Call of Duty: Infinite Warfare - Performance 4K analisada na PS4 Pro

Também falamos de Modern Warfare Remastered.

Poderá ser um Call of Duty de coração - mas em termos de tom e tecnologia, Infinite Warfare é uma grande mudança dos anteriores. Ao jogar a PlayStation 4 Pro, existe a sensação que é o equivalente de um filme de Michael Bay nos videjogos, mas a estética do jogo evoluiu para acompanhar as suas aspirações cinemáticas, exigindo uma mudança significativa na tecnologia de renderização. O que mudou, e pode o jogo manter a acção 60fps pela qual a série ficou conhecida?

Tal como em Titanfall 2 e Battlefield 1, temos uma resolução dinâmica que faz a diferença, reduzindo a carga da renderização em áreas problemáticas, mantendo o rácio de fotogramas alto. Na PS4 base e Xbox One temos um conversor horizontal que vai de 960x1080 a full HD, recebendo super-sampling adicional através de um componente temporal. A PS4 Pro usa uma solução diferente, que varia entre 1560p via checkboard até 2160p.

A consistência do rácio de fotogramas fica impressionante, mesmo nas set-pieces inacreditáveis, e a estática do jogo combina bem com a conversão de resolução - na PS4 Pro, é praticamente impossível ver quaisquer mudanças enquanto ocorrem, e os artefactos do checkboard apenas são visíveis em imagens paradas. Em movimento ficam submersas na cadência de pós-processamento, escondidos de certa forma pelos efeitos, sem falar que o movimento reduzido da resolução em todos os ecrãs 4K. Alguns efeitos até ocorrem em resolução nativa, como o subtil efeito grainha.

Jogámos Call of Duty: Infinite Warfare.

A apresentação de Infinite Warfare na Pro lembra-nos Ryse da Crytek - o ênfase na produção de um aspecto cinematográfico que parece mais natural. Isso significa que arestas geométricas afiadas são quase inexistentes, enquanto o detalhe de texturas ultra nítido que geralmente vês nos jogos não está lá. No entanto, a solidez do rácio de fotogramas e design visual impressionante funcionam - a luz ressalta dos materiais de bela forma, e a cadência pós-processamento está muito bem conseguida. Não é o número de pixeis que define o aspecto de Infinite Warfare - passar da PS4 para a Pro é como passar de um Blu-ray para um UHD Blu-ray, sem HDR.

O que mais gostei foi ver o quão diferente é, especialmente comparado com Black Ops 3. O novo COD parece uma profunda evolução de Advanced Warfare (os elementos pós-processamento parecem partilhar uma base comum), mas na verdade, com o novo ciclo de desenvolvimento de três anos, os criadores podem apresentar a sua própria tecnologia para alcançar os seus objectivos.

E com a chegada de Call of Duty: Modern Warfare Remastered, fica a sensação que existe um quarto estúdio COD nesta rotação a Raven Games. A apresentação de MWR é totalmente diferente dos jogos COD mais recentes, a sua estética parece construir sobre o que a Sledgehammer fez em Advanced Warfare.

Vê Modern Warfare Remastered na PlayStation 4 Pro.

O resultado final está muito diferente do que foi feito pela Infinity Ward, e na PS4 Pro a Raven descartou a conversão dinâmica de resolução e checkboard, optando por 2880x1620 fixa, conseguindo um aspecto impressionante, mas ligeiramente suavizado, nos ecrãs 4K, enquanto os jogadores 1080p recebem um pequeno benefício de downsampling. A resolução escolhida assegura uma performance mais suave na Pro. Os habituais culpados - explosões que preenchem o ecrã - causam quedas no rácio de fotogramas nas duas consolas PlayStation, mas a Pro é menos afectada.

É interessante que todos os três shooters principais lançados recentemente empregam tecnologias similares para providenciar melhor qualidade de imagem e melhorias Pro tangíveis - mesmo que seja através de implementações diferentes. Titanfall 2, Battlefield 1 e agora Infinite Warfare combinam resolução dinâmica e super-sampling temporal para belos resultados que se adaptam bem à Xbox One, PS4 e PS4 Pro. A Respawn disse que o conversor dinâmico está agora disponível na versão PC de Titanfall 2 - algo que iremos investigar.

Battlefield 1 e Infinite Warfare adicionam a técnica checkboard para procurar resoluções superiores, e funciona. Existe a aceitação que a maioria dos jogos de topo não vão chegar a nativa 4K na PS4 Pro, mas ainda existem ganhos perceptíveis sobre a PS4 normal. Um dia teremos de perguntar o quão perto ficam da verdadeira 3840x2160 oferecida pelo PC - mas isso fica para mais tarde.

Publicidade

Salta para os comentários (2)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários