Confronto de nova geração: Lego Marvel Super Heroes

Blockbuster.

A adorável série do Traveller's Tales de jogos LEGO é conhecia pela sua imaginação, humor e atenção ao detalhe - e, no caso dos primeiros jogos, o seu sólido refrescamento a 60fps. No entanto, a transição para a primeira ronda de consolas HD não correu muito bem. Apesar dos visuais relativamente simples, o salto de SD para 720p mostrou o motor com dificuldades para manter um rácio de fotogramas estável sem forte tearing. Eventualmente Lego Star Wars 3: The Clone Wars apresentou o abandono dos 60Hz em favor de visuais melhorados no jogo e a expansão do alcance da ação para refrescar a série. Com a chegada das consolas de nova geração, existem todos aqueles fotogramas extra para colocar novamente em jogo. O quão bem transitou a série LEGO para a Xbox One e PlayStation 4? Decidimos olhar para LEGO Marvel Super Heroes para descobrir.

Na verdade, dada a escala do trabalho de conversão multi-plataformas a alcançar nada menos que nove formatos diferentes - incluindo duas novas consolas - combinado com um firme lançamento pré-Natal, um regresso aos dias de glória dos 60fps da PS2 talvez fosse esperar demasiado, e novamente, o TT fica-se pela atualização a 30fps ao invés de procurar alcançar o mesmo padrão de luxo dos primeiros jogos na série.

No entanto, a decisão de colocar o alvo num rácio de fotogramas mais modesto permite aos programadores aumentar o nível de efeitos visuais e manter na mesma uma atualização suave. Para começar, as versões PS4 e XO de LEGO Marvel corre a nativa 1080p, resultando numa apresentação nítida que é uma enorme melhoria acima dos velhos jogos Lego PS3 e XO. Formas similares de anti-aliasing pós-processamento são usados nas duas consolas, com cobertura a variar de cena para cena. Como habitual em técnicas pós-AA, brilho sub-pixel está presente em estruturas e objetos com detalhe mais delicado distantes da câmara.

Lego Marvel Super Heroes comparado na XO e PS4. Usem a resolução 1080p e ecrã completo para a melhor experiência possível.

Fora o óbvio aumento na resolução, o TT focou-se claramente na criação de uma reprodução visual mais cinemática e entusiasmante do universo Lego que conta com um melhorado trabalho de efeitos e iluminação dando um aspeto mais realista aos coloridos tijolos e estruturas Lego. O uso liberal de blur de objetos e um forte efeito de campo de profundidade que realça personagens e partes dos ambientes perto da câmara adiciona um tom mais dramático à ação, enquanto o uso de shaders de superfície mais avançados fazem um bom trabalho para adicionar um brilho CG quase Pixar aos procedimentos. Comparado com jogos Lego da anterior geração, os ambientes têm mais detalhe, usam texturas de maior resolução, e as distâncias de visão são visivelmente maiores.



De uma perspetiva gráfica, a experiência é recriada com um padrão igualmente alto nas duas novas consolas e PC, apesar de existir uma ou duas diferenças nada habituais que se destacam. Na segunda metade do primeiro nível, alguma arte de resolução mais baixa está presente na PS4, as texturas da areia no chão parecem todas esborratadas. O problema também está presente no PC - apesar de num grau muito menor - deixando-nos acreditar que este fenómeno muito provavelmente se deve a um erro na renderização que escapou ao controlo de qualidade. Curiosamente, a screen-space ambient occlusion (SSAO) também parece estar ausente do PC, roubando a algumas cenas profundidade em redor dos personagens e partes dos ambientes, e também vemos claros exemplos unificação pelos realces especulares em superfícies brilhantes.


Além disso, estamos a olhar para um leque limitado de definições gráficas ajustáveis que consistem em resolução, rácio de refrescamento, v-sync, e barra para a iluminação. Os que esperam mais ajustes vão ter que se aventurar no painel de controlo da sua gráfica ou talvez enveredar por uma edição ao ficheiro config. Opções AA estão ausentes, o jogo usa uma suavização de arestas por pós-processamento similares à das versões de consola, sugerindo talvez que um esquema de iluminação diferida está presente - tecnologia notoriamente incompatível com tradicional multi-sampling AA.



PlayStation 4Xbox OnePC
A arte principal é idêntica em todas as três versões do jogo, apesar de em alguns momentos surgirem texturas de extrema baixa resolução na PS4 - e em menor grau no PC - no que parece ser um erro infeliz.
PlayStation 4Xbox OnePC
Screen-space ambient occlusion claramente adiciona profundidade extra aos personagens e cenários na PS4 e XO. Surpreendentemente, o efeito está completamente ausente do PC.


PlayStation 4Xbox OnePC
Sombras de baixa resolução estão presentes em todas as versões. O uso do que parece ser PCF (percentage closer filtering) results in noticeable stair-step patterns around the edges of these elements.
PlayStation 4Xbox OnePC
Os ambientes contam com reflexos num leque de superfícies brilhantes, na sua maioria nítidos em alta resolução. No entanto, mapas de reflexos de baixa qualidade são usados em alguns objetos, que falham em resolver detalhes claros, tais como edifícios reflectidos de barreiras de vidro nesta imagem.
PlayStation 4Xbox OnePC
O uso extensivo de blur de objetos ajuda a dar ao jogo uma apresentação distintamente cinemática e também melhora o rácio de fotogramas do jogo em movimento.
PlayStation 4Xbox OnePC
O tijolos Lego e personagens beneficiam com alguns impressionantes shaders de materiais, que demonstram como variáveis níveis de brilho (difundido e especular) e propriedades reflectoras são usadas para simular o aspeto destes objetos debaixo de diferentes condições ambientais.
PlayStation 4Xbox OnePC
Acrescentando mais à apresentação cinemática, as cutscenes são apresentadas com um rácio de aspeto 2.35:1, as barras pretas mudam suavemente para o ecrã enquanto a ação transita de gameplay para cutscenes.


Em termos de performance, a decisão de se colocarem a 30fps tem os seus benefícios sobre os jogos Lego de atual geração, o poder adicional nas novas consolas é usado para manter um rácio de fotogramas mais estável que raramente se desvia do seu alvo. A estável apresentação a 30fps presente nas duas novas consolas é bem-vinda: os controlos têm melhor resposta do que antes, e a irritante trepidação causada pelos fotogramas perdidos e screen tearing basicamente não é problema. Os que espera um bloqueio fixo podem ficar desapontados: ocasionalmente vemos alguns fotogramas quebrados na PS4, juntamente com a ocasional descida para 20fps (com tearing) na XO durante algumas cutscenes.



A boa notícia é que nada disto afecta a gameplay, que parece consistentemente suave na sua maior parte. O uso liberal de blur de objeto também parece fazer com que a ação corra de forma mais suave do que na verdade devido à forma como os fotogramas são misturados em movimento, o que adiciona uma sensação distintamente cinemática ao jogo que se encaixa com o material fonte. Portanto apesar de nunca termos a apresentação super suave a 60fps dos primeiros jogos, a melhoria sobre os jogos mais recentes na anterior geração é palpável.

Por muito bom que seja, jogar no PC permite-nos recuperar a suave apresentação 60Hz que foi bandeira da série não há muito tempo, e isto tem benefícios na experiência geral. Os controlos sentem-se mais precisos que nas consolas, e os excelentes destroços Lego baseado na física parecem melhor animados devido à maior suavidade. A resolução temporal extra também permite que os adoráveis shaders de superfície e trabalho de efeito se destaquem mais do que antes: mais detalhe é resolvido no ecrã em cenas de movimento rápido, apesar do forte uso de blur de objeto, e sem comprometer a apresentação cinemática.



"Para uma série com as suas raízes na gameplay a 60Hz, é um pouco desanimador que as duas novas consolas estejam bloqueadas a 30fps. Apenas o PC oferece a capacidade de correr no dobro do rácio de fotogramas."

Fora o ocasional soluço aqui e ali durante cutscenes, Lego Marvel Super Heroes na XO e PS4 opera em 30fps fixos.

No geral, é uma forte primeira amostra para a série Lego nas novas consolas, os visuais muito melhorados e trabalho geral de efeitos dão vida aos adorados blocos de plástico de formas mais vistosas. A animação também é de topo, recriando na perfeição adorados personagens Marvel consoante enfrentam cenas repletas de ação no estilo cartoon CG Lego. 



Para os que querem recuperar os dias de glória PS2 quando os jogos Lego corriam a 60fps na sua maioria sem tropeçar, a versão PC oferece com facilidade a experiência completa, juntamente com uma resposta mais rápida dos comandos e um nível de fluidez sem igual nas consolas. A ausência de SSAO e a falta de opções AA personalizáveis desaponta, mas sentimos que a contra-partida para obter uma apresentação muito mais suave vale a pena - simplesmente faz com que toda a experiência se sinta mais polida e agradável.



Perante isto, os fãs da série devem ficar muito agradados com Lego Marvel Super Heroes. Apesar da natureza ligeiramente repetitiva da gameplay e mecânicas demasiado familiares talvez precisarem de serem remodeladas, a série ainda consegue conter algumas boas novas ideias, e continua a surpreender com uma sublime atenção ao detalhe combinada com a pura quantidade de conteúdo aqui oferecido.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Jogos da PS5, incluindo todos os exclusivos, first-party e outros jogos confirmados

Tudo que sabemos sobre o alinhamento para a PlayStation 5.

Confere os jogos PS Plus para Fevereiro

São três jogos, um deles para PS VR.

Também no site...

Comentários (11)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários