lindo e fica como um dos jogos de melhor aspecto na Switch.

Análise em vídeo a Mario + Rabbids Kingdom Battle - um dos mais belos jogos da Switch.

Mas existem compromissos. Na dock, Mario + Rabbids Kingdom Battle corre a 1600x900, enquanto em modo portátil corre a 1066x600. Felizmente, o défice na resolução é compensado com boa anti-aliasin - uma área em que a Nintendo habitualmente falha (vejam Mario Kart 8 Deluxe por exemplo). Mario + Rabbids Kingdom Battle é um jogo de aspecto menos nítido mas as arestas são limpas, o uso de campo de profundidade melhora a qualidade de imagem. Em modo portátil, é ainda mais difícil perceber se está a correr a 720p - o estilo de arte, pós-processamento e o ecrã mais pequeno ajudam.

A maioria da experiência é vista de cima, numa perspectiva isométrica, o jogo dividido entre exploração e segmentos de estratégia. Durante a exploração, o campo de profundidade funciona ao lado de um sistema de câmara livre, dando a impressão de espreitar para um diorama de Mario. Nas batalhas, a câmara muda para um sistema de quatro pontos, que te permite rodar 90 graus de cada vez.

O primeiro mundo está repleto de lagos cristalinos enquanto sombras das nuvens se espalham. Olha de perto e verás muitos detalhes numa escala pequena - um adorável shader de revela é usado para dar maior profundidade a uma superfície achatada. Complementado por texturas de alta resolução que se aguentam bem ao perto e um lindíssimo shader de água que se sente a nova geração do oceano de Mario Sunshine. Mais tarde verás uma enorme estrutura que dá uma sensação incrível de escala. Mais tarde ainda, encontrarás um deserto e mais. Tudo com muito bom aspecto.

É fascinante examinar como o mundo foi construído - contámos os pixeis para determinar a resolução e isso foi difícil em Mario + Rabbids - os artistas esforçaram para esconder as arestas em serra que precisámos para contar, dando a apresentação de um mundo suave..

No todo, Mario + Rabbids é uma boa amostra do motor e destaca o talento dos artistas. É um jogo muito bonito e a performance está a par disso. Os 60fps teriam sido fantásticos, mas pelo menos a apresentação é geralmente estável. Sim, temos 30fps. O ritmo de fotogramas está correcto no geral e o alvo também. Não é perfeito pois existem momentos em que surgem slowdowns perceptíveis. Mas não é um jogo de acção, não afecta o gameplay.

Os tempos de carregamento também merecem elogios - rápidos e raros. Elemento muito importante - cada mundo é enorme e permite aos jogadores transitar entre batalha e exploração sem interrupções. Quando surge um carregamento, é um interlúdio com uma animação, sem a sensação que o gameplay foi cortado.

É bom ver este jogo sair-se tão bem depois do longo período de desenvolvimento. O conceito foi apresentado a Shigeru Miyamoto em 2014 e ficou apaixonado pela ideia de construir um novo estilo de Mario que a Nintendo nunca havia tentado. Considerando o tempo, ficamos a pensar se não começou como um jogo Wii U e como seria essa versão.

Esta versão Switch é excelente e recomendada. Um jogo lindo e com performance estável, mapas enormes e loadings rápidos. Também é perfeito para jogar em qualquer lado. A Ubisoft acertou em cheio. Depois temos o Snowdrop em si. Os estúdios da Ubisoft desenvolveram vários motores, mas o Snowdrop é m destaque e persiste como um dos mais fortes.

Sobre o Autor

John Linneman

John Linneman

Staff Writer, Digital Foundry

An American living in Germany, John has been gaming and collecting games since the late 80s. His keen eye for and obsession with high frame-rates have earned him the nickname "The Human FRAPS" in some circles. He’s also responsible for the creation of DF Retro.

Mais artigos pelo John Linneman

Comentários (3)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados