Assassin's Creed Origins na Xbox One X: podem as third-parties chegar aos 4K?

A Ubisoft deixa os jogos falar por si.

A Xbox One X tem muito para prover até ao lançamento, a 7 de novembro. Forza 7 demonstra lindamente como jogos first-party a 1080p podem ficar quando convertidos para resoluções ultra HD, mas e os exigentes jogos third-party, que geralmente correm a 900p na Xbox One normal? Assassin's Creed Origins - demonstrado na conferência da Microsoft na E3 - apresenta evidências que uma linda apresentação 4K não está fora das possibilidades. Tivemos acesso a ficheiros 4K cristalinos do segmento gameplay, e mesmo debaixo de escrutínio, Origins aguenta-se bem.

No entanto, para uma máquina promovida para jogos a 'verdadeira 4K', há quem diga que o jogo fica aquém do esperado, a Ubisoft utiliza renderização checkerboard e resolução dinâmica para construir o framebuffer 2160p. Mas essas métricas não nos dizem tudo. Em movimento, as arestas parecem mais nítidas como estariam a 4K nativa em toda a imagem, mesmo ao perto a qualidade de imagem passa por uma apresentação nativa. Somente quando olhas de perto para o detalhe das texturas é que se torna evidente uma leve suavidade - tal como em outros jogos 2160p checkerboard que já vimos, como Horizon Zero Dawn e Days Gone. A integridade da imagem é sólida, apenas com pequenos artefactos em torno de objectos que se movem rapidamente - fácil de ver em imagens paradas ampliadas para 300% mas virtualmente impossível de detectar durante gameplay numa TV 4K.

Conclusão - Assassin's Creed Origins pode não ser um jogo a nativa 'verdadeira 4K' mas não importa. Tem um aspecto fantástico num ecrã 4K e se utiliza resolução dinâmica para estabilizar a performance, não encontrámos nada que comprometa demasiado a imagem. A sério, retiramos algumas imagens para a contagens de pixeis e encontramos 2160p em todas. O único senão é que a Xbox One X de desenvolvimento pode empregar 10% de recursos GPU adicionais, tem acesso a 44 unidades computacionais, comparadas com as 40 da unidade para venda. Não sabemos se essas unidades computacionais extra estavam a ser usadas.

Olhar a Assassin's Creed Origins a correr na Xbox One X a 4K. Não é nativa mas tem um aspecto fantástico em termos da simulação da apresentação 4K - e existem visíveis melhorias gráficas sobre Assassin's Creed Syndicate em vários aspectos.

Apesar do resultado na Xbox One X ser o foco aqui, não podemos esquecer que é um novo Assassin's Creed, com melhorias introduzidas no jogo desde o início. Origins impressiona com o seu incrível detalhe ambiental e longas distâncias de visão. Casas, árvores e outras estruturas, estão visíveis a grande distância, enquanto o pop-in causado pelas transições de nível de detalhe parecem menos agressivas do que nos anteriores. A qualidade das texturas é igualmente impressionante, e elementos como tijolos e tecidos são ricos em detalhe, e podemos presumir que os 12GB de memória da Xbox One acomodam na perfeição as texturas 4K do PC.

A iluminação também está muito melhor, existindo indícios de uma nova técnica de iluminação global que é usada para adicionar profundidade aos locais com mais iluminação ambiental. Um brilho distinto é perceptível consoante a luz reflecte das paredes para o chão, isto dá mais atmosfera nos ambientes de alto contraste no nível que vimos. Os efeitos volumétricos. Enquadra-se bem com o cenário Egípcio, onde a luz solar permite ao motor demonstrar alguns bons efeitos volumétricos e um alcance dinâmico muito sólido. Boas indicações para o suporte HDR, prometido para o jogo final.

Já as animações e mecânicas de jogo estão menos impressionantes, não parecem drasticamente remodeladas ao ponto que muitos esperava. Ao invés de uma completa remodelação, as primeiras impressões pintam Origins como um refinamento sobre o molde familiar da série. Os edifícios podem ser escalados até alturas incríveis, usamos animais para espiar os alvos, e o combate ainda apresenta um foco na fuga e contra-ataque. Existem novos elementos, tais como apanhar flechadas já atiradas, e o combate flui de uma forma mais livre, mas estas mudanças não parecem reescrever o familiar livro de regras e ficamos a pensar até que o ponto o gameplay principal foi melhorado.

A fluidez dos movimentos do protagonista está melhorada, os movimentos principais fluem com maior suavidade, o que permite ao protagonista interagir com maior naturalidade com o cenário ao escalar e ao percorrer edifícios. No entanto, algumas acções ainda parecem bruscas e sem a naturalidade de jogos como Horizon Zero Dawn ou Uncharted 4. O mesmo pode ser dito dos combates, onde os confrontos físicos apresentam maior fluidez do que nos anteriores jogos da série.

A performance também está boa. Os que viram a conferência da Microsoft podem ter reparado num soluçar em todos os gameplays - incluindo Origins - mas isto parece ser um problema técnico daquele dia. Vimos o código a correr à nossa frente e os rácios de fotogramas estão sólidos a 30fps. Boas notícias tendo em conta que é a versão alpha, e mesmo que esteja a ser usado o poder extra do dev kit, é uma boa base para mais optimizações. O uso da conversão dinâmica de resolução também tem o potencial para minimizar as quedas no rácio de fotogramas nas cenas em que o número de pixeis seja um problema, mas baseado no que vimos até agora, juntamente com o tempo de desenvolvimento até ao jogo ser lançado, Origins não deve falhar aqui.

Mas apenas vimos uma pequena porção do jogo, será interessante ver o quão representativo do gameplay e da experiência é. Por enquanto, o que vimos pinta uma imagem positiva para o apoio third-party na Xbox One X, especialmente na entrega de uma experiência UHD, mesmo que a apresentação não seja nativa.

Também demonstra que motores exigentes, que tradicionalmente implementaram resoluções 900p ainda podem receber um significativo salto visual que simula de bela forma 4k nativa - também reafirma que checkerboarding funciona, e muito bem. A técnica amadureceu desde o seu uso em Rainbow Six Siege pela Ubisoft, e ver 2160p como o alvo tão cedo é um sinal positivo. Teremos de esperar para ver o quão perto fica a Xbox One X da experiência PC maximizada, em termos de efeitos e qualidade de imagem 4K, mas o potencial está lá para uma experiência muito mais aproximada do que alguma vez vimos numa consola.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (37)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários