Confronto: Trine 3: The Artifacts of Power

A recente versão PS4 comparada com o jogo PC no máximo.  

Em Trine 3, o estúdio Frozenbyte entrega um jogo impressionante, repleto de ambientes detalhados e com uma variedade de efeitos e iluminação bem conseguidos. O uso de campo de profundidade, iluminação dinâmica e efeitos volumétricos, adicionam atmosfera aos locais e a passagem para um campo de jogo verdadeiramente 3D parece uma progressão natural para o gameplay por puzzles. O uso de um espaço totalmente 3D nem sempre funciona bem mas em termos visuais, temos uma grande melhoria sobre Trine 2, apesar do uso do DirectX9. O estúdio optimizou imenso o jogo e vemos o DX9 a entregar um jogo belo.

Trine 3 chegou finalmente à PlayStation 4, onde corre a 1080p60. O jogo foi concebido originalmente para PC, a versão a derrubar. A correr a 1080p, tal como na consola, conseguimos colocar tudo no máximo, combinado 4x MSAA (supersampling) anti-aliasing com uma GTX 980 Ti. O desafio era simples - ver o quão aproximado fica de um PC de topo. Aqui, a qualidade de imagem limpa surge ao lado de texturas detalhadas, juntamente com espessa iluminação volumétrica, e uso extensivo de interactividade por físicas com os ambientes.

É visualmente belo mas rapidamente se torna aparente que a experiência oferecida na PS4 se aguenta bem, com apenas alguns senãos. A consola oferece 1080p nativa, e o uso de AA pós-processamento fornece uma apresentação limpa. Existe brilho sub-pixel mas no todo, pouco separa o PC e a PS4 em termos de imagem. Na verdade, o uso de 4x supersampling no PC é exagerado para o jogo - correr numa resoluçãi nativa com FXAA oferece a maioria das riquezas visuais do jogo.

Trine 3 maximizado no PC e comparado com a versão PS4.

É um começo para a versão PS4 mas não é perfeita pois descobrimos que a apresentação falha em termos de linhas verticais que aparecem em algumas sombras. Estes artefactos não são visíveis em áreas escuras mas podem distrair em cenas com maior luminosidade, e estendem-se a vários ambientes do jogo - o fato branco de Zoya frequentemente mostra estas linhas, e surgem no cenário distante, reduzindo levemente a claridade dos objectos no horizonte.

"As sombras são renderizadas com (2x2) screen-space dithering," disse-nos o Frozenbyte. "No PC, separámos o alvo de renderização e filtrámos o resultado para nos livrarmos do efeito. Na versão PS4, não tivemos tempo para o implementar."

A renderização de texturas parece ter problemas na PS4, em algumas cenas os personagens sofrem com artefactos de pixelização nas cutscenes - algo que não vemos no PC. Pequenas anomalias num jogo que de resto tem bom aspecto, e talvez seja corrigido no futuro.

Os visuais aguentam-se muito bem e a arte vibrante de Trine 3, juntamente com o bom uso de efeitos, são destaques nas duas versões, juntamente com uso impressionante de iluminação, reflexos e campo de profundidade. Tudo ajuda a conquistar a atenção do jogador.

Curiosamente, a qualidade dos bens na PS4 não iguala o PC no máximo, surpreendente tendo em conta os 5GB de memória disponíveis para os programadores. Texturas de menor resolução e mapas normais são usados na PS4. Cercas, tijolos e chão são afectados em diversos graus. Em movimento a diferença não é tão perceptível, apenas em comparações lado a lado, mas o jogo PC tem um aspecto mais refinado.

O PC também tem vantagem na iluminação. Os efeitos volumétricos permitem que a luz se espalha de forma convincente pelo ar, produzindo feixes de luz mais densos e brilho convincente no ambiente. Melhora a atmosfera do jogo e no PC estes efeitos estão melhores. De resto, a qualidade das sombras também está melhor no PC. São gerados numa resolução maior e têm arestas mais suaves. Curiosamente, a folhagem na PS4 cria sombras, efeito ausente em muita da verdura no PC. É algo estranho e não esperávamos ver isto tendo em conta a capacidade de adaptação da versão PC em outras áreas.

Ambas as plataformas oferece um leque idêntico de efeitos em várias cenas. Os reflexos nos personagens e ambientes são iguais, e temos distâncias de visão idênticas juntamente com um uso igualmente forte de campo de profundidade. Fumo, partículas e outros efeitos alpha são gerados em resolução completa. O uso de objectos por físicas também impressiona nas duas plataformas.

A performance de Trine 3 na PS4 é linda - 1080p60 fixos.

A performance na PS4 é excelente. Trine 3 corre a 60fps fixos e como resultado, a suavidade e resposta do comando é consistente nos combates e na exploração. Não perde fotogramas, sem tearing, e a experiência de jogo beneficia com este nível de estabilidade - a latência dos comandos é baixa e a resposta é boa. É algo espantoso tendo em conta os visuais luxuosos e o uso de nativa 1080p.

No geral, Trine 3 na PS4 aguenta-se bem em muitas áreas comparado com o original do PC. A maioria dos efeitos são idênticos e a visão artística não é comprometida pelas pequenas anomalias. O uso de texturas de menor resolução surpreende mas a estética principal é recriada de bela forma. A performance está fixa a sólidos 60fps, algo que não vemos em muitos jogos. Também existe suporte para 3D estereoscópico, significando que os donos de 3DTV não foram esquecidos.

Não é uma conversão perfeita e esperámos que os problemas sejam corrigidos. De momento, se querem a experiência visualmente mais refinada, é no PC que a encontram. A versão PS4 é um jogo de aspecto belo e apesar da muita controvérsia sobre a quantidade de jogo que tens pelo teu dinheiro, Trine 3 foi muito divertido.

Conteúdos relacionados

ArtigoQual a sensação de jogar The Last of Us: Part 2?

As nossas primeiras impressões da versão final.

Dying Light 2 está quase terminado

Mas Techland não revela a data de lançamento.

"O número de AAA gigantescos vai diminuir", afirma Kojima

Acredita que jogos vivos serão mais sustentáveis.

Mais de 10 milhões de pessoas descarregaram as ofertas Play at Home

Uncharted: Nathan Drake Collection e Journey foram oferecidos em Abril pela Sony.

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários