Digital Foundry - Call of Duty: WW2 na Xbox One X e PS4 Pro?

Uma primeira análise.

Todos os anos chega um novo Call of Duty, a série que mantém a dedicação aos 60 fotogramas por segundo e o resultado do trabalho milagroso de alguns dos engenheiros mais talentosos da indústria, que inserem mais efeitos e funcionalidades em apenas 16.7ms do que qualquer outro. Baseado no que vimos, Call of Duty WW2 pode erguer-se com orgulho ao lado do milagre de tecnologia que foi Infinite Warfare. Com a excepção de alguns pequenos problemas, é mais um jogo lindo que mais uma vez leva a série mais além sem comprometer os 60fps.

Este é o primeiro olhar a Call of Duty WW2, com ênfase nas consolas premium - a PlayStation 4 Pro e a Xbox One X. O nosso foco foi para a campanha, onde a série Call of Duty é de natureza linear e permite aos programadores gerir recursos e aumentar as definições. É aqui que os jogos Call of Duty geralmente mais impressionam, mas está num mundo à parte do multi-jogador mais livre.

Ainda assim, é fascinante ver a estética do jogo e as principais melhorias na tecnologia reflectidas na ambição da série por um cenário mais realista. A iluminação em Call of Duty WW2 está muito acima do que vimos anteriormente, o motor COD (ou pelo menos a versão da Sledgehammer) oferece uma bela apresentação HDR pela primeira vez. O realismo também se aplica aos materiais, que se encaixam na perfeição nas cenas. Também existe um renovado foco na renderização de personagens: WW2 apresenta personalidades fantásticos, com shaders de pele muito bem feitos e animações excelentes.

Existe a sensação que a Sledghammer poderá ter-se afastado um pouco da abordagem super-densa em pós-processamento que vimos em Infinite Warfare - a grainha foi reduzida - mas ainda existe a sensação que o estúdio quer um aspecto cinematográfico. Tal como em muitos jogos recentes, o jogo emprega uma forte componente temporal na anti-aliasing, significando que o nível de detalhe super-rico associado a jogos a correr com renderização nativa está ausente. Podes dizer que a apresentação não é tão nítida quanto poderia, mas poderias dizer o mesmo de um filme ou série de TV. Estas técnicas representam o futuro da estética dos videojogos, quer gostes ou não.

Primeiro olhar a Call of Duty WW2, comparado na Pro e Xbox One X.

Por extensão - isso torna a contagem de pixeis - processo que necessita de arestas geométricas achatadas - muito difícil de alcançar. Tal como outros jogos que usam anti-aliasing temporal, a diferença entre a X e a Pro está na clareza. A X renderiza mais pixeis na maioria do tempo, isto manifesta-se como detalhe adicional na imagem. Não é revolucionário - as coisas simplesmente têm um aspecto mais limpo na maioria do tempo.

Acreditamos que WW2 emprega uma resolução dinâmica nas duas consolas, o mais baixo registado foi 1920x2160 e o mais alto 3840x2160 nativa. Sem surpresas, é a X que fica mais perto da ponta superior dessa escala e os vestígios presentes na conversão horizontal (perceptível nas duas consolas) são mais óbvios na Pro. Se é uma contra-partida da checkerboard ou resultado da conversão temporal ainda não sabemos, mas acreditamos que é preciso analisar melhor a forma como WW2 faz a passagem final para 2160p.

As imagens em baixo dão uma boa ideia da apresentação do jogo - não terás um jogo super-limpo e para sermos justos, a Sledgehammer nunca quis isso - mas a Xbox One X oferece mais detalhe e menos problemas de conversão de resolução. Também existem alguns extra. O detalhe das sombras está altamente filtrado nas duas consolas, mas existe uma maior definição na X. A oclusão ambiental é mais subtil e parece estar melhor na consola da Microsoft.

Xbox One XPlayStation 4 Pro
Ambas as consolas apresentam resolução dinâmica. A Pro fica frequentemente a 1920x2160, enquanto a Xbox One X geralmente corre a 3840x2160. A qualidade de imagem é menos nítida na Pro, mas a TAA cria uma apresentação boa nas duas consolas.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
No entanto, a resolução horizontal desce em algumas cenas na Xbox One X, ficando similar à Pro. Esta cena parece um pouco mais refinada na Pro, por exemplo.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
A qualidade de imagem é afectada por um efeito dithering em toda a cena. Os vestígios são mais pronunciados na Pro, talvez devido à resolução inferior. Olha para a parede ao fundo à direita.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
As sombras de maior resolução na X asseguram-se que estes elementos estão mais definidos. A consola da Microsoft parece empregar uma oclusão ambientam mais refinada.
Xbox One XPlayStation 4 Pro
Os efeitos estão iguais entre as duas consolas, muitas explosões cheias de alpha e efeitos pós-processamento fixes, como motion blur e campo de profundidade.

Call of Duty WW2 fica fantástico num ecrã 4K e as recompensa visuais ainda melhores na Xbox One X, mas não de uma forma dramática. Em termos da métrica mais importante de todas - a performance - as duas consolas conseguem resultados praticamente iguais. O gameplay característico a 60fps está praticamente fixo em todos os testes. A estratégia de adaptar a resolução recompensou imenso, sem sugestões de perdas no rácio de fotogramas em qualquer uma das consolas em momentos mais intensos para a GPU. Call of Duty WW2 corre os seus momentos mais intensos e cutscenes sem impacto nos 60fps.

No entanto, a performance não é perfeita, existem ocasionais soluços. Não parecem ser causados pelos gráficos (o conversor dinâmico não se ajusta nestes momentos) e onde acontecem, sugere problemas no streaming em segundo plano.

Para tornar os níveis maiores e para reduzir os tempos de carregamento, os dados são enviados e descomprimidos em segundo plano. Em muitos jogos, isto causa pausas momentâneas - em Call of Duty WW2 acontece com frequência na Pro e Xbox One X. É uma mancha numa performance perfeita, que esperamos ver corrigida pelo estúdio.

Existe muito para elogiar em Call of Duty WW2. Em termos da sua tecnologia, fica a sensação que os estúdios continuam a elevar os padrões, sendo fascinante ver a tecnologia tão intimamente ligada ao design de cada projecto. As botas estão mesmo de volta ao chão, acompanhadas por uma maior camada de realismo e um design de motor refinado que procura entregar uma versão 'de volta às raízes' que os fãs pediam. Vamos passar mais tempo com o jogo - queremos ver como as consolas premium se comparam com o PC - e teremos mais em breve. Por enquanto, parece existir um consenso entre os motores triple-A. Anti-aliasing e super-sampling com um forte foco temporal é o futuro, oferecendo claras vantagens a projectos multi-plataforma no momento de serem convertidos para várias plataformas.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários